Da esquerda à direita: O que dizem os partidos sobre a cedência de dados à Rússia?

Na generalidade, deputados e candidatos à Câmara de Lisboa pretendem ver a situação esclarecida e apontam para “a violação da lei.”

Cristina Bernardo

O presidente da Câmara de Lisboa, Fernando Medina já pediu desculpas e considerou a cedência de dados à Rússia “um erro lamentável”. No entanto, há quem defenda que Medina não tem condições de continuar no cargo.

Em comunicado, citado pela “RTP”, o candidato à Câmara de Lisboa apoiado pelo PSD e CDS-PP, Carlos Moedas referiu que “um país democrático e da União Europeia não pode ter um presidente da Câmara de uma capital que é cúmplice com uma ditadura como a de Putin”.

Por sua vez, no Bloco de Esquerda a candidata à Câmara de Lisboa, Beatriz Gomes Dias garantiu que ia pedir esclarecimentos sobre o sucedido através das redes sociais. “O Bloco vai pedir esclarecimentos a Medina sobre a partilha de dados de quem organizou uma manifestação a exigir a libertação de Navalny”, escreveu Beatriz Gomes Dias, acrescentando que “confirmar-se, é uma inadmissível violação da lei”.

No PCP, o líder do partido, Jerónimo de Sousa sublinhou a “gravidade” da situação em caso de se confirmar. “Nesse sentido coloca-se a necessidade do apuramento de responsabilidades dos factos e depois naturalmente se decide em conformidade essa investigação tendo em conta a sensibilidade e gravidade da questão que está colocada”, afirmou aos jornalistas.

A Iniciativa Liberal destacou, em comunicado, que “as declarações de Fernando Medina sobre a transmissão de dados pessoais de três cidadãos às autoridades russas não só não esclareceram a situação em toda a sua extrema gravidade, como vieram acrescentar questões fundamentais que é urgente apurar para defesa dos princípios da democracia liberal”.

“Em matéria de tal gravidade é inaceitável que subsistam dúvidas sobre o período temporal em que esta prática foi adotada e os eventos concretos em que dados sensíveis, que podem colocar em causa a integridade física de cidadãos e seus familiares, foram efetivamente partilhados”, afirmam os liberais.

 

Recomendadas

Bolsonaro age para partidarizar e quebrar espinha das Forças Armadas no Brasil, dizem analistas

Na semana passada, o general e comandante do Exército brasileiro, Paulo Sérgio Oliveira, decidiu não punir o também general do Exército Eduardo Pazuello, que participou num passeio de moto no Rio de Janeiro, com o Presidente da República, e até discursou em cima de um carro de som em 23 de maio.

André Ventura exige demissão de Fernando Medina

Líder do Chega considera que o presidente da Câmara de Lisboa “violou grosseiramente os seus deveres de titular de cargo político” devido ao envio de informações pessoais de manifestantes à Embaixada da Rússia.
miguel_pinto_luz_psd_1

Miguel Pinto Luz: “Acredito que o PSD voltará a ser um grande partido para bem de todos nós”

Ex-candidato à liderança do PSD defende que é urgente mudar o posicionamento político do seu partido, responsabilizando o centrismo defendido por Rui Rio pelo aparecimento de “cogumelos partidários” no centro-direita.
Comentários