Da esquerda à direita: O que dizem os partidos sobre a cedência de dados à Rússia?

Na generalidade, deputados e candidatos à Câmara de Lisboa pretendem ver a situação esclarecida e apontam para “a violação da lei.”

Cristina Bernardo

O presidente da Câmara de Lisboa, Fernando Medina já pediu desculpas e considerou a cedência de dados à Rússia “um erro lamentável”. No entanto, há quem defenda que Medina não tem condições de continuar no cargo.

Em comunicado, citado pela “RTP”, o candidato à Câmara de Lisboa apoiado pelo PSD e CDS-PP, Carlos Moedas referiu que “um país democrático e da União Europeia não pode ter um presidente da Câmara de uma capital que é cúmplice com uma ditadura como a de Putin”.

Por sua vez, no Bloco de Esquerda a candidata à Câmara de Lisboa, Beatriz Gomes Dias garantiu que ia pedir esclarecimentos sobre o sucedido através das redes sociais. “O Bloco vai pedir esclarecimentos a Medina sobre a partilha de dados de quem organizou uma manifestação a exigir a libertação de Navalny”, escreveu Beatriz Gomes Dias, acrescentando que “confirmar-se, é uma inadmissível violação da lei”.

No PCP, o líder do partido, Jerónimo de Sousa sublinhou a “gravidade” da situação em caso de se confirmar. “Nesse sentido coloca-se a necessidade do apuramento de responsabilidades dos factos e depois naturalmente se decide em conformidade essa investigação tendo em conta a sensibilidade e gravidade da questão que está colocada”, afirmou aos jornalistas.

A Iniciativa Liberal destacou, em comunicado, que “as declarações de Fernando Medina sobre a transmissão de dados pessoais de três cidadãos às autoridades russas não só não esclareceram a situação em toda a sua extrema gravidade, como vieram acrescentar questões fundamentais que é urgente apurar para defesa dos princípios da democracia liberal”.

“Em matéria de tal gravidade é inaceitável que subsistam dúvidas sobre o período temporal em que esta prática foi adotada e os eventos concretos em que dados sensíveis, que podem colocar em causa a integridade física de cidadãos e seus familiares, foram efetivamente partilhados”, afirmam os liberais.

 

Recomendadas

Legislativas: Rio saúda abertura do PAN e candidatos defendem aquilo que os separa

No último frente a frente televisivo da pré-campanha para as eleições legislativas de 30 de janeiro, na RTP, Inês de Sousa Real continuou a não revelar o que poderá determinar uma governação com o PS ou com o PSD, insistindo que contará para uma decisão a posição dos partidos no avanço das causas “fundamentais” para o PAN (Pessoas-Animais-Natureza).

Líder deposta e presa Aung San Suu Kyi foi condenada por alegados novos crimes em Myanmar

A política, de 76 anos, que está detida desde as primeiras horas do golpe militar realizado em 1 de fevereiro de 2021, cumpre pena em local desconhecido, e é também acusada de violar a Lei dos Segredos Oficiais, crime punível com uma pena máxima de 14 anos de prisão.

China reforça cooperação estratégica com o Irão

O ministro dos Negócios Estrangeiros da China, Wang Yi, e o seu homólogo iraniano, Hossein Amir-Abdollahian, anunciaram na sexta-feira o estabelecimento do acordo, durante uma reunião em Wuxi, no leste da China, disse o Ministério dos Negócios Estrangeiros de Pequim, em comunicado.
Comentários