Da ferrovia à reindustrialização: Conheça as dez propostas de Costa e Silva para a retoma da economia

Contratado pelo Governo para coordenar a estratégia de retoma da economia pós-Covid, o gestor terminou o plano no passado dia 5 de julho e esta quinta-feira apresentou-o ao Executivo. Estes são os traços gerais da proposta de António Costa e Silva.

antónio_costa_silva_partex_4
Cristina Bernardo

Já é conhecido o plano estratégico de António Costa e Silva, consultor do Governo, no sentido de preparar o país para a retoma da economia portuguesa pós-Covid.

O jornal “Eco” teve acesso ao documento de 119 páginas, nas quais o gestor da Partex que foi contratado no mês de abril e formalmente nomeado por resolução do conselho de ministros no dia 3 de junho, traça os dez passos fundamentais para a retoma da economia nacional.

Para a ferrovia, destacam-se dois projetos em curso: a construção do eixo Sines-Madrid e a renovação da Linha da Beira Alta. Dois eixos fundamentais para o tráfego de mercadorias para Espanha (alargando o Hinterland portuário ao mercado ibérico) e aumentando a quota de transporte internacional de mercadorias para o centro da Europa.

Na área da reindustrialização a maior nota vai para a promoção de uma nova fileira industrial com potencial exportador e gerador de riqueza, em torno do hidrogénio verde, para o que se desenvolveu uma estratégia para o hidrogénio visando orientar, coordenar e mobilizar o investimento público e privado em projetos nas áreas da produção, do armazenamento, do transporte e do consumo e utilização de gases renováveis em Portugal.

Para a reconversão industrial, o gestor considera que o setor automóvel tem no país um papel relevante, destacando-se, como maior exportador nacional, a Autoeuropa e toda a galáxia de indústrias e empresas que estão associadas à indústria automóvel, em termos de componentes e fornecedores de outros equipamentos e serviços. É crucial pensar de forma integrada todas as políticas públicas nesta área para a transição se efetuar de forma gradual, evitando a criação de milhares de desempregados e a falência de setores críticos, pois isso pode voltar a população contra as políticas seguidas e marcar um retrocesso assinalável.

Na recapitalização das empresas a ideia passa por criar um fundo, de base pública, de capital e quase capital, aberto a fundos privados, para operações preferencialmente em coinvestimento, dirigido a empresas com orientação exportadora e potencialidades de exploração de escala.

Já no setor da banca será necessário continuar o processo de reestruturação do sistema bancário português, sendo por isso importante resolver a questão das ‘tax losses carry forward’, com o número de anos em que os bancos podem utilizar os prejuízos fiscais, que é em Portugal muito diferente dos países europeus, o que se traduz num forte impacto na rentabilidade e capital dos bancos nacionais.

No que ao Estado diz respeito, passa pela implementação do Plano de Recuperação Económica, bem como a importância de admitir que se a Administração Pública mantiver o seu registo de ‘business as usual’ dificilmente dará resposta aos problemas que vamos enfrentar. É importante o Estado ter mecanismos e instrumentos para acelerar as decisões estratégicas e coordenar com eficácia a execução do Plano de Recuperação.

No setor do turismo, um dos mais afetados pela pandemia, Costa e Silva considera que o país deve promover um grande plano para captar a atenção dos mercados mais importantes com base nas valências que Portugal apresenta em termos da sua diversidade geográfica e paisagística.

Já na área da transição energética deverá ser levado a cabo um projeto de investimento centrado no papel da floresta na prestação de serviços de ecossistemas, prevendo mecanismos de remuneração desses serviços, em áreas de grande susceptibilidade a incêndios e à desertificação e de elevado valor ambiental, reconhecendo e valorizando os usos do solo que contribuem para múltiplos objetivos ambientais, designadamente a preservação da biodiversidade, a conservação do solo, o sequestro de carbono e a gestão dos recursos hídricos.

Na saúde, é vista como essencial a conclusão da rede do Serviço Nacional de Saúde com o novo Hospital de Lisboa Oriental, o novo Hospital do Seixal, o novo Hospital de Évora, o novo Hospital do Algarve, a requalificação do parque e da tecnologia hospitalar e a ampliação da Rede Nacional de Cuidados Continuados para a dimensão já prevista.

Por fim, na questão social deverão ser lançadas, em articulação com as autarquias, medidas de estímulo à requalificação e reabilitação de habitações devolutas para serem atribuídas a famílias e pessoas carenciadas, bem como um programa de gestão do património imobiliário do estado, para identificação dos imóveis passíveis de serem reabilitados e orientados para o arrendamento social.

Ler mais
Recomendadas

PremiumConservas querem substituir 200 milhões de importações

Campanha em curso de promoção do consumo de conservas deverá aumentar vendas em cerca de 5%, revela José Maria Freitas, presidente da ANICP – Associação Nacional dos Industriais de Conservas de Peixe, em entrevista ao Jornal Económico.

Lucro da petrolífera Saudi Aramco cai 50% no primeiro semestre para 19,7 mil milhões de euros

A petrolífera Saudi Aramco alcançou 23,2 mil milhões de dólares (cerca de 19,7 mil milhões de euros) de lucro no primeiro semestre deste ano, menos 50% do que em igual período do 2019, penalizado pela pandemia de covid-19.

Apenas 2,7% das coimas da Autoridade da Concorrência foram pagas desde 2004

Uma das razões para os atrasos são os múltiplos recursos na Justiça, que contribuem para que só uma pequena parte das coimas seja paga.
Comentários