Dados da ‘fintech’ do grupo Alibaba vão ser integrados no banco central chinês

A imprensa chinesa informou anteriormente que muitos dos utilizadores do serviço de pagamento receberam um aviso através da aplicação móvel, instando-os a aceitar os novos termos de utilizador, que incluem partilhar as suas informações de crédito com o Banco Popular da China (banco central).

A Ant Group, tecnológica financeira do grupo chinês Alibaba, anunciou esta quarta-feira que as informações relativas ao crédito dos utilizadores, do seu serviço de pagamento às prestações Huabei, vão ser integradas no sistema do banco central da China.

A imprensa chinesa informou anteriormente que muitos dos utilizadores do serviço de pagamento receberam um aviso através da aplicação móvel, instando-os a aceitar os novos termos de utilizador, que incluem partilhar as suas informações de crédito com o Banco Popular da China (banco central).

As novas condições preocupam vários consumidores, que temem que, a partir de agora, o seu histórico de crédito no Huabei possa prejudicá-los, ao pedirem empréstimos no sistema bancário tradicional.

O comunicado da Ant pretendeu tranquilizar os utilizadores: “O uso normal do Huabei e a manutenção de bons hábitos de consumo não causarão dificuldades na solicitação de outros empréstimos”.

Bian Yongzu, pesquisador da Universidade Tsinghua, explicou em declarações ao jornal de notícias económicas Jinrong Yixian que “um sistema de crédito mais completo, preciso e detalhado também favorece a prevenção de riscos financeiros, por ser a infraestrutura financeira básica do país”.

O setor digital floresceu rapidamente na China, em parte devido à falta de regulação, ou da aplicação dos regulamentos existentes, algo que mudou, nos últimos meses.

Pequim expandiu o seu escrutínio regulatório no setor de tecnologia e passou a punir praticas monopolistas e a acumulação indevida de dados.

Em abril passado, o grupo Alibaba recebeu uma multa de 18,2 mil milhões de yuans (2,375 milhões de euros), a maior multa por práticas monopolistas na história do país.

Recomendadas

Hélder Rosalino reconduzido no Banco de Portugal com efeitos retroativos a 2019

Hélder Rosalino tem menos de três anos pela frente na administração do Banco de Portugal porque o Governo reconduziu o ex-governante social democrata, mas com efeitos retroativos a setembro de 2019. O mandato dos administradores do banco central são de cinco anos.

Fitch admite que o malparado dos bancos portugueses vai aumentar em 2022

Rafael Quina antevê que o malparado decorrente de 18 meses de moratória se vai fazer sentir especialmente em 2022. O analista disse ainda que há espaço para aumentar a consolidação bancária o que “ajudaria a melhorar os modelos de negócio da banca portuguesa, no sentido de  aumentar a resiliência e a rentabilidade”. Mas ainda há barreiras a derrubar.

Banco CTT vai recolher e reciclar cartões de débito inutilizados através de envelope RSF

“O Banco CTT tem neste momento uma base com mais de 600 mil clientes, pelo que acreditamos que juntarmo-nos a este movimento terá um impacto a prazo relevante na fomentação de hábitos de sustentabilidade ecológicos”, afirma no comunicado Luís Pereira Coutinho, Presidente Executivo do Banco CTT.
Comentários