Dados. Mercado de 67 mil milhões de euros pode ser vítima do Brexit

O Reino Unido arrisca-se a perder a liderança do mercado europeu de dados por causa do Brexit, colocando em risco um mercado que vale até 67 mil milhões de euros.

A economia britânica arrisca-se a perder até 67 mil milhões de receitas anuais caso não negoceia convenientemente com a União Europeia o acesso ao mercado de dados europeu, que atualmente lidera, revela um relatório publicado pelo Digital Catapult – um centro de empreendedorismo com capitais públicos –, citado pela Bloomberg.

O Reino Unido é o maior mercado europeu de dados digitais, que podem ir de tendências de consumo nas cadeias de retalho online a informação sobre a localização de telemóveis – um mercado que valeu 13 mil milhões de euros em 2016 e poderá mesmo dobrar o seu valor até 2020. Para garantir que não fica fora deste comboio, o Reino Unido depende do fluxo continuado e livre de dados entre o seu país e a União Europeia. Para tal, o país está já a atualizar as suas leis de proteção de dados, para que sejam equivalentes às novas regras europeias, que entram em vigor em 2018.

Mas a tendência é a de criação de um Mercado Digital Único, o que coloca um ponto de interrogação sobre qual será o acesso do Reino Unido a este mercado no pós-Brexit. Ainda assim, há uma oportunidade para o Governo britânico criar nova legislação que seja mais vantajosa para as empresas e novos acordos para a partilha de dados, nomeadamente com os EUA, a maior economia digital do mundo, segundo o Digital Catapult.

No seu relatório, o centro insta o Governo de Theresa May a considerar o fluxo de dados com parte das negociações do Brexit, bem como a tentar transformar o Reino Unido num hub de partilha de informação entre os EUA e a União Europeia, seja através de um novo acordo de comércio com os EUA ou através de um tratado separado, dedicado apenas à partilha de dados.

Relacionadas

Brexit: Reino Unido já se está a preparar para falta de acordo

“Não é o queremos, mas é o que precisa de ser feito”, disse esta terça-feira o negociador britânico do Brexit, David Davis, sobre o plano de contingência para um Brexit sem acordo entre Reino Unido e UE.

Financiamento a empresas britânicas em risco depois do Brexit, avisa o Banco de Inglaterra

Quando o Reino Unido sair definitivamente da UE, em março de 2019, serão necessárias novas autorizações para que empresas financeiras do Espaço Económico Europeu possam continuar a operar no país.

Brexit: segunda fase de negociações adiada por falta de consenso

Ao fim de mais de seis meses e quatro rondas de negociações, o Parlamento Europeu considera que não formam feitos avanços significativos e pede mais “clareza” a Theresa May. As negociações do Brexit devem concluídas em março de 2019.
Recomendadas

Jornal Económico teve melhor desempenho de sempre no primeiro trimestre de 2019

Site do Jornal Económico recebeu 12,5 milhões de visitas entre janeiro e março de 2019, o que representa uma subida de 20% face ao mesmo período do ano passado. Número de utilizadores do site cresceu 30% para cinco milhões e circulação da edição semanal superou pela primeira vez a fasquia dos dez mil exemplares. Obrigado pela sua preferência!

Ministro do Planeamento: Governo quer ter 100% do Portugal 2020 aprovado até ao fim do ano e uma execução de 50%

Nelson de Souza revelou em entrevista à Antena1/Negócios que as aprovações em curso, ao longo de 2019, dos fundos de coesão – sem contar com a agricultura – vão corresponder a um total de 5 mil milhões de euros.

Agência Espacial: Portugal pretende multiplicar negócios por dez até 2030

Acabada de criar, a Agência Espacial Portuguesa é vista pelo ministro da Ciência, Manuel Heitor, como a força capaz de criar mil empregos e gerar uma faturação de 400 milhões de euros até ao fim da próxima década.
Comentários