Daniel Reis sai da PLMJ para a DLA Piper

O advogado, que esteve na PLMJ mais de 20 anos, passou a ser sócio da DLA Piper Portugal, coordenando a área de Tecnologia.

O advogado Daniel Reis, ex-sócio da PLMJ, é o novo responsável de Tecnologia da sociedade internacional DLA Piper. O escritório de Portugal da DLA Piper contratou Daniel Reis para implementar uma estratégia de reforço deste departamento, que considera “essencial” na oferta que tem a nível global.

Daniel Reis exerce advocacia há mais de duas décadas e tem trabalhado essencialmente questões de proteção de dados, privacidade e segurança, transações na área da tecnologia, telecomunicações e cibersegurança. O jurista, que esteve na PLMJ 20 anos oito meses, considera que esta sua nova ‘casa’ é uma “sociedade global com uma capacidade impressionante no apoio ao cliente”.

“É um dos maiores especialistas portugueses em tecnologia, que é dos setores estratégicos da DLA Piper globalmente, e vem naturalmente fortalecer a nossa capacidade e oferta neste setor em Portugal, e também em África e na América Latina”, refere Nuno Azevedo Neves, managing partner da DLA Piper Portugal.

Em setembro de 2019, a PLMJ anunciou uma mudança de estratégia e confirmou a saída do sócio João Medeiros, que estava na sociedade de advogados há mais de duas décadas. A reorganização da PLMJ começou em outubro de 2018, passando pelo reforço nos serviços prestados aos clientes empresariais, transformação nos procedimentos de gestão e reorganização da estrutura produtiva (concentração de equipas). Do processo de reestruturação fez ainda parte a mudança de sede para a Avenida Fontes Pereira de Melo.

Foi no âmbito deste processo que, em menos de um ano, a PLMJ viu sair vários sócios, como Nuno Cunha Barnabé e Manuel Santos Vítor, que foram para a Abreu Advogados; João Magalhães Ramalho, que faz agora parte da Telles; Pedro Melo e Maria João Ribeiro Mata, que passaram a integrar a Miranda & Associados ou Tomás Pessanha, que foi para a Garrigues e levou a sua equipa. Por outro lado, a firma integrou João Tiago Morais Antunes e Isaque Ramos no leque de sócios.

“A PLMJ permanece fiel à sua estratégia de ser uma sociedade independente, multidisciplinar e full service, sem prejuízo de um maior foco estratégico na prestação de serviços às empresas em todas as áreas de prática – incluindo a penal, a contraordenacional e de compliance –, assim como na seletividade reforçada dos serviços prestados e da sua base de clientes”, explicou o managing partner, Luís Pais Antunes, em meados do ano passado.

Ler mais
Recomendadas

PremiumDeloitte vai quase duplicar soluções na “App Store fiscal”

Os programadores da consultora irão, até ao final do ano, desenvolver mais aplicações móveis para automatizar os processos fiscais das empresas.

Operação Lex: Ordem dos Advogados vê com “grande preocupação” viciação do sorteio de processos em tribunais

A Ordem dos Advogados vê com “grande preocupação” a possibilidade de viciação do sistema electrónico de distribuição de processos nos Tribunais portugueses e apela a que o Conselho Superior de Magistratura assegure que este tipo de práticas “não poderá repetir-se”, depois de notícias que dão conta de que o ex-presidente do Tribunal da Relação de Lisboa, Vaz das Neves, foi constituído arguido no processo Operação Lex, por aquele tipo de suspeitas de viciação.

PremiumNuno Faria: “Negócios entre Portugal e Irão estão em ponto morto”

O advogado Nuno Pinto Coelho de Faria realça que a escalada das tensões no Médio Oriente travou contactos “muitíssimo evoluídos” no setor farmacêutico.
Comentários