Darwin, Éverton, Pedrinho e Lucas. Bruno Macedo intermediou 68 milhões de euros em transferências na época passada (com áudio)

Na época passada, os ‘ encarnados’ quebraram o recorde de investimento no futebol português, com uma fatura total na compra de jogadores de 105 milhões de euros. Só nestes quatro jogadores, cujos processos de transferência tiveram a participação de Bruno Macedo, o Benfica gastou 68 milhões de euros, sem que sejam conhecidos ao detalhe os valores associados às despesas de intermediação, vulgo comissões.

Bruno Macedo, o agente de futebolistas e treinadores que foi detido esta quarta-feira na operação que envolveu o presidente do Benfica, esteve envolvido no processo de contratação de quatro jogadores na temporada passada, que no total levaram o clube da Luz a investir 68 milhões de euros.

Na época passada, os ‘ encarnados’ quebraram o recorde de investimento no futebol português, com uma fatura total na compra de jogadores de 105 milhões de euros. Só nestes quatro jogadores, cujos processos de transferência tiveram a participação de Bruno Macedo, o Benfica gastou 68 milhões de euros, sem que sejam conhecidos ao detalhe os valores associados às despesas de intermediação, vulgo comissões.

Pelo que foi noticiado relativamente à transferência de jogadores na época passada, Bruno Macedo participou ativamente nas transferências de Darwin Nuñes (24 milhões de euros), Éverton (20 milhões de euros), Pedrinho (18 milhões de euros e Lucas Veríssimo (6,5 milhões de euros). Além disso, Bruno Macedo também intermediou a transferência de Jorge Jesus do Flamengo para o Benfica.

Ligação de Macedo ao Brasil

No mapa de comissões revelado pela Federação Portuguesa de Futebol, pode constatar-se que as comissões pagas pelas transferências de Éverton, Lucas Veríssimo e Pedrinho foram pagas à empresa Bertolucci Assessoria e Propaganda Esportiva, gerida por Giuliano Pacheco Bertolucci. Este agente, conhecido como o Jorge Mendes do Brasil, tem colaborado com Bruno Macedo já que o empresário português tornou-se agente de futebolistas e de treinadores na órbita de Giuliano Bertolucci.

Segundo um documento detalhado da FPF, o Benfica voltou a liderar a tabela das comissões no futebol português, ao desembolsar 20,3 milhões de euros entre 1 de abril de 2020 e 31 de março de 2021. Mesmo assim, este montante representa uma quebra face às comissões liquidadas pelo clube da Luz a empresários entre 1 de abril de 2019 e 31 de março de 2020. Neste período, o Benfica pagou 34,2 milhões de euros em despesas de intermediação, sendo que 12 milhões de euros foram pagos a Jorge Mendes pela transferência de João Félix para o Atlético de Madrid.

Suspeita de desvio de 2,5 milhões

De acordo com a “RTP” e “Observador”, que citam o mandado de detenção do presidente ‘encarnado’, o Ministério Público suspeita que Luís Filipe Vieira terá desviado cerca de 2,5 milhões de euros do Benfica. A investigação liderada pelo procurador Rosário Teixeira sustenta o empresário de futebol Bruno Macedo e o presidente do clube da Luz combinaram que o empresário iria participar sempre nas transferências dos encarnados.

A investigação sustenta que este empresário alegadamente aumentava de forma indevida as comissões referentes à venda de jogadores para depois reverter os valores para empresas do universo de Luís Filipe Vieira. Na mira das autoridades estão as transferências de três jogadores: os paraguaios Derlis Gonzalez e Claudio Correa e o brasileiro César Martins.

O MP sustenta que a partir de várias empresas offshore criadas nos Estados Unidos da América, Emirados Árabes Unidos e Tunísia, controladas direta ou indiretamente por Bruno Macedo, permitiram transferir quase 2,5 milhões de euros para as sociedades do presidente do Benfica, de acordo com a “RTP”.

Os 2,5 milhões de euros, suspeita o MP, serviram para financiar o pagamento de créditos antigos de LFV, e para comprar terrenos da Inland e de outras empresas do grupo empresarial de Vieira. Este esquema teria a ajuda do empresário Bruno Macedo, do seu filho Tiago Vieira e de outros membros da família de Vieira, segundo o “Observador”.

Luís Filipe Vieira, Tiago Vieira, Bruno Macedo e o empresário José António dos Santos foram detidos na quarta-feira e já foram constituído arguidos. Hoje vão ser interrogados pelo juiz Carlos Alexandre.

Relacionadas

Ministério Público suspeita que Vieira terá desviado 2,5 milhões do Benfica (com áudio)

MP suspeita que empresário Bruno Macedo alegadamente aumentava indevidamente as comissões inerentes à venda de jogadores para depois reverter os valores para empresas do universo de Luís Filipe Vieira, revelam a “RTP” e o “Observador”, que apontam que dinheiro poderá ter servido para pagar créditos e comprar terrenos.

Do chumbo da OPA à detenção de Vieira. Sem títulos, incertezas adensaram-se na Luz

Foi em maio de 2019 que o SL Benfica celebrou o último de campeão nacional. Desde aí, não tem sido fácil o percurso de Luís Filipe Vieira. Do chumbo da OPA da Benfica SGPS à SAD em junho de 2020 à detenção do presidente do clube da Luz, conheça as polémicas que marcam estes meses na vida do dirigente.

Luís Filipe Vieira vai ser hoje interrogado por juiz Carlos Alexandre (com áudio)

O inquérito está a ser dirigido pelo procurador Rosário Teixeira, com o Carlos Alexandre a ser o responsável pela instrução criminal do processo.
Recomendadas

Rui Costa é candidato à presidência do Benfica

Rui Costa vai candidatar-se à presidência do Benfica nas eleições para o quadriénio 2021-2025, marcadas para 09 de outubro, anunciou hoje o ex-futebolista internacional português, que assumiu a liderança do clube lisboeta após a demissão de Luís Filipe Vieira.

“Jogo Económico”. “Mundial a cada dois anos irá banalizar a competição? Poder do dinheiro não se importa com isso”

O Mundial de dois em dois anos parece ser a solução para que a FIFA possa fazer frente a uma quebra de receitas de mais de 100 milhões que se espera até ao Mundial do próximo ano. Veja a análise a este tema por parte do painel do programa da plataforma multimédia JE TV.

Dakar 2022 arranca em janeiro na Arábia Saudita com mais participantes, mas menos investimento

O preço da inscrição varia entre os 15.700 euros (moto ou quadriciclo) e os 39.400 euros (camiões). A corrida movimenta entre três a quatro mil pessoas entre staff e participantes.
Comentários