Das reformas estruturais à transição energética. O que significa a pasta de Elisa Ferreira?

Elisa Ferreira terá como missão ajudar os Governos na implementação de reformas estruturais mas deverá ainda gerir um fundo que visa a transição energética.

Elisa Ferreira foi escolhida para comissária europeia com a pasta da Coesão e Reformas. A escolha foi anunciada esta terça-feira, 10 de setembro, pela presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen.

Agora, o futuro colégio de comissários europeus ainda vai ter de receber o aval do Parlamento Europeu. Dos 26 nomes escolhidos, 14 são homens, 13 são mulheres, num colégio mais equilibrado em termos de paridade do género.

Mas o que vai em concreto ‘cair’ na pasta da ex-vice-governadora do Banco de Portugal? Elisa Ferreira vai ficar responsável pelos fundos europeus e terá como missão não só a definição dos fundos estruturais mas também direcionar os estados membros naquelas que são designadas como reformas estruturais.

Além destas incumbências, a pasta de Elisa Ferreira terá uma componente ambiental. A comissária portuguesa terá como missão gerir o fundo que irá servir os países que têm mais dificuldade em implementar políticas ambientais e de transição energética.

“É uma pasta que vai permitir assegurar a conclusão das negociações para o próximo quadro financeiro plurianual” e que vai gerir ainda dois fundos importantes: “A FEDER (Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional) para a política regional e o fundo de coesão”, disse hoje o primeiro-ministro.

Além destes, Elisa Ferreira vai também gerir outras dois fundos, segundo António Costa. “A tradição justa, que serve para apoiar a tradição para um novo paradigma energético e para a sociedade digital e ainda o embrião da capacidade orçamental da zona euro, que financiará as reformas necessárias para a convergência e para a competitividade”.

Uma pasta “importante para Portugal”

Elisa Ferreira ocupa o cargo de administradora do Banco de Portugal desde 2016, e de vice-governadora do Banco de Portugal desde setembro de 2017.  No Banco de Portugal, Elsia Ferreira é responsável pelo Departamento de Supervisão Prudencial, e representa o Banco de Portugal no Conselho de Supervisão do BCE. Anteriormente, foi eurodeputada pelo PS e fez parte dos dois governos de António Guterres (PS).

Sobre a escolha de Elisa Ferreira para ocupar esta pasta, António Costa sublinha que esta “está ao nível da qualidade da nossa comissária e seguramente corresponde a uma área de interesse muito significativa para o nosso país”.

Costa afirma que “temos todas as razões para estarmos satisfeitos” com a escolha de Elisa Ferreira para ocupar este cargo, uma vez que irá permitir que Portugal dê “um contributo importante”, para prosseguir a política de coesão territorial na Europa, de contribuir ativamente para a transição energética e digital, e assegurar aquele que tem sido “um cavalo de batalha muito grande de Portugal”, que é a capacidade orçamental.

Questionado sobre a falha de acesso aos fundos estruturais, pasta que se falava para Elisa Ferreira, o primeiro-ministro sublinha que esta também tem fundos estruturais relevantes, aos quais se acrescentam três, o da transição energética, o da sociedade digital e o considerado “embrião para a capacidade orçamental da zona euro para financiar as políticas de convergência e competitividade”.

Outros nomes também já foram anunciados: a Comissão Europeia vai contar com três vice-presidentes executivos: a dinamarques Margrethe Vestager, vai continuar como comissária para a concorrência, e com poderes sobre a agenda digital; Frans Timmermans, vai coordenar o European Green Deal, o pacote de estímulos económicos para combater as alterações climáticas; Valdis Dombrovkis, vai ser comissário para os serviços financeiros.

Ler mais
Relacionadas

António Costa: Coesão e Reformas “está ao nível da qualidade da nossa comissária” Elisa Ferreira

O primeiro-ministro garantiu ainda que esta “é uma pasta que vai permitir assegurar a conclusão das negociações para o próximo quadro financeiro plurianual” e que dá a gerir ainda dois fundos importantes, sendo a “Feder para a política regional e o fundo de coesão”.

Conheça os 26 membros da nova Comissão Europeia

O futuro colégio de comissários europeus ainda vai ter de receber o aval do Parlamento Europeu. Dos 26 nomes escolhidos, 14 são homens, 13 são mulheres, num colégio mais equilibrado em termos de paridade do género. Margrethe Vestager passa para vice-presidente executiva, mas mantém-se como comissária da concorrência, liderando a toda poderosa Direção-Geral de Concorrência.

Primeira portuguesa como comissária europeia: Elisa Ferreira fica com a pasta de Coesão e Reformas

A primeira mulher portuguesa no cargo de comissária europeia vai integrar um colégio de comissários com 13 mulheres, um novo recorde. O futuro colégio de 26 comissários europeus ainda vai ter de receber o aval do Parlamento Europeu.
Recomendadas

Wall Street fecha sem direção definida

A guerra comercial entre os Estados Unidos e a China continua a fazer estragos nos mercados mobiliários. O dia foi pautado por notícias contraditórias sobre a matéria.

Gás natural garante qualidade do ar, sustentam estudos espanhóis

Para a preparação do relatório geral, que engloba os 30 estudos diferentes, foram utilizadas metodologias que comprovaram as medições relativamente às emissões atmosféricas de diferentes tipos de veículos

António Costa reconhece negociações difíceis para novo Quadro Comunitário de Apoio

O primeiro-ministro alerta que está em curso na União Europeia a criação de um instrumento de orçamento para a convergência e competitividade que deverá ter um bolo de cerca de 22 mil milhões de euros, a que Portugal tem condições especiais para se candidatar.
Comentários