David Neeleman: “Estou, de novo, a fazer o que é melhor” para a TAP

O empresário garante aos trabalhadores, numa carta, que a transportadora aérea “é hoje uma empresa muito diferente do que era, fruto do trabalho de todos”.

David Neelman

O empresário David Neeleman, que deixou esta sexta-feira de ser acionista da TAP com a concretização do acordo com o Estado português, disse que, com a sua saída, estava “de novo a fazer o que é melhor para a TAP”.

Numa mensagem enviada aos trabalhadores da companhia aérea, a que a Lusa teve acesso, Neeleman despediu-se da TAP com a confiança de que foram alcançados “todos os objetivos estratégicos acordados com o Governo”, depois da privatização de uma parte da empresa.

“Sempre quis o melhor para a TAP. Foi assim em 2015, quando me candidatei à privatização e acreditei quando mais ninguém acreditava, e é assim hoje quando concretizo o acordo com o Estado português para deixar de ser acionista da TAP”, escreveu David Neeleman.

“Infelizmente, a pandemia covid, o seu impacto na indústria da aviação mundial e as decisões tomadas no contexto concreto da TAP, não me permitiram continuar. A TAP precisa muito de estabilidade acionista e por isso acordei sair”, explicou, garantindo que está “de novo, a fazer o que é melhor para a TAP”.

O empresário assegura aos trabalhadores, na mesma missiva, que a transportadora “é hoje uma empresa muito diferente do que era, fruto do trabalho de todos vós. Nos últimos quatro anos, a TAP transformou-se numa TAP mais robusta, com uma frota renovada, mais eficiente e ecológica, com mercados diversificados, mais internacional, mais sustentável e atrativa”.

O empresário acredita ainda que foram alcançados “todos os objetivos estratégicos acordados com o Governo”, dizendo-se “convicto de que os trabalhadores da TAP, que são o seu maior ativo, unidos no contexto da nova estrutura societária, saberão encontrar uma rota para a viabilidade e sucesso” da empresa.

“Quero agradecer ao Humberto [Pedrosa] por ter sido meu parceiro e desejo a ele e a todos os trabalhadores da TAP, muito foco e resiliência para voltarem a reerguer a TAP, o que acredito ser possível. Continuo a querer e a desejar, sempre, o melhor para a TAP”, garantiu Neeleman.

O empresário expressou também “gratidão a todos os trabalhadores da TAP”, pela forma como foi acolhido, “pela sua qualidade técnica, capacidade de execução e paixão”, segundo a mensagem.

“Tenho muito orgulho em ter feito parte desta equipa e deste projeto, em Portugal. Um país fantástico, que continuarei sempre a promover, do qual gosto muito, onde fiz muitos amigos e onde sempre voltarei”, rematou o empresário.

O Estado concretizou hoje a aquisição de participações sociais dos acionistas privados da TAP, que resultam no controlo público de 72,5% da companhia aérea, uma operação que resultou na saída de Neeleman do grupo, deixando de ser acionista e de ocupar cargos.

Recomendadas

Movimento nos aeroportos portugueses sobe 2,3% até setembro para 15,2 milhões de passageiros

O número de passageiros que passou pelos aeroportos portugueses aumentou, em termos homólogos, em 2,3%, para 15,2 milhões até setembro, adiantou em comunicado a Vinci, que detém a ANA – Aeroportos de Portugal.

Matos Fernandes descarta medidas adicionais para atenuar subida dos preços da energia

O Ministro do Ambiente e Ação Climática, João Pedro Matos Fernandes, disse esta sexta-feira que “não vai haver necessidade” de falar de medidas adicionais para atenuar a subida dos preços da eletricidade “nos meses mais próximos”.

Galp: “Evento na Unidade de Destilação Atmosférica de Sines” não teve impacto no abastecimento do mercado português

“Seguindo os protocolos de segurança, a Empresa parou a operação da DAT que, após o seu arranque, é esperado que opere com taxas de utilização mais reduzidas durante algumas semanas”, anuncia a Galp.
Comentários