De Manhattan a Singapura, os pastéis de nata já competem com os donuts. Bloomberg surpreendida com doce português

“Nunca usem garfo e faca. É suposto comê-lo com as mãos e de preferência acompanhar com um café”. A Bloomberg está estupefacta com o crescimento da fama dos pastéis de nata em todo o mundo.

“Há não muito tempo, provar um autêntico pastel de nata exigia uma viagem a Portugal. Mas agora, estão a aparecer em todo o lado, supermercados, cafés, pastelarias de Manhattan a Singapura”, escreve a Bloomberg sobre o típico pastel português.

A Bloomberg dá conta de que, apesar do pastel custar 1 euro em Portugal, o mesmo doce pode chegar aos 3 euros a unidade em cafés da moda de Londres. O site de economia realça que a cadeia grossista Lidl vendeu dois mil pastéis de nata por hora no Reino Unido em 2018, sendo que, neste momento, o famoso doce português já está a competir na ‘liga’ da popularidade com os donuts.

Em Manhattan, relata a Bloomber, um chefe com um apelido português, George Mendes explica aos menos familiarizados as peculiaridades deste doce: “Nunca usem garfo e faca. É suposto comê-lo com as mãos e de preferência acompanhar com um café”. Até o chefe de origem portuguesa parece surpreendido com a fama que o pastel de nata ganhou nos últimos anos.

Recomendadas

Amazónia: Brasil diz que disponilizou aviões e 44 mil soldados para combater incêndios

Os ministros da Defesa e do Ambiente anunciaram os planos para combater as chamas na Amazónia, que já levaram a protestos internacionais e manifestações no Brasil, devido à forma como o Presidente, Jair Bolsonaro, lidou com a crise ambiental.

Boris Johnson defende que UE deve “deixar cair” rede de segurança irlandesa para evitar um não acordo

O dispositivo previsto no tratado do ‘Brexit’ para a fronteira irlandesa, entre a parte da ilha que inclui o Reino Unido e a República da Irlanda que é membro da UE, constitui um dos principais pontos de desacordo entre Londres e Bruxelas.

União Europeia quer ouvir propostas “realistas e aceitáveis” de Johnson sobre o ‘brexit’

Tusk recordou que Johnson será o terceiro primeiro-ministro britânico com o qual aborda o “brexit”, salientando que não está disponível para colaborar numa saída sem acordo do Reino Unido da união Europeia, prevista para 31 de outubro.
Comentários