Debate. Partidos pequenos agitaram bandeiras por “cartão dourado” para o Parlamento

Ao longo de duas horas e meia, os 15 candidatos (13 líderes e duas cabeças de lista por Lisboa) expuseram as suas propostas eleitorais num debate pouco conclusivo, marcado pelos temas de Tancos, soluções de Governo e ações de campanha. Não faltaram ainda críticas à forma com foram excluídos dos grandes debates e ao destaque mediático que lhes é dado.

O último debate televisivo para as eleições legislativas, marcadas para dia 6 de outubro, colocou esta segunda-feira frente-a-frente os líderes e representantes dos partidos sem assento parlamentar. Ao longo de duas horas e meia, os 15 candidatos (13 líderes e duas cabeças de lista por Lisboa) expuseram as suas propostas eleitorais num debate pouco conclusivo, marcado pelos temas de Tancos, soluções de Governo e ações de campanha. Não faltaram ainda críticas à forma com foram excluídos dos grandes debates e ao destaque mediático que lhes é dado.

O debate, transmitido pela RTP a partir da Faculdade de Medicina Dentária de Lisboa, arrancou com uma pergunta igual para todos: “Se fosse deputado, votaria a favor de haver uma comissão permanente extraordinária para investigar o caso de Tancos?” Mendo Castro Henriques, líder do Nós, Cidadãos!, foi selecionado em sorteio para ser o primeiro a responder e rapidamente se mostrou contra a medida, dizendo que é aos tribunais que cabe se pronunciar sobre esse caso.

A par de Mendo Castro Henriques, também Fernando Loureiro, líder do Partido Unido dos Reformados e Pensionistas (PURP), Filipe Sousa, do Juntos pelo Povo (JPP), Gonçalo da Câmara Pereira, do Partido Popular Monárquico (PPM), Joacine Katar-Moreira, cabeça de lista do Livre por Lisboa, e José Pinto Coelho, do Partido Nacional Renovador (PNR), se mostraram conta a medida.

O PURP prefere esperar pelo fim da campanha, enquanto o JPP considera que “os portugueses querem saber de outros temas” e o PPM diz que se está a denegrir a imagem das Forças Armadas. Já o Livre acha que se deve confiar nas instituições que existem e o PNR vai mais longe e diz que este é um assunto que ultrapassa os tribunais. “Essa gente devia ser toda presa e nunca mais entrar em cargos políticos”, sentenciou José Pinto Coelho.

A favor da investigação por uma comissão permanente extraordinária votaram Ârmandio Madaleno, do Partido Trabalhista Português (PTP), André Ventura, do Chega, António Marinho e Pinto, do Partido Democrático Republicano (PDR), Carlos Guimarães Pinto, do Iniciativa Liberal, Gil Garcia, do Movimento Alternativa Socialista (MAS), Maria Cidália Guerreiro, cabeça de lista do Partido Comunista dos Trabalhadores Portugueses (PCTP/MRPP) por Lisboa, Manuel Ramos, do MPT-Movimento do Partido da Terra, e Vitorino Silva, do Reagir-Incluir-Reciclar (RIR).

Entre as justificações apontadas estiveram o facto de se tratar de um assunto que “põe em causa a segurança do país”, a falta de alternativas para “apurar responsabilidades políticas” e o facto de em tribunal se apurarem “responsabilidades judiciais”.

Já Pedro Santana Lopes, líder do Aliança, ficou-se pelo limbo. “É um assunto gravíssimo. Votaria que sim à comissão permanente, antes das eleições, porque entendo que o Parlamento ainda tem legitimidade para isso. Votaria que não, após as eleições”.

A segunda pergunta foi sobre as ações de campanha que estiveram a promover na véspera do debate. Aqui as respostas foram mais divergentes. Houve quem tivesse tirado o dia para preparar o debate, como o líder do Iniciativa Liberal e o líder do MPT, e quem tivesse aproveitado para ir à missa antes de se dedicar à campanha, como foi o caso de Gonçalo da Câmara Pereira e de Pedro Santana Lopes. O presidente do PPM acrescentou ainda que, tendo em conta que era o seu dia de aniversário de 45 anos de casado, aproveitou para se dedicar à campanha entre a família e convencer os que lhe são mais próximos.

André Ventura suspendeu a ação de campanha que tinha prevista no hospital em Vila Real em homenagem a mais um polícia que foi brutalmente agredido em Rio de Mouro. O presidente do Chega chamou ainda à atenção para a capa do jornal “Correio da Manhã” desta segunda-feira, que dava conta que 391 polícias foram agredidos este ano.

Primeiro-ministro por um dia 

Já José Pinto Coelho contestou a pergunta, dizendo que se insiste em “coisas trivais” e não se fala do essencial: os programas, sobretudo quando se tratam de partidos mais pequenos. A crítica serviu para introduzir a questão seguinte: “qual era a primeira medida que tomava se fosse eleito primeiro-ministro?”

Gonçalo da Câmara Pereira foi o primeiro a responder e prometeu “tratar da democracia”. O líder do PPM elencou que é preciso rever a Constituição da República e torná-la mais democrática, pois continua ainda a permitir o referendo do regime. O MPT prometeu debruçar-se sobre o desperdício, que definiu como “o maior problema do país”, e fazer oposição firme à construção do aeroporto do Montijo. Alternativa: aeroporto de Beja ou alargar a pista número cinco da Base Aérea de Monte Real.

Joacine Katar-Moreira e Ârmandio Madaleno comprometeram-se a aumentar o salário mínimo para 900 euros e para 1.000 euros, respetivamente. A candidata a deputada do Livre sublinhou que, se em Espanha e França foi possível aumentar num só ano o salário em cerca de 100 euros, tal não é impossível em Portugal também. Já o líder do PTP diz que os aumentos salariais devem avançar mesmo que não haja acordo em sede de concertação social.

A cabeça de lista do PCTP/MRPP tomaria posição firme com o não pagamento da dívida, pois tal “está a impedir que o país se desenvolva” e avançaria com novas políticas na área da saúde (com o não à nova Lei de Bases), habitação (com a revogação da lei das rendas) e trabalho (com a revogação do código de trabalho).  O PURP aprovaria, no dia seguinte à tomada de posse, o estatuto do combatente.

Já o PNR define como prioridade o apoio à família, que “está a ser alvo de um ataque cerrado” e é “a célula-base da sociedade”. “Acolhem os refugiados islâmicos que estão a invadir a Europa, mas não pensam na família portuguesa”, afirmou. O Nós, Cidadãos! elegeu a criação de uma comissão de inquérito no Parlamento sobre as parcerias público-privadas (PPP), uma vez que com isso “o Estado podia recuperar muito dinheiro e financiar as reformas necessárias”.

A saúde foi o tema escolhido por André Ventura e Pedro Santana Lopes. O líder do Chega considera que é urgente uma “reforma profunda” para responder aos problemas das pessoas e o presidente do Aliança afirmou que chamaria todos os partidos para “dizer que é preciso mudar de vida em relação às pessoas que mais sofrem”, falando de um Estado não só “indiferente”, mas também “abusador”.

O MAS escolheu a “emergência climática” como prioridade, embora sem precisar de que forma, e o desafio do crescimento económico foi a prioridade do Iniciativa Liberal, que propõe uma taxa única de IRS a fim de tornar o país “mais competitivo”. O RIR quer mais emprego jovem e melhores condições de saúde, enquanto o PDR define como maior problema nacional a pobreza. “É um estigma cravado no orgulho português”, afirmou Marinho e Pinto.

Por fim, as viabilizações de Governo. Apenas o PCTP/MRPP, o PNR e o Iniciativa Liberal fecharam a porta a viabilizações de Governo com o PS ou PSD. O PCTP/MRPP por uma questão ideológica, o PNR porque considera que os dois maiores partidos na Assembleia da República são “traidores” e o Iniciativa Liberal não faria acordos com o PS e com o PSD de Rui Rio também não, por ser “próximo do PS”. “O PSD precisava de ser mais liberal”, sustentou.

Já Vitorino Silva definiu o RIR como um partido de 360.º, que pode viabilizar qualquer solução governativa. Com preferência à direita, o PTP, Chega, Aliança, PPM aceitariam suportar o Governo ou, quem sabe, fazer uma coligação pré-eleitoral. Pedro Santana Lopes e André Ventura dizem que primeiro teriam de ver programas e o ex-vereador da Câmara de Loures diz que impõe duas condições para isso: uma reforma da justiça e política.

À esquerda, o JPP, Livre e MAS aceitariam encetar negociações. Já o líder do PURP explicou que jamais viabilizaria um Governo de direita, depois de ter conhecido André Ventura.

Ler mais
Recomendadas

Diploma do Chega sobre incompatibilidade de políticos retirado do plenário pelo Governo

Presidência da Assembleia da República avisou gabinete de André Ventura que o Executivo não autorizou o arrastamento do seu projeto de lei para ser discutido em conjunto com proposta de lei sobre contratação pública. “O Governo não achou bem o projeto e passou por cima do presidente da Assembleia da República”, protestou o deputado único do Chega.

Efacec: Estado não vai assumir responsabilidade pelas dívidas de Isabel dos Santos, garante Governo

O Executivo socialista acredita que “grande parte” da dívida da empresária angolana aos bancos que financiaram a sua entrada na Efacec (Montepio, BPI e BIC) “está perdida” porque o valor da indemnização que vai resultar da avaliação que o Governo vai fazer “não será suficiente para amortizar a totalidade dessa dívida”.

PS recomenda ao Governo tarifa social de acesso à Internet

O Grupo Parlamentar do PS pediu ao Governo para implementar a tarifa social de acesso a serviços de Internet prevista no Plano de Ação para a Transição Digital. Em tempos da pandemia da Covid-19, Socialistas consideram “imperioso” criar esta tarifa social que, à semelhança da tarifa social de eletricidade, venha a reduzir os encargos financeiros dos consumidores mais vulneráveis.
Comentários