Declaração de não dívida às Finanças: sabe para que serve?

Solicitaram-lhe uma declaração de não dívida às Finanças, mas não sabe como requisitá-la? Neste artigo explicamos-lhe para que serve e como poderá obtê-la.

Já alguma vez lhe foi solicitada uma declaração de não dívida às Finanças, mas não sabia como obtê-la? Esta declaração que, no fundo, é uma certidão, pode ser pedida por algumas entidades mediante determinadas situações. Neste artigo elaborado pelo ComparaJá.pt explicamos-lhe para que serve e como pode obter a certidão de não dívida às Finanças.

 

Para que serve a declaração de não dívida às Finanças?

A declaração de não dívida às Finanças, cujo nome oficial é “certidão de dívida e não dívida”, normalmente é utilizada para comprovar que uma empresa ou um contribuinte particular não tem dívidas, isto é, que tem a sua situação tributária regularizada.

Conforme consta no nº1 do artigo 177º-A do Código de Procedimento e Processo Tributário (CPPT) “considera-se que o contribuinte tem a situação tributária regularizada quando se verifique um dos seguintes requisitos:

a) Não seja devedor de quaisquer impostos ou outras prestações tributárias e respetivos juros;
b) Esteja autorizado ao pagamento da dívida em prestações, desde que exista garantia constituída, nos termos legais;
c) Tenha pendente meio de contencioso adequado à discussão da legalidade ou exigibilidade da dívida exequenda e o processo de execução fiscal tenha garantia constituída, nos termos legais;
d) Tenha a execução fiscal suspensa, nos termos do n.º 2 do artigo 169.º, havendo garantia constituída, nos termos legais.”

A certidão de não dívida às Finanças é válido por três meses e pode ser-lhe solicitado, por exemplo, caso se candidate a algum programa de apoio público ou se tiver uma empresa e concorra a algum tipo de subsídio ou de financiamento para a mesma.

Caso não tenha a sua situação tributária regularizada, certidão de não dívida às Finanças mostra exatamente o montante que tem em dívida às Finanças.

 

Como obter este documento?

Pode efetuar o pedido da certidão de não dívida às Finanças de duas formas: online no Portal das Finanças ou presencialmente.

 

Pedir online

Para obter a declaração de não dívida às Finanças online basta aceder ao Portal das Finanças, à área de Serviços Tributários e sob “Serviços” deve selecionar a opção “Obter”. De seguida, no menu “Certidões”, deve clicar em “Efectuar pedido”.

Ser-lhe-á solicitado que insira o seu NIF e senha de acesso. Após fazê-lo, deve selecionar a opção “Dívida e Não Dívida” ao clicar na seta que aparece na área por baixo de “Certidão” e depois em “Confirmar”.

Por fim, basta clicar em “Certidão” para obter o documento em PDF, que pode imprimir de imediato ou guardar no seu computador para utilizar mais tarde.

A obtenção da declaração de não dívida às Finanças não tem qualquer custo para o contribuinte.

 

Efetuar o pedido presencialmente

Se preferir pedir a declaração de não dívida presencialmente basta que se dirija à repartição das Finanças da sua área de residência e faça o pedido no balcão de atendimento. Não se esqueça de levar consigo o seu Cartão de Cidadão em que consta o seu Número de Identificação Fiscal (NIF).

Note que: Conforme mencionado na alínea b) do nº 1 do artigo 177º-A do CPPT, pode ver a sua situação contributiva regularizada mesmo tendo dívidas, desde que esteja autorizado o pagamento das mesmas em prestações com “garantia constituída nos termos legais”.

 

Mantenha as suas dívidas controladas

A sua saúde financeira é fundamental para que possa viver em plenitude e consiga garantir estabilidade para si e para a sua família, por isso certifique-se que paga as suas dívidas sempre dentro do prazo.

Estar numa situação de endividamento, quer seja perante as Finanças ou outra entidade, pode trazer-lhe muitos dissabores no futuro. Se sente que a sua taxa de esforço está a aumentar e está com dificuldades em pagar as prestações dentro do prazo, aconselhamos que procure auxílio o mais rápido possível, pois existem inúmeras opções que podem ajudar a contornar essa situação, nomeadamente a junção de todos os créditos num só.

Não se esqueça que a melhor forma de garantir que mantém as dívidas em dia é tomar as devidas precauções. Mantenha as suas despesas orçamentadas para garantir que sabe exatamente onde gasta o seu dinheiro e que não excede as suas possibilidades.

Ler mais
Relacionadas

Está na lista de devedores às Finanças? Veja como conferir

Não tem a certeza se tem dívidas, mas não sabe o que fazer para ter acesso a esta informação? Veja como consultar online a lista de devedores às Finanças, de forma rápida e simples, evitando as filas de espera infindáveis nos balcões de atendimento.

Seis assuntos que pode tratar no Portal da Segurança Social

Com o avanço da informatização dos serviços públicos, hoje em dia já é possível tratar de diversos assuntos relacionados com a Segurança Social sem sair de casa. Não perca mais tempo em filas de espera intermináveis.

Como alterar a morada fiscal e quando é necessário fazê-lo?

Se mudou ou vai mudar de casa, existe uma série de procedimentos que tem de tratar. Por lei, tem até 60 dias para alterar a morada fiscal no Cartão de Cidadão. Veja como fazê-lo.
Recomendadas

Mais de 29 mil sobre-endividados pediram ajuda à Deco em 2019

Mais de 29.000 sobre-endividados voltaram a pedir ajuda à Deco em 2019, tal como em 2018, sendo a principal causa de endividamento a deterioração das condições laborais, em vez do desemprego, segundo dados da associação.

Em Portugal a água da torneira está bem e recomenda-se

É certo que, algumas vezes, a água sai turva ou branca da torneira. Provavelmente, deve existir ar dissolvido na água, devido às oscilações de pressão nas tubagens e nos reservatórios. É um fenómeno pontual e não afeta a qualidade.

Não sabe quais as comissões que paga? Bancos passam a enviar relatório anual em janeiro

O extrato de comissões é um documento enviado pelo banco, em janeiro de cada ano, contendo “informação sobre todas as comissões cobradas no ano anterior pelos serviços associados à sua conta”, segundo o Banco de Portugal.
Comentários