Deco defende que bancos devem conceder moratória para todos os créditos

“Nesta crise mundial, de gravidade extrema”, a Deco diz que “deve ser minimizado o peso das consequências para as famílias”.

Vários consumidores estão a contactar a Deco para obter esclarecimentos sobre o que fazer a curto prazo com os pagamentos dos seus créditos.

Os tempos que vivemos  exigem medidas excecionais de apoio às  famílias afetadas pela pandemia do novo coronavírus. Algumas medidas já foram anunciadas, destacando-se a referentes a moratórias no pagamento das prestações de crédito. Na nossa opinião, esta medida deve ser alargada a todo o crédito e não respeitar apenas ao crédito à habitação.

As medidas agora divulgadas pelo Governo estão em linha com as adotadas  em  alguns países europeus. Porém, não são ainda conhecidos os critérios  de recurso  a estas moratórias, cabendo ao nosso Executivo definir quais as famílias  elegíveis para aceder a este sistema.

O ministro das Finanças afirmou que “as decisões das autoridades bancárias, na semana passada, permitem uma adequação das responsabilidades do sistema bancário à situação atual. Destaca-se o trabalho de constituir uma moratória de capital e juros, num trabalho que está a ser desenvolvido entre o Banco de Portugal (BdP) e o sistema bancário (a Associação Portuguesa de Bancos/APB) e que está a ser acompanhado pelo Governo”.

A Deco aguarda informação mais detalhada sobre estas decisões tão urgentes e essenciais para o futuro dos cidadãos. Nesta crise mundial, de gravidade extrema, defendemos que devem ser minimizado o peso  das consequências  para as famílias.

Juntos ultrapassaremos esta terrível adversidade. Conte connosco.

Ler mais
Relacionadas

Bancos vão dar moratória de crédito até ao fim do ano

Legislação nacional para moratórias nos créditos sem agravar rácios de NPL está quase concluída. Coronavírus faz adiar metas do Novo Banco para limpeza do balanço e tira 5% de receita à banca europeia.

Costa: Bancos “contaram” com os portugueses durante a crise, agora chegou a “fase de ajudarem”

O primeiro-ministro defendeu que os bancos nacionais devem ajudar empresas e famílias a superarem esta crise, tal como já fez o banco público Caixa Geral de Depósitos que anunciou uma série de medidas para os seus clientes particulares e empresariais.

CGD dá moratória de seis meses no crédito para as empresas e famílias

A Caixa Geral de Depósitos aprovou hoje um extenso pacote de medidas destinadas a apoiar os comerciantes e particulares que sejam clientes do banco do Estado e que estejam a ser afetados pela queda da atividade económica por causa do Covid-19. As medidas serão aplicadas imediatamente.
Recomendadas

Parlamento aprova a suspensão das rendas e da caducidade dos contratos de arrendamento

As alterações na legislação sobre habitação autorizam que as famílias podem suspender o pagamento da renda durante o Estado de Emergência se registarem uma quebra superior a 20% dos rendimentos do agregado familiar, face aos rendimentos do mês anterior ou do período homólogo do ano anterior.

Utiliza a aplicação Houseparty? Deco desaconselha

Associação Portuguesa para a Defesa do Consumidor apercebeu-se de que a “partilha de dados pessoais e a segurança pode ser melhorada”. A ‘app’ nega críticas de falta de privacidade e está a oferecer cerca de 900 mil euros a quem souber como começou a “campanha difamatória”.

Desempregado ou em lay-off? Saiba como trabalhar em instituições sociais ou de saúde para ganhar um rendimento extra

Esta medida, voluntária, é uma forma dos desempregados ou dos trabalhadores em regime de lay-off poderem ganhar um rendimento extra reforçando hospitais ou lares. Desempregados com direito a uma bolsa mensal de 438,8 euros, com os trabalhadores em regime de lay-off a terem o direito a 658,2 euros mensais.
Comentários