Deco quer que lei permita que todo o material escolar possa ser deduzido em IRS (com áudio)

A associação de defesa dos consumidores Deco quer que o parlamento altere a lei para permitir que todo o material escolar possa ser dedutível em IRS, apelando aos portugueses que assinem a carta aberta de apelo aos deputados.

Em comunicado hoje divulgado, a Deco recorda que atualmente apenas o material escolar com IVA a 6% pode ser deduzido nos impostos, de acordo com a lei em vigor desde 2015, referindo que a média de gastos anual com material escolar obrigatório é de 200 euros.

“Segundo a lei atual, apenas podem ser deduzidas no IRS as despesas de educação isentas de IVA ou sujeitas a IVA de 6%, como sejam as propinas ou mensalidades de estabelecimentos de ensino, livros, serviços de explicações, e materiais escolares ou alimentação vendidos em estabelecimentos de ensino. O restante material escolar, sujeito a IVA de 23%, como cadernos, lápis, canetas, computadores, tablets, entre outros, não é dedutível no IRS”, lê-se no comunicado da Deco.

O objetivo do apelo aos deputados é que “os partidos alterem a lei durante a preparação do próximo Orçamento do Estado e contemplem a dedução no IRS de todas as despesas com material escolar e outros serviços necessários à educação das crianças e jovens”.

Para a Deco, a diferenciação por via da taxa de IVA cobrada não pode continuar a constituir-se como “barreira à consagração de uma verdadeira justiça social”, pelo que pede ao parlamento que, ou acabe com a limitação às deduções apenas a material com IVA a 6%, ou baixe o IVA de todo o material escolar para a taxa mínima, garantindo que todas as despesas podem ser deduzidas.

A associação de defesa do consumidor acrescenta ainda que, sem alteração da lei, apenas continuará a ser possível a dedução dos valores gastos em livros escolares, taxas de inscrição e propinas, escolas de línguas, música, dança e teatro, explicações e amas.

Recomendadas

NOVA impACT! Challenges entra na fase de seleção

As soluções podem ser variadas, incluindo aplicações, ferramentas informáticas, dispositivos físicos ou um plano de negócios. Têm é que estar alinhadas com pelo menos um dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas.
Universidade Aveiro

Colocados 9.154 alunos na segunda fase de acesso ao ensino superior. Veja aqui se entrou

Apresentaram-se a concurso 22953 candidatos nesta segunda fase, que tinham disponíveis 11649 vagas, às quais acresceram 1857 vagas libertadas por candidatos colocados e matriculados na primeira fase que foram agora colocados.

PremiumEnsino superior: mais verbas para ação social e alojamento

Reforço do valor das bolsas a atribuir a estudantes de mestrado e aumento do número de camas para os estudantes deslocados são as principais novidades para o ensino superior e a ciência.
Comentários