Défice externo agrava-se para 1.633 milhões de euros até julho

O défice da balança de bens aumentou 2028 milhões de euros e o excedente da balança de serviços diminuiu 137 milhões de euros até julho, explica o Banco de Portugal.

Peter Nicholls/Reuters

O défice externo aumentou para 1633 milhões de euros até julho, que compara com os -616 milhões de euros registados nos primeiros sete meses do ano passado. Segundo dados divulgados esta quarta-feira pelo Banco de Portugal, o aumento de 1017 milhões de euros, resultou sobretudo da balança de bens.

“Em termos homólogos, o défice da balança de bens aumentou 2028 milhões de euros e o excedente da balança de serviços diminuiu 137 milhões de euros”, explica o Banco de Portugal.

Até julho, as exportações de bens e serviços cresceram 3%, com um aumento de 2,2% nos bens e 4,6% nos serviços, tendo as importações aumentado 7,4%, o que reflete uma expansão de 6,7% nos bens e 10,8% nos serviços.

A instituição liderada por Carlos Costa identifica ainda que o défice da balança de rendimento primário diminuiu 748 milhões de euros relativamente ao período homólogo, para 3340 milhões de euros.

“Esta variação resultou, principalmente, da redução dos juros pagos a entidades não residentes”, sublinha.

Relativamente à balança financeira, até julho, o saldo registou uma redução dos ativos líquidos de Portugal face ao exterior de 1743 milhões de euros.

“É de destacar o aumento de passivos através do investimento de não residentes em sociedades não financeiras residentes e em obrigações do tesouro, e uma redução de ativos emitidos por não residentes na posse do setor financeiro”, explica o BdP. “Esta redução resultou de movimentos contrários em relação aos títulos de dívida emitidos por não residentes, com o Banco de Portugal a reduzir o seu investimento nestes ativos, parcialmente compensado pelo aumento do investimento dos restantes bancos”, conclui.

Ler mais

Recomendadas

Correia de Campos: “Não houve gestão estratégica para a administração pública em 20 anos”

.Numa altura em que está marcada uma greve nacional da função pública para dia 31 contra a proposta de aumentos salariais do Governo, de 0,3%, o presidente do CES defende que “as preocupações salariais são essenciais”, mas lamenta que elas tenham “dominado em excesso as preocupações da gestão da AP”.

Eurogrupo reúne esta segunda-feira com Orçamento português na agenda

O aprofundamento da União Económica e Monetária, a missão intercalar do FMI e a proposta de política económica para os países da moeda única este ano estão entre os outros pontos de agenda do encontro dos ministros das Finanças da zona euro.

Topo da agenda: o que não pode perder na economia e nos mercados esta semana

Christine Lagarde poderá anunciar o início formal da revisão estratégica do BCE depois da reunião de quinta-feira. A semana ser marcada pelo World Economic Forum em Davos e pela época de resultados em Wall Street.
Comentários