Défice nos 2,1%. O que significa isto?

Segundo os dados conhecidos, o saldo orçamental no primeiro trimestre do ano ficou em -2,1% do PIB. Isto é bom, mau ou assim-assim? À primeira vista, não parece um resultado famoso.

O Instituto Nacional de Estatística divulgou no final da semana passada o valor do défice orçamental no primeiro trimestre do ano. Segundo as informações disponíveis – as primeiras de acordo com as regras contabilísticas europeias (não confundir com os dados mensais da Direcção-Geral do Orçamento, que também foram actualizados recentemente) – o saldo orçamental ficou nos -2,1% do PIB. Isto é bom, mau ou assim-assim?

À primeira vista, não parece um resultado famoso. O défice de 2016 ficou nos -2,1% e a meta para este ano, inscrita no Orçamento e confirmada no Programa de Estabilidade, é de -1,5%. Apesar de a distância não ser grande, o facto de o défice estar exactamente no mesmo nível em que o INE ‘fechou as contas’ de 2016 sugere, pelo menos, que a execução orçamental terá de ser mais exigente nos próximos meses.

Mas esta é apenas a primeira impressão. Na verdade, os primeiros três meses do ano costumam fornecer uma indicação bastante turva daquilo que acontece nos nove meses seguintes. Isto acontece porque, como se diz na gíria, o ‘padrão de execução’ não é linear ao longo do ano. A cobrança fiscal, por exemplo, costuma acelerar no terceiro e quarto trimestres, em virtude do período e da altura natalícia.

Uma implicação prática destas idiossincrasias da execução é que o défice do primeiro trimestre costuma ser – ou pelo menos tem sido, no período recente – bem mais alto do que o défice no final do ano (Nota importante: a imagem de baixo mostra o défice líquido de medidas one-off, o que justifica algumas diferenças face aos valores mais conhecidos pelo público, e disponíveis nas bases de dados canónicas).

Não sabemos muito bem quanto é que o défice melhora do primeiro trimestre em diante, mas o facto de a melhoria ser quase sempre uma realidade cria uma regularidade estatística que é possível explorar para efeitos de projecção. Por exemplo, é possível partir do défice do primeiro trimestre e perguntar qual seria o valor do final do ano caso o perfil de execução fosse semelhante ao dos anos anteriores. Isto permite calcular um valor ‘máximo’ para o défice, um ‘valor mínimo’ e um ‘valor provável’, usando os padrões do passado para balizar as expectativas actuais.

Não é impossível que o défice acabe o ano no mesmo ponto em que começou (foi isso que aconteceu, por exemplo, em 2011), mas o mais provável, neste momento, é que se não houver grandes disrupções pelo percurso o saldo global das contas públicas fique em torno dos -1,1%. À medida que o INE for divulgando dados mais finos será possível reduzir o intervalo de incerteza desta projecção.

Relacionadas

Défice fica em 2,1 % no primeiro trimestre, mas não inclui recapitalização da Caixa

Saldo da administração pública ficou em -965,6 milhões de euros, revela o INE.

Défice até Maio aumenta 359 milhões devido a mais reembolsos fiscais

Até maio, o défice orçamental fixou-se em 698 milhões de euros, 359 milhões face ao ano passado em resultado da antecipação dos reembolsos fiscais, revela o Ministério das Finanças. Só no IRS, os reembolsos são seis vezes superiores face a maio do ano passado.

Défice de 2,1% resulta de “gestão rigorosa da execução orçamental”, realçam Finanças

Para o ministério, os dados sobre as contas públicas “confirma uma tendência de diminuição do défice das contas públicas, compatível com as previsões apresentadas, quer no Orçamento do Estado para 2017, quer no Programa de Estabilidade 2017-2021”.
Recomendadas

Presidente da República promulga diploma para travar práticas comerciais desleais

O governo pretende contribuir para um mercado concorrencial no setor do turismo, livre de práticas comerciais “que desequilibrem as relações económicas”.

Trabalhadores da Fundação Casa da Música em greve por “discriminações salariais” e “falsos contratos”

Os trabalhadores da Fundação Casa da Música filiados no sindicato Cena-STE realizam hoje um dia de greve pelo fim das condições precárias de trabalho. Na base das queixas estão as discriminações salariais, falsos contratos a termo e recibos verdes e ausência de carreiras, entre outras. Sindicato acusa administração de “inflexibilidade negocial”.

Goldman Sachs diz que novas restrições decorrentes da pandemia vão travar a subida da inflação

“Reduzimos a nossa projeção de crescimento anual [da zona euro] para 5,1% para 2021 (queda de 0,1 pp) e 4,3% para 2022 (queda de 0,1 pp), mas aumentamos a nossa projeção de 2023 para 2,5% (subida de 0,1 pp)”, estimam os economistas do banco norte-americano.
Comentários