Défice português dispara para 6,5% e peso da dívida pública para 131,6% este ano, estima Comissão

Bruxelas aponta para uma “deterioração considerável” no saldo das administrações públicas este ano, com o défice a atingir os 6,5% este ano, caindo para 1,8% do PIB em 2021. Portugal será terceiro país da União Europeia com o rácio da dívida pública face ao PIB mais elevado, apenas superado pela Grécia e Itália.

Clemens Bilan/EPA via Lusa

Com uma forte recessão global, a pandemia do novo coronavírus irá ter um forte impacto nas contas públicas portuguesas e da generalidade dos países este ano. A Comissão Europeia estima que de um excedente orçamental de 0,2% do PIB este ano, Portugal tenha um défice de 6,5% e veja o rácio da dívida pública face ao PIB a disparar dos atuais 117,7% para 131,6%.

“Espera-se que as consequências económicas e sociais da pandemia da epidemia da Covid-19 provoque uma deterioração considerável no saldo das administrações públicas em 2020, refletindo a operações dos estabilizadores automáticos e a necessidades de apoio significativo à política orçamental”, refere Bruxelas, no relatório das projeções económicas de Primavera, publicadas esta quarta-feira.

Realça as medidas de política orçamental adoptadas pelo Governo “para reforçar a capacidade de resposta do sistema de saúde, proteger empregos, dar apoio social e salvaguardar a liquidez das empresas, com um custo orçamental directo global estimado em 2,5%” como tendo impacto na conta das administrações públicas.

A pesar no défice de 6,5% estará, dizem, “aumentos na maioria dos indicadores da despesa (principalmente subsídios e transferências sociais), bem coo reduções na receita atual, reflectindo uma forte contração das bases tributárias relevantes”.

Porém, calculam que caso não hajam alterações de políticas, o défice deverá cair para 1,8% do PIB em 2021, com base numa recuperação económica e na eliminação “gradual” das medidas de política orçamental adoptadas para combater a pandemia.

Bruxelas assinala que os riscos em torno da política orçamental são descendentes e resultam das “incertezas” sobre a curva epidémica do países e à persistência dos impactos económicos e sociais, assim como o aumento do passivo público, assim como o impacto das medidas adicionais de apoio à banca.

A trajetória de diminuição do rácio da dívida pública vai ser interrompido devido à pandemia. A Comissão Europeia calcula que dispare para 131,6% do PIB este ano e volte a cair para 124,4% em 2021.

Nas projeções de Bruxelas, Portugal irá ser o terceiro país da União Europeia com o maior peso da dívida face ao PIB, apenas superado pela Grécia ((196,4% este ano; 182,6% em 2021) e por Itália (158,9% este ano; 153,6% em 2021).

Ler mais

Relacionadas

Bruxelas vê PIB português a contrair 6,8% este ano, com “dependência” do turismo a pesar

Comissão Europeia diz que pandemia mudou o rumo do “forte desempenho” que a economia portuguesa apresentava até fevereiro. Depois da forte queda deste ano, projecta uma recuperação de 5,8% em 2021. Procura interna deverá contrair substancialmente e exportações e importações caem a dois dígitos.

Desemprego em Portugal deverá disparar para perto de 9,5% em 2020, prevê a Comissão Europeia

“Muitos dos cortes de empregos serão provavelmente temporários, mas a expectativa de uma recuperação lenta dos serviços de turismo e atividades relacionadas irá provavelmente ter um impacto negativo na procura por emprego num período mais prolongado”, afirmou a Comissão Europeia.

Recessão recorde: Bruxelas prevê contração de 7,75% na economia da zona euro em 2020

Nas projeções económicas da primavera, a Comissão Europeia adiantou que prevê uma retoma para 2021, com a zona euro a crescer 6,25% e a UE a recuperar 6%.
Recomendadas

Venda de combustível nos postos de abastecimento cai mais em fevereiro

Daí que a procura e consumo de produtos petrolíferos devam aumentar, sobretudo a partir do segundo semestre deste ano, devendo apesar de tudo “começar a ser sentido de forma mais clara a partir dos meses de abril e maio deste ano”.

PAN lança ofensiva contra as carnes processadas nas escolas e na publicidade

Dois projetos de lei e um projeto de resolução apresentados nesta terça-feira pretendem limitar o acesso a produtos alimentícios como salsichas e enchidos, que ficariam proibidos nas escolas e com grandes limitações na publicidade televisiva e radiofónica.

Exportações de vinhos portugueses cresceram 3% nos primeiros dois meses de 2021

Apesar da subida geral, há a registar quebras em mercados como Espanha, França, Luxemburgo, Suíça, Reino Unido, Estados Unidos e Angola.
Comentários