Défice português dispara para 6,5% e peso da dívida pública para 131,6% este ano, estima Comissão

Bruxelas aponta para uma “deterioração considerável” no saldo das administrações públicas este ano, com o défice a atingir os 6,5% este ano, caindo para 1,8% do PIB em 2021. Portugal será terceiro país da União Europeia com o rácio da dívida pública face ao PIB mais elevado, apenas superado pela Grécia e Itália.

Clemens Bilan/EPA via Lusa

Com uma forte recessão global, a pandemia do novo coronavírus irá ter um forte impacto nas contas públicas portuguesas e da generalidade dos países este ano. A Comissão Europeia estima que de um excedente orçamental de 0,2% do PIB este ano, Portugal tenha um défice de 6,5% e veja o rácio da dívida pública face ao PIB a disparar dos atuais 117,7% para 131,6%.

“Espera-se que as consequências económicas e sociais da pandemia da epidemia da Covid-19 provoque uma deterioração considerável no saldo das administrações públicas em 2020, refletindo a operações dos estabilizadores automáticos e a necessidades de apoio significativo à política orçamental”, refere Bruxelas, no relatório das projeções económicas de Primavera, publicadas esta quarta-feira.

Realça as medidas de política orçamental adoptadas pelo Governo “para reforçar a capacidade de resposta do sistema de saúde, proteger empregos, dar apoio social e salvaguardar a liquidez das empresas, com um custo orçamental directo global estimado em 2,5%” como tendo impacto na conta das administrações públicas.

A pesar no défice de 6,5% estará, dizem, “aumentos na maioria dos indicadores da despesa (principalmente subsídios e transferências sociais), bem coo reduções na receita atual, reflectindo uma forte contração das bases tributárias relevantes”.

Porém, calculam que caso não hajam alterações de políticas, o défice deverá cair para 1,8% do PIB em 2021, com base numa recuperação económica e na eliminação “gradual” das medidas de política orçamental adoptadas para combater a pandemia.

Bruxelas assinala que os riscos em torno da política orçamental são descendentes e resultam das “incertezas” sobre a curva epidémica do países e à persistência dos impactos económicos e sociais, assim como o aumento do passivo público, assim como o impacto das medidas adicionais de apoio à banca.

A trajetória de diminuição do rácio da dívida pública vai ser interrompido devido à pandemia. A Comissão Europeia calcula que dispare para 131,6% do PIB este ano e volte a cair para 124,4% em 2021.

Nas projeções de Bruxelas, Portugal irá ser o terceiro país da União Europeia com o maior peso da dívida face ao PIB, apenas superado pela Grécia ((196,4% este ano; 182,6% em 2021) e por Itália (158,9% este ano; 153,6% em 2021).

Ler mais

Relacionadas

Bruxelas vê PIB português a contrair 6,8% este ano, com “dependência” do turismo a pesar

Comissão Europeia diz que pandemia mudou o rumo do “forte desempenho” que a economia portuguesa apresentava até fevereiro. Depois da forte queda deste ano, projecta uma recuperação de 5,8% em 2021. Procura interna deverá contrair substancialmente e exportações e importações caem a dois dígitos.

Desemprego em Portugal deverá disparar para perto de 9,5% em 2020, prevê a Comissão Europeia

“Muitos dos cortes de empregos serão provavelmente temporários, mas a expectativa de uma recuperação lenta dos serviços de turismo e atividades relacionadas irá provavelmente ter um impacto negativo na procura por emprego num período mais prolongado”, afirmou a Comissão Europeia.

Recessão recorde: Bruxelas prevê contração de 7,75% na economia da zona euro em 2020

Nas projeções económicas da primavera, a Comissão Europeia adiantou que prevê uma retoma para 2021, com a zona euro a crescer 6,25% e a UE a recuperar 6%.
Recomendadas

Presidente da República exige maior controlo da legalidade na contratação pública

“É naturalmente compreensível – e até desejável – a necessidade de simplificação e de aperfeiçoamento de procedimentos em matéria de contratação pública que possam, com rigor, implicar a melhoria das condições de vida dos portugueses e permitir flexibilizar a atribuição e a alocação dos referidos fundos”, salientou Marcelo Rebelo de Sousa.

Presidente da República veta diploma que altera regras de contratação pública

Este veto do chefe de Estado foi divulgado no portal da Presidência da República.

Natal e passagem de ano: estas são as 14 regras que vão vigorar

Restaurantes abertos até à uma da manhã nas noites de natal e de passagem de ano, e natal sem interdição de circulação entre concelhos são algumas da medidas que vão vigorar durante a época festiva. Governo avalia medidas a 18 de dezembro à luz da evolução da pandemia da Covid-19.
Comentários