Demóstenes agora usa cascas de lapas

Compreendo perfeitamente as razões que levaram a dita “Lebre do Norte” a vir para a imprensa regional atacar o ex-presidente do PS-Madeira, Carlos Pereira, que é, sem qualquer margem para dúvida, o melhor e mais bem preparado e qualificado político que o partido alguma vez teve e que também tem currículo próprio e muito bom profissionalmente, o que, também sem qualquer margem para dúvidas, continuar a incomodar muita gente, acredito que gostavam de ser tão bons quanto ele, mas não o são nem nunca o serão.

Sempre tentei compreender os “porquês” mesmo quando não simpatizo com as pessoas e, como é óbvio, não o escondo, não gosto mesmo nada de Emanuel Câmara por todas as razões e mais algumas, sendo a principal o servil papel a que se predispôs e que não foi certamente a pensar no bem maior das pessoas da Madeira e Porto Santo e muito menos do partido enquanto um dos principais responsáveis do “putch” que não só colocou o Partido Socialista nas mãos de um político sem provas dadas e não militante, que não é mais do que a manutenção do paradigma do passado, dos lobbies jardinistas, como ainda por cima o dividiu e reza a história que o que está divido raramente ganha.

Ou seja: compreendo perfeitamente as razões que levaram a dita “Lebre do Norte” a vir para a imprensa regional atacar o ex-presidente do PS-Madeira, Carlos Pereira, que é, sem qualquer margem para dúvida, o melhor e mais bem preparado e qualificado político que o partido alguma vez teve e que também tem currículo próprio e muito bom profissionalmente, o que, também sem qualquer margem para dúvidas, continuar a incomodar muita gente, acredito que gostavam de ser tão bons quanto ele, mas não o são nem nunca o serão.

Deve ser bastante tramado ser presidente de um partido e não ter direito a botar faladura nos “Diálogos da Treta” em curso, ser obrigado a estar ali caladinho e sorridente, a fazer simplesmente figura de corpo presente, como outro qualquer. Mas também compreendo perfeitamente as razões para não o quererem no palco. Aquilo é uma algaraviada, do género, quanto mais alto falo, quanto mais grito, quanto mais concordâncias verbais e ortoépia rebentar, quanto mais incoerência mostrar melhor. Sejamos honestos, qualquer um de nós conhece muita gente mais articulada, mais bem-falante, mais consistente, mais sedutoras e persuasivas, inclusivamente uma delas é a senhora que à sexta-feira vem cá a casa fazer a limpeza, só tem um defeito, não se chama Esperança.

Mas, para isso, há um remédio, quase santo e histórico. Faça como Demóstenes – se não souber quem é, peça a quem lhe escreve os artigos de opinião para lho dizer – só que em vez de seixos na boca, vá andando, falando e declamando poemas (a poesia tem o poder de elevar as almas), com casca de lapas, já que gosta tanto de arroz de lapas e esse parece ser o seu grande contributo político para a política regional. A verdade é que o método funcionou com o grego e, assim, a proeminência está ao seu alcance. Basta mesmo umas cascas de lapas. Já agora aproveito para deixar um dos pensamentos dele: pensa-se como se vive!

Voltando ao busílis da questão e ainda antes de expor mais uma outra mais do que possível razão para este súbito ataque a Carlos Pereira que bem pode ser a abertura da caixa de Pandora, porque repito, para ganhar é preciso unir, somar e não subtrair, é intolerável chamar mentiroso ao anterior líder, que recuperou a credibilidade do PS-Madeira enquanto outros e não foram poucos, incluindo o líder da JS-M, estavam era mais ocupados a minar a unidade constituída com muito esforço (não era o Emanuel Câmara que dizia que oito em cada dez madeirenses  e porto-santenses queriam o actual presidente da CMF para a Quinta Vigia?! Só se for na aritmética do Porto Moniz, como o têm demonstrado as sondagens).

Ademais, sei perfeitamente que não houve respostas à tentativa apresentada para a construção de uma agenda da unidade, importante e imprescindível para que o PS-M seja realmente capaz de se apresentar de forma ganhadora ao eleitorado. Aliás, viu-se bem como agiram no Congresso e vê-se bem como continuam a agir. Isto de trazer para a comunicação social a manifesta incapacidade para unir e apenas mostrar que sabe insultar os seus pares afasta e repele mais do que atrai. Por outro lado e sejamos novamente honestos, conhecemos todos bem como tudo isto funciona, como se montam este tipo de jogadas e até já se comenta nos bastidores do partido que a ideia é escolher o filho para número dois da futura lista à Assembleia da República, mas com o meu voto é que não. Nunca.

P.S. Tenho dito e redito e assim continuarei a dizer que não podemos confiar num político que mente à população, ao eleitorado, referindo-me sempre à promessa eleitoral do candidato plagiador e mentiroso à Quinta Vigia, mas e que dizer do Emanuel Câmara?! É que, convém não esquecer, fez o mesmo às duas mil e tal almas do Porto Moniz, que tenho a certeza não lhe teriam dado a votação que lhe deram se lhes dissesse que ia abandonar o mandato a meio.

 

Recomendadas

Deco alerta para contratações de prestação de serviços com recurso a créditos ao consumo

Antes de assinar um contrato de crédito ao consumo, o consumidor deve ser informado de forma clara sobre as características – comissões, prazo, taxas de juro, entre outras, para poder avaliar os encargos que suportará com esta contratação.

Mais de 10 anos após primeiras reivindicações ainda não há lei das tatuagens, alerta Deco

Nas visitas realizadas pela nossa equipa da revista PROTESTE a estúdios de tatuagens verificou-se que tatuar a pele de um menor sem a autorização dos pais não levanta qualquer constrangimento a muitos profissionais.

PAN quer no mínimo dois deputados na Assembleia da Madeira

As bandeiras do partido são a saúde, o combate à corrupção e tráfico de influências, a luta contra a pobreza e uma linha marítima entre a Madeira e o continente.
Comentários