“Dependendo das medidas de contenção, o impacto na economia pode ser devastador”, diz economista

Pedro Brinca, economista e professor na Nova SBE, diz que o mercado imobiliário em Portugal deverá sentir os efeitos, já que “está intrinsecamente” ligado à dinâmica do turismo e pode sofrer um abrandamento pronunciado.

Pedro Brinca, o economista e professor universitário da Nova SBE, alerta que os efeitos na economia das medidas de contingência do Covid-19 poderão “ser devastadores”. Ao Jornal Económico, antecipa ainda que o turismo e o mercado imobiliário em Portugal deverão sentir uma quebra acentuada como consequência da propagação do Covid-19.

“Portugal é uma pequena economia aberta, ainda que menos aberta que outras pequenas economias abertas como a Holanda, Bélgica ou Irlanda. Em termos de efeitos directos do comércio com a China, apenas 3% das nossas importações vêm de lá e exportamos para lá cerca de 1% do nosso volume total de exportações. A questão é primeiramente a disrupção das cadeias de valor”, refere. Dá o exemplo de empresas como a Riopele, “com baixa exposição direta ao mercado chinês – apesar de o mercado italiano ser um destino importante – com problemas na produção porque os químicos que importa da Alemanha e Suíça, são lá fabricados a partir de componentes oriundos da China”.

“Por outro lado, a grande alavanca do crescimento económico em Portugal nos últimos anos – o turismo – é provável que observe uma contração significativa”, antecipa, recordando que a Tailândia reportou recentemente uma quebra homóloga de 70% do volume de vendas. “Apesar de não sermos um destino principal para os Chineses – que são o maior gastador mundial em turismo – outros destinos irão de certeza sofrer o impacto e por em prática medidas agressivas de vendas que podem ter impacto na procura por Portugal”, acrescenta.

Também o mercado imobiliário deverá sentir os efeitos, já que “está intrinsecamente” ligado à dinâmica do turismo e pode sofrer um abrandamento pronunciado.

“Isto são apenas alguns efeitos a nível de alguns sectores, os primeiros a sofrerem os efeitos da pandemia. Dependendo das medidas de contenção que forem implementadas, o impacto na economia pode ser devastador”, alerta.

O economista sublinha que “a mera decisão de fechar as escolas terá consequências importantíssimas uma vez que isso pode fazer com que os pais também tenham de ficar em casa e o absentismo dispare, com consequências imprevisíveis, mais uma vez pela intrincada rede de interconexões das cadeias de valor”.

Já o condicionamento do acesso a um conjunto de infraestruturas, como transportes públicos, centros comerciais, entre outros podem alimentar também a crise produtiva, conduzindo a uma quebra na procura interna. “Muito do consumo que temos hoje tem uma matriz social – restaurantes, espetáculos”, exemplifica.  “Por outro lado, num clima de incerteza, tipicamente o consumo em geral cai, excluindo eventuais fenómenos de açambarcamento de bens essenciais – a não negligenciar já nos próximos dias”, acrescenta.

“A quebra na procura externa vai depender do que acontece nas outras economias, mas os principais parceiros – Espanha à cabeça – também estão com graves problemas. Estes efeitos combinados podem gerar problemas sérios de cash-flow nas empresas, em particular em Portugal onde as PMEs têm um peso tão elevado. Portugal tem pouca capacidade para lidar com isto de forma isolada, mas pode ser uma oportunidade para as instâncias europeias se afirmarem ainda mais na sua capacidade de resposta a uma crise que vai afectar todos os países membros”, diz o economista, que é um dos subscritores do manifesto que apela à União Europeia uma ação conjunta.

Pedro Brinca diz que “a eventual crise, apesar de potencialmente poder vir a ser bastante acentuada, também se espera que seja de rápida recuperação”, mas “uma vez controlada a pandemia, muito do abrandamento ou mesmo queda da produção anterior pode ser recuperada e espera-se um crescimento acentuado após a situação estar sob controlo”.

Ler mais

Relacionadas

Grupo de economistas pede financiamento de emergência “de grande escala” para combater impacto do Covid-19

Grupo de 13 economistas de várias universidades portuguesas assina um manifesto no qual defende que “o preço de atuar hoje será muito menor do que o de atuar amanhã”. “Não queremos ser os sonâmbulos do século XXI”, dizem, num apelo à União Europeia.
Recomendadas

Sassoli apela ao Eurogrupo: “Precisamos de encontrar formas novas e comuns de financiamento”

Em vésperas de nova ronda de negociações dos ministros das Finanças europeus, o Presidente do Parlamento Europeu defendeu que o Eurogrupo “tem de estar à altura do desafio” e que “o colapso de um país teria, inevitavelmente, consequências dramáticas para todos os outros”.

Covid-19: Coface prevê maior número de insolvências de empresas desde 2009

A empresa especilizada na gestão de crédito prevê ainda recessões em 68 países (contra apenas 11 no ano passado), uma queda do comércio mundial de 4,3% este ano (após uma queda de -0,4% em 2019), e um aumento de 25% das insolvências de empresas a nível mundial (em comparação com a nossa previsão de Janeiro passado, que era de +2%).

Pandemia: 34% dos portugueses receiam colapso da Segurança Social e 20% temem perder o emprego

Se há uma semana 81% dos portugueses inquiridos apresentava elevada preocupação face à crise atual, hoje, são 90%. E 18% dos portugueses ativos antes da epidemia afirmam já ter perdido, mesmo que temporariamente, o seu emprego.
Comentários