“Deplorável”. Líderes europeus arrasam nova lei de segurança de Hong Kong

Os presidentes do Conselho Europeu e Comissão Europeia rejeitam a aprovação de uma lei que recebeu várias advertências de parceiros internacionais e que põe em causa os direitos dos cidadãos em Hong Kong. Ursula von der Leyen admite resposta europeia.

DR AP

Os líderes europeus condenaram a China pela “decisão deplorável” de aprovar a nova lei de segurança em Hong Kong, alertando que isso irá pôr em causa a reavaliação de Pequim como um parceiro económico de confiança.

De acordo com a notícia avançada pelo “The Guardian”, o presidente do Conselho Europeu (CE) lamentou a decisão considerando ser uma “séria ameaça” que compromete o “alto grau de autonomia de Hong Kong” e que pode ter “efeitos negativos na independência do sistema judicial e no Estado de direito”. Charles Michel sublinhou as declarações dizendo por fim: “deploramos esta decisão”.

Ursula von der Leyen subscreveu as palavras de Charles Michel relembrando as várias advertências da comunidade internacional e da União Europeia (UE) contra a aprovação desta lei.

“Deixámos claro em diversas ocasiões, incluindo nos nossos contactos diretos na semana passada com a liderança chinesa, que a nova legislação não está conforme com a lei básica de Hong Kong nem com os compromissos internacional da China. Para nós é um assunto muito grave e estamos seriamente preocupados”, declarou Ursula von der Leyen, na mesma conferência de imprensa.

Questionada sobre a reação europeia, Von der Leyen admitiu que a UE alertou por diversas vezes que “a China arriscava consequências muito negativas se avançasse efetivamente com esta legislação, incluindo em termos de confiança das empresas, reputação da China e perceção pública em Hong Kong”.

“Permanecemos em contacto com os nossos parceiros internacionais nesta matéria e analisaremos com muita atenção a forma como responder”, completou.

A nova lei de segurança, aprovada pelos parlamentares em Pequim, esta terça-feira, tem como objetivo acabar com os protestos contra o governo em Hong Kong, criminalizando a secessão, subversão, terrorismo e conflito, uma medida que tem provocado receios de que poderá reduzir as liberdades na região semiautónoma.

Aministia Internacional pede a Pequim que não use a nova lei de segurança nacional como “arma” contra Hong Kong

A organização não-governamental Amnistia Internacional afirmou hoje em comunicado que a aprovação da lei representa uma grande “ameaça” aos direitos humanos em Hong Kong e que “a partir de agora a China terá o poder de impor as suas leis contra qualquer um que considerar suspeito de cometer um crime”.

A comunidade internacional, com os Estados Unidos e a União Europeia em destaque, para além de diversas ONG, expressaram por mais do que uma vez o receio de que a lei sirva para silenciar vozes críticas em Hong Kong, após um ano de protestos na ex-colónia britânica.

 

Ler mais
Relacionadas

Aministia Internacional pede a Pequim que não use a nova lei de segurança nacional como “arma” contra Hong Kong

Depois da China ter confirmado a aprovação da controversa lei de segurança nacional que permitirá às autoridades chinesas combater atividade “subversiva e secessionista” em Hong Kong, a Amnistia Internacional pediu às autoridades que não usem esta lei para “atropelar os direitos humanos” na região semiautónoma.

China rejeita declaração do G7 sobre lei de segurança nacional em Hong Kong

Pequim tem defendido que a lei visa apenas atividades separatistas e violência grave que ponha em risco a segurança nacional, ou manobras de desestabilização por forças estrangeiras.

Investidores em Hong Kong preparam-se para um cenário mais adverso

Os banqueiros privados assinalam que os clientes estão a acelerar o esforço para garantir um plano de contingência numa altura em que Hong Kong enfrenta uma das maiores crises políticas e económicas desde 1997.
Recomendadas

É oficial: Donald Trump retira Estados Unidos da OMS

“O Congresso recebeu a notificação de que o Presidente retirou oficialmente os Estados Unidos da OMS em plena pandemia”, escreveu no Twitter o senador democrata Robert Menendez. Washington e ONU já confirmaram.

“Gripezinha ou resfriadinho”. Imprensa brasileira relembra declarações de Bolsonaro sobre a Covid-19

Presidente sempre desvalorizou doença, comparando-a a uma “gripezinha” ou “resfriadinho” e promovendo o uso de hidroxicloroquina, que afirma já ter tomado. Reações das redes sociais também merecem destaque na imprensa.

Comprar uma marca de sapatos. Warren Buffett elege “erro mais terrível”

Embora Warren Buffett estivesse errado sobre as perspetivas da Dexter, reconheceu a ameaça que logo afundaria a empresa: os sapatos importados e baratos, vindos de países com baixos salários.
Comentários