Deputados adiam votação da Lei de Bases da Saúde devido às parcerias público-privadas

O PS quer que a nova lei expresse que a gestão dos estabelecimentos de saúde é pública, “podendo ser supletiva e temporariamente assegurada por contrato com entidades privadas ou do setor social”.

Cristina Bernardo

A votação dos polémicos artigos da proposta de Lei de Bases da Saúde como as parcerias público-privadas, em discussão no parlamento foi adiada para dia 11 de junho.

Uma nova Lei de Bases da Saúde está a ser votada em sede de grupo de trabalho na Assembleia da República (votações indiciárias) e hoje estava prevista a votação da alínea três da base 18, que diz respeito às parcerias público-privadas.

O PS quer que a nova lei expresse que a gestão dos estabelecimentos de saúde é pública, “podendo ser supletiva e temporariamente assegurada por contrato com entidades privadas ou do setor social”, algo com que os partidos à esquerda se mostraram contra, não querendo a referência a entidades privadas na gestão da saúde.

Esta sexta-feira, no grupo de trabalho, quando os deputados deviam votar a base 18, a deputada Paula Santos, do PCP, pediu que essa parte da proposta de lei apenas fosse votada na comissão de Saúde. “O PCP não deita a toalha ao chão, mas está disponível para procurar uma solução para esta base”, afirmou a deputada.

A proposta foi encarada com naturalidade pelo PS e pelo Bloco de Esquerda, mas PSD e CDS-PP manifestaram-se frontalmente contra.

Paula Santos acabou por propor que se fizesse uma nova reunião, na próxima semana, só para votar a base 18, mas por indisponibilidade de outros partidos essa votação só vai acontecer no próximo dia 11.

Relacionadas

PSD quer Lei de Bases da Saúde “equilibrada e inclusiva” com “sugestões do PS”

Os sociais-democratas acusam o Governo de apresentar “uma proposta redutora e ideologicamente enviesada”, que tem como foco a “ideologia e clientela socialista”. 
Recomendadas
medina_candidatura_1

Sondagem. Medina com nove pontos de vantagem sobre Moedas

Sondagem feita para a “RTP/Público”, aponta que Medina poderá reeleger entre sete a oito vereadores, a um lugar da maioria absoluta. Já Carlos Moedas poderá eleger entre cinco a seis vereadores.

Conselho de Ministros prepara-se para devolver ‘antigo normal’ aos portugueses esta quinta-feira (com áudio)

A próxima e última fase de desconfinamento prevê que restaurantes, cafés e pastelarias deixem de ter limite máximo de pessoas por grupo, quer no interior quer em esplanadas; estabelecimentos e equipamentos deixam também de ter limites de lotação, tal como os espetáculos culturais e eventos como casamentos e batizados. Mas regras só deverão entrar em vigor a 1 de outubro.

“Reabertura das discotecas pode contribuir para fim dos ajuntamentos”, diz presidente da junta do Bairro Alto e Cais do Sodré (com áudio)

“Desde o último desconfinamento que aumentaram bastante os ajuntamentos na freguesia, nomeadamente, na zona do Bairro Alto e na Zona do Cais Sodré. Estes ajuntamentos são muito superiores aos que se verificaram antes do Covid”, conta a autarca Carla Madeira.
Comentários