Deputados adiam votação da Lei de Bases da Saúde devido às parcerias público-privadas

O PS quer que a nova lei expresse que a gestão dos estabelecimentos de saúde é pública, “podendo ser supletiva e temporariamente assegurada por contrato com entidades privadas ou do setor social”.

Cristina Bernardo

A votação dos polémicos artigos da proposta de Lei de Bases da Saúde como as parcerias público-privadas, em discussão no parlamento foi adiada para dia 11 de junho.

Uma nova Lei de Bases da Saúde está a ser votada em sede de grupo de trabalho na Assembleia da República (votações indiciárias) e hoje estava prevista a votação da alínea três da base 18, que diz respeito às parcerias público-privadas.

O PS quer que a nova lei expresse que a gestão dos estabelecimentos de saúde é pública, “podendo ser supletiva e temporariamente assegurada por contrato com entidades privadas ou do setor social”, algo com que os partidos à esquerda se mostraram contra, não querendo a referência a entidades privadas na gestão da saúde.

Esta sexta-feira, no grupo de trabalho, quando os deputados deviam votar a base 18, a deputada Paula Santos, do PCP, pediu que essa parte da proposta de lei apenas fosse votada na comissão de Saúde. “O PCP não deita a toalha ao chão, mas está disponível para procurar uma solução para esta base”, afirmou a deputada.

A proposta foi encarada com naturalidade pelo PS e pelo Bloco de Esquerda, mas PSD e CDS-PP manifestaram-se frontalmente contra.

Paula Santos acabou por propor que se fizesse uma nova reunião, na próxima semana, só para votar a base 18, mas por indisponibilidade de outros partidos essa votação só vai acontecer no próximo dia 11.

Relacionadas

PSD quer Lei de Bases da Saúde “equilibrada e inclusiva” com “sugestões do PS”

Os sociais-democratas acusam o Governo de apresentar “uma proposta redutora e ideologicamente enviesada”, que tem como foco a “ideologia e clientela socialista”. 
Recomendadas

Biden e Putin: tentar salvar a face, cada um à sua maneira. Veja “A Arte da Guerra”

Acompanhe o programa “A Arte da Guerra” na plataforma multimédia JE TV, através do site e das redes sociais do Jornal Económico.

CNE alerta que é proibido propaganda na véspera e dia de eleições

A comissão avisa que “entende-se por ‘propaganda eleitoral’ toda a atividade que vise direta ou indiretamente promover candidaturas, seja dos candidatos, dos partidos políticos, dos titulares dos seus órgãos ou seus agentes, das coligações, dos grupos de cidadãos proponentes ou de quaisquer outras pessoas, nomeadamente a publicação de textos ou imagens que exprimam ou reproduzam o conteúdo dessa atividade”.

“Lisboa estava em sentada em tanto dinheiro de impostos que nem sabia o que lhe fazer”, realça candidato da IL a Lisboa

Na última edição do programa “Primeira Pessoa, da plataforma multimédia JE TV, Bruno Horta Soares considera que é importante estancar o aumento de trabalhadores na Câmara Municipal de Lisboa e diminuir os “10 a 12 milhões em avenças e os 13 milhões em horas extraordinárias”.
Comentários