Deputados aprovam orçamento suplementar da Assembleia da República

No plano da receita, é integrada uma verba de 9,9 milhões de euros, relativa à rubrica “saldo da gerência anterior/saldo orçamental”.

O parlamento aprovou esta quinta-feira um orçamento suplementar para 2021 que integra o saldo de gerência até dezembro de 2020 e prevê devolução de verbas à Direção-Geral do Tesouro. O orçamento foi aprovado por unanimidade pelos deputados.

No plano da receita, é integrada uma verba de 9,9 milhões de euros, relativa à rubrica “saldo da gerência anterior/saldo orçamental”.

São ainda integradas as despesas de “reforço da dotação” quanto a “processos de atos eleitorais” que “não se encontram concluídos ou se encontram em fase de validação/apuramento final de saldo”.

Está ainda prevista uma verba de 1,4 milhões de euros para devolução à Direção-Geral do Orçamento “por conta do saldo da subvenção pública” relativa às campanhas das legislativas de 2019 e regionais dos Açores de 2020 e a uma verba não transferida para a CADA – Comissão de Acesso aos Documentos Administrativos.

Recomendadas

Presidente da República: “Comigo não vai haver” volta atrás no desconfinamento

O chefe de Estado defendeu que “o não voltar atrás exige às pessoas viverem à medida disso”, que, se querem que não se volte atrás, “têm que ter bom senso no respeito das regras sanitárias”, que aos eleitos para governar cabe decidir e aos especialistas “chamar a atenção para o juízo que as pessoas devem ter”.

PremiumNuno Palma: “O licenciado Pacheco Pereira é um académico falhado”

Na sequência da polémica levantada pela sua intervenção na Convenção do MEL, o professor da Universidade de Manchester Nuno Palma diz que “não há grande diferença entre Donald Trump e políticos como Pedro Marques, Ana Catarina Mendes, Miguel Costa Matos ou Pacheco Pereira”

Bloco de Esquerda ataca ministro do Ambiente e exige mudanças na regulação da extração mineira

Estas posições foram transmitidas pela coordenadora do Bloco de Esquerda, Catarina Martins, durante a apresentação do candidato bloquista à presidência da Câmara de Setúbal, Fernando Pinho, num discurso em que também criticou o executivo desta autarquia, de maioria CDU, de ser “centralista” e “aliado” do Governo em vários domínios.
Comentários