Deputados do PS questionam Governo sobre a venda de terrenos do Centro de Produção do Norte da RTP

Os deputados socialistas eleitos pelo círculo eleitoral do Porto querem saber se o Governo foi informado sobre a alienação dos terrenos em causa e se esta venda está em linha com o plano estratégico da RTP e se há algum plano de investimentos previsto.

ana_catarina_mendes_ps
José Sena Goulão/Lusa

Os deputados do Partido Socialista (PS) eleitos pelo Porto enviaram esta terça-feira um conjunto de questões ao Governo sobre a venda de terrenos do Centro de Produção do Norte da RTP. Os socialistas querem saber se o Governo foi informado sobre a alienação dos terrenos em causa e se esta venda está em linha com o plano estratégico da RTP e se há algum plano de investimentos previsto.

“O Partido Socialista tomou conhecimento, através da Subcomissão de Trabalhadores da RTP do Porto, de que o Conselho de Administração da RTP pretende alienar 30 mil metros quadrados dos 45 mil metros quadrados de terreno de que atualmente dispõe no Centro de Produção do Norte, em Vila Nova de Gaia”, lê-se na nota introdutória do conjunto de questões colocadas pelos deputados do PS ao Ministério da Cultura, a que o Jornal Económico teve acesso.

Os deputados do PS dizem estar “apreensivos” em relação à possibilidade de o Conselho de Administração da RTP proceder a uma nova operação de alienação de terrenos, “implicando a sua reestruturação e em concreto a demolição de um dos estúdios”. Sublinham ainda que a operação “poderá afetar a capacidade atual do Centro” e parece “correr em contraciclo com a recuperação de relevância estratégica que o mesmo vinha a conhecer desde 2015”.

O anúncio surge depois de ter sido revelado que, em 2016, dois terços do terreno atualmente ocupado pelo Centro de Produção do Norte da RTP foram vendidos por cerca de 600 mil euros, em 2016, pelo Conselho de Administração da RTP liderado por Gonçalo Reis. O mesmo terreno está agora à venda por 12,3 milhões no Idealista e é apresentado como ideal para a “construção de uma unidade hoteleira, resort de luxo ou condomínio de luxo”.

Os socialistas eleitos pelo círculo eleitoral do Porto querem por isso saber se o Ministério da Cultura foi informado da intenção do Conselho de Administração da RTP de realizar esta operação imobiliária e se o Conselho de Administração comunicou algum plano de investimento para o Centro de Produção do Norte. Querem ainda saber se esta venda segue um plano estratégico da RTP e se o Governo está a par da intenção de reduzir a produção de conteúdos ou o número de trabalhadores.

Os deputados socialistas lembram que “o Centro de Produção do Norte da RTP constitui um dos mais relevantes centros de produção de conteúdos radiofónicos e televisivos de Portugal e certamente o mais importante do Norte e Centro do país”. Este é o único estúdio de produção televisiva dos canais generalistas no norte do país e que “cobre 50% do território nacional, produzindo 45% dos conteúdos da RTP e contribuindo para cerca de 50% da sua audiência”.

“A esta importância acresce o seu impacto, ao longo dos 60 anos da sua existência, na criação de uma rede do audiovisual, assente num conjunto de produtores de televisão e rádio, de fornecedores no domínio da eletrónica e das telecomunicações, do design e da comunicação, entre muitos outros, a partir do Norte de Portugal”, apontam os deputados do PS.

Os deputados alertam ainda para os erros cometidos no passado nos terrenos do Lumiar, em Lisboa, que levaram ao encerramento das instalações da RTP e à sua deslocalização para terrenos que não estão na sua posse. Tendo isso em conta, o PS quer evitar “um negócio imobiliário que venha a tolher a capacidade da RTP de crescer e de se modernizar no Centro de Produção do Norte”.

Ler mais
Recomendadas

Ministra admite que a precariedade na Cultura está “mais visível” mas sem solução “em dois meses”

Segundo a ministra, o Governo está “a trabalhar” e assumiu “o compromisso de, ao longo deste ano, resolver as questões laborais, de carreiras contributivas” ou “de descontos” destes profissionais, entre outras matérias.

Morreu Luís Pimentel, ex-secretário-geral adjunto do PSD

Luís Pedro Pimentel, natural de Alijó, distrito de Vila Real, foi secretário-geral adjunto dos sociais-democratas durante a liderança de Pedro Passos Coelho, quando o secretário-geral era José Matos Rosa, e foi deputado à Assembleia da República, que deixou em 2015.

Ministro do Ambiente congratula-se com abertura das praias mas pede cumprimento das regras

Na cerimónia de abertura da época balnear, que decorreu na Praia da Rocha, em Portimão, João Pedro Matos Fernandes revelou-se orgulhoso “por não haver praias privadas em Portugal”, defendendo que o “acesso ao areal deve ser livre, mas há que garantir as regras impostas este ano”.
Comentários