Deputados do PSD Madeira dizem que deram conhecimento a líder parlamentar sobre abstenção no Orçamento do Estado

Em comunicado os deputados do PSD, eleitos pela Madeira, dizem que apresentaram a sua fundamentação, sobre a abstenção no Orçamento do Estado, ao líder parlamentar.

Os deputados do PSD Madeira eleitos para a Assembleia Legislativa da Madeira referem, em comunicado, que deram conhecimento, e explicaram de forma fundamentada a abstenção que dariam na votação ao Orçamento do Estado.

O mesmo comunicado refere que para a abstenção contribuiu o interesse maior da Madeira. A clarificação sobre o financiamento do Novo Hospital da Madeira, por parte da República, foi um fator considerado para a abstenção.

“Não obstante acompanharmos as considerações do nosso Grupo Parlamentar no que diz respeito às prioridades e às más opções de política nacional do Governo socialista neste Orçamento, o interesse da Região Autónoma da Madeira sobrepõe-se”, indicam os deputados do PSD eleitos pela Madeira pela Assembleia da República no mesmo comunicado.

Ficaram no entanto alguns reparos relativamente a compromissos assumidos pelo Governo da República que “ainda não têm reflexo” no Orçamento do Estado para 2020, onde se inclui a mobilidade aérea e marítima.

De referir que rui rio, presidente do PSD, lamentou que  só ter sabido da posição dos três deputados do PSD Madeira, relativamente à sua posição sobre o Orçamento do Estado, pela comunicação social.

Em declarações à comunicação social, e à saída do hemiciclo, Rui Rio disse que soube da posição dos deputados do PSD Madeira “esta manhã” e através da comunicação social. “Compreendo a sua posição mas lamento ter sabido através da comunicação social”, realçou.

Ler mais
Recomendadas

Cristiano Ronaldo e Jorge Mendes doam cinco ventiladores à Madeira

Para o Governo Regional, “a cedência destes equipamentos ao SESARAM e à Região vai aumentar a capacidade de resposta ao doente crítico no combate à pandemia”, juntando-se aos 99 ventiladores de que a região dispõe.

Madeira quer restringir para 120 o número de passageiros desembarcados

Miguel Albuquerque argumentou que esta não é uma questão de “autorizar ou facultar o regresso” dos madeirenses que querem regressar, considerando ser “humano e compreensível” que todos queiram estar com os seus entes queridos.
Comentários