Desabamento na Bélgica. Autoridades confirmam quatro sinistrados portugueses, dos quais uma vítima mortal

As autoridades belgas confirmaram este sábado, 19 de junho, que uma das duas vítimas mortais é portuguesa. Entre os portugueses, há ainda a lamentar um ferido e dois desaparecidos.

As autoridades belgas confirmaram este sábado, 19 de junho, a morte de dois trabalhadores no desabamento de um prédio em Antuérpia, na Bélgica, um dos quais é português. Entre os trabalhadores portugueses, há também a lamentar, até ao momento, um ferido e dois desaparecidos.

As autoridades falam num total de nove feridos, três desaparecidos e dois mortos. A segunda vítima mortal confirmada é de nacionalidade romena.

Os trabalhadores foram surpreendidos por uma rajada de vento forte, por volta das 14h45 locais (13h45), que arrastou os andaimes e vários trabalhadores, que ficaram no meio do emaranhado de ferros e placas de madeira, e fez desabar parte do edifício em construção no bairro de Nieuw Zuid.

Segundo o Observador, que cita o Gazet van Antwerpen, um dos portugueses envolvidos no incidente é Carlos Rochas que vivia em Antuérpia há um ano. “Pouco depois de o edifício colapsar, tentei ligar ao meu marido, mas não consegui falar com ele. Não sei onde é que ele está nem como está”, afirmou Adriana, mulher de Carlos Rochas, citada pelo mesmo jornal.

Os portugueses trabalhavam para a empresa Goorden Bouw en Service.

 

Recomendadas

Instituto Camões e Universidade Sorbonne criam Cátedra Paul Teyssier

Entre as obras do linguista destacam-se “A Língua de Gil Vicente”, “História da Língua Portuguesa”, “Manual de Língua Portuguesa” e “Études de litterature et de linguistique”, entre outros títulos.

Portugal tem 83% da população totalmente vacinada contra a Covid-19

DGS contabiliza mais de 8,8 milhões de pessoas (86%) no país com pelo menos uma dose.

Jovens entre 18 e 20 anos podem candidatar-se a 60 mil passes de interrail gratuitos

Os candidatos que ganhem um bilhete podem viajar durante 30 dias, entre março de 2022 e fevereiro de 2023, sendo que por ainda se desconhecer a evolução da pandemia, as reservas são flexíveis.
Comentários