Desfasamento de horários é “desnecessário”, diz presidente da CIP

O presidente do CIP prevê ainda que para o setor automóvel “introduzir estes desfasamentos com a cadência de produção, com as linhas de produção que estão montadas, pode levar a complicações dessas mesmas linhas”.

Cristina Bernardo

O presidente da Confederação Empresarial de Portugal (CIP), António Saraiva, considerou esta segunda-feira, 21 de agosto, o desfasamento de horários decretado pelo Governo “desnecessário” e prevê que a medida possa causar algumas “complicações” em áreas como o setor automóvel.

“Toda esta alteração eu diria que é desnecessária porque as empresas com esta tipologia já têm na sua generalidade protocolos de segurança para evitar a disseminação da pandemia”, apontou ao “Observador” António Saraiva referindo-se a empresas com mais de 50 trabalhadores.

Quanto ao impacto financeiro do desfasamento de horários, o presidente da CIP explicou que é um valor que “será calculado depois da obrigatoriedade da implementação desta medida”. No entanto, consegue antever que para o setor automóvel “introduzir estes desfasamentos com a cadência de produção, com as linhas de produção que estão montadas, isto pode levar a complicações dessas mesmas linhas”.

António Saraiva acredita ser preferível o Governo manter “aquele quadro que já era prática nas nossas empresas e não viesse causar este ruído”, recordando novamente que as empresas já tinham implementado protocolos de segurança. “De março para cá , mal seria que as empresas não defendessem os seus trabalhadores”, sublinhou o dirigente da CIP.

A 17 de setembro, depois de reunião do Conselho de Ministros, a ministra da Presidência anunciou que o Governo tinha aprovado o desfasamento horário. Assim, as regras ditam que “o desfasamento de horários de trabalho e saída dos trabalhadores que podem ir de um mínimo de 30 minutos a um máximo de uma hora face ao horário estipulada”, destacou Mariana Vieira da Silva.

“Estão ainda previstas a criação de equipas estáveis, assim como a promoção do teletrabalho, sempre que a natureza da atividade assim o permita”, referiu a ministra da Presidência.

Apesar do sistema criado pelo executivo de António Costa, a CIP defende que o Governo deve ir mais além e apresentou um conjunto de medidas, também a 17 de setembro. 

A CIP defendeu um sistema de carry back, por ser “óbvio que a maioria das empresas terá prejuízo” no ano que corre, e que este será “ refletido nos anos anteriores”. Outras das medidas consistem em capitalizar para investir, estimular e atrair fiscalmente o investimento, Qualificar e requalificar para competir, melhorar o ambiente de negócios e investir com racionalidade, mencionou  Óscar Gaspar, vice-presidente do Conselho Geral e vogal da direção da CIP.

Ler mais

Relacionadas

CIP defende que próximo Orçamento do Estado deve “fomentar o investimento”

Na apresentação, Óscar Gaspar, vice-presidente do Conselho Geral e vogal da direção da CIP, sustentou que Portugal se encontra numa “situação particularmente gravosa”, estando mesmo à beira de uma “histórica” e “profunda” recessão técnica.

Luís Filipe Vieira retira nome de António Costa da comissão de honra

Depois de dias de polémica, o presidente do Benfica decide retirar da lista todos os nomes de autarcas, deputados e membros do Governo, avança o Expresso. O anúncio acontece no dia em que António Costa vai-se reunir em Belém com Marcelo. Luís Filipe Vieira garante que “se for condenado” pela justiça vai sair pelo seu próprio “pé” da presidência do Benfica.
Recomendadas

EDP desiste do processo contra o Estado na CESE. Custos superam probabilidade de sucesso

A energética anunciou ainda que vai pedir a Bruxelas a análise da conformidade relativamente ao futuro do mecanismo de financiamento da Tarifa Social. “A EDP não questiona a existência da Tarifa Social em si mesma, com cujo propósito concorda, mas não pode, atendendo à evolução do respectivo regime, conformar-se com os termos de financiamento”.

‘Fintech’ crescem em Portugal apesar da pandemia, revela relatório

De acordo com o “Portugal Fintech Report 2020”, apresentado esta manhã pela Associação Portugal Fintech, “a maior parte das ‘fintechs’ em Portugal situa-se nos verticais de ‘pagamentos e transferências’, ‘insurtech’ e ‘criptomoeda’, estando 43% na fase de ‘seed’” (fase inicial de desenvolvimento).

Portugal Blue quer distribuir 75 milhões de euros em investimentos na economia azul

A Portugal Blue quer mobilizar mais de 75 milhões de euros de capital privado, público e europeu para fomentar o ecossistema da economia azul portuguesa, disponibilizando capital de risco e expansão a mais de 30 empresas, em todos os estágios de desenvolvimento. O programa de investimento cobrirá até 70% da dimensão dos fundos selecionados, com o intuito de potenciar a capacidade crítica da plataforma local da economia azul.
Comentários