Desigualdade de genéro no mercado de trabalho é “economicamente ineficiente”, diz o FMI

Estudo publicado pelo FMI identifica dois mecanismos sobre género com impacto nos benefícios económicos: a diversidade de género e a realocação salarial.

A maior participação das mulheres no mercado laboral beneficia ambos os sexos, devido a um aumento dos salários dos homens em resultado de uma maior força de trabalho, conclui um estudo publicado pelo Fundo Monetário Internacional (FMI).

O estudo “Economic gains from gender inclusion: new mechanisms, new evidence”, divulgado pelo FMI esta terça-feira, dia 9, reconhece que “ainda que tenha existido progresso no aumento da participação feminina na força de trabalho (FLFP) nos últimos 20 anos”, o ritmo tem sido desigual e permanecem “grandes lacunas”.

Os autores Ostry, Alvarez, Espinoza e Papageorgiou consideram que uma diminuição da desigualdade de género na participação no mercado de trabalho “provavelmente irá gerar grandes benefícios económicos”.

Identificam assim dois mecanismos: a diversidade de género e a realocação salarial. No primeiro, sublinham que o beneficio da entrada das mulheres num ambiente laboral vai além do benefício resultante de ter mais trabalhadores.

“Essa hipótese encontra suporte nos dados – dados de macro entre países e dados no ao nível das empresas. Este artigo conclui que o trabalho masculino e feminino são complementares na produção”, explicam os autores, acrescentando que “os resultados também sugerem que os modelos padrão, que não diferenciam os géneros nas suas análises, subestimam o impacto favorável da inclusão de género no crescimento e atribuem erroneamente à tecnologia uma parte do crescimento que é realmente causado pela participação das mulheres”.

Relativamente à realocação setorial, identificam que “à medida que as famílias ficam mais ricas durante o processo de desenvolvimento económico, a procura por serviços aumenta e a mão-de-obra é realocada para o setor em crescimento”.

“Isto torna a discriminação contra as mulheres no mercado laboral não apenas economicamente ineficiente, mas também diretamente cara para os homens”, defendem.

Ler mais
Recomendadas

Saiba como poupar até 600 euros por ano em combustível

Com a liberalização dos preços de venda dos combustíveis, em 2004, os postos de abastecimento têm total liberdade para fixar os preços e, na mesma localidade, as diferenças entre postos podem ultrapassar os 25 cêntimos por litro.

Valor máximo do subsídio de desemprego sobe 16 euros em 2019 para 1.088 euros

O valor máximo do subsídio de desemprego vai aumentar 16 euros no próximo ano, para 1.088,3 euros, segundo cálculos com base na inflação de novembro publicada hoje pelo Instituto Nacional de Estatística.

Reprogramação do Portugal 2020 vai alavancar investimento de 7,3 mil milhões de euros

Desde 7 de dezembro, quando a Comissão Europeia aprovou a reprogramação do Portugal 2020, já foram aprovados concursos de 460 milhões de euros , que vão induzir um investimento de 1,2 mil milhões de euros.
Comentários