Desigualdade de genéro no mercado de trabalho é “economicamente ineficiente”, diz o FMI

Estudo publicado pelo FMI identifica dois mecanismos sobre género com impacto nos benefícios económicos: a diversidade de género e a realocação salarial.

A maior participação das mulheres no mercado laboral beneficia ambos os sexos, devido a um aumento dos salários dos homens em resultado de uma maior força de trabalho, conclui um estudo publicado pelo Fundo Monetário Internacional (FMI).

O estudo “Economic gains from gender inclusion: new mechanisms, new evidence”, divulgado pelo FMI esta terça-feira, dia 9, reconhece que “ainda que tenha existido progresso no aumento da participação feminina na força de trabalho (FLFP) nos últimos 20 anos”, o ritmo tem sido desigual e permanecem “grandes lacunas”.

Os autores Ostry, Alvarez, Espinoza e Papageorgiou consideram que uma diminuição da desigualdade de género na participação no mercado de trabalho “provavelmente irá gerar grandes benefícios económicos”.

Identificam assim dois mecanismos: a diversidade de género e a realocação salarial. No primeiro, sublinham que o beneficio da entrada das mulheres num ambiente laboral vai além do benefício resultante de ter mais trabalhadores.

“Essa hipótese encontra suporte nos dados – dados de macro entre países e dados no ao nível das empresas. Este artigo conclui que o trabalho masculino e feminino são complementares na produção”, explicam os autores, acrescentando que “os resultados também sugerem que os modelos padrão, que não diferenciam os géneros nas suas análises, subestimam o impacto favorável da inclusão de género no crescimento e atribuem erroneamente à tecnologia uma parte do crescimento que é realmente causado pela participação das mulheres”.

Relativamente à realocação setorial, identificam que “à medida que as famílias ficam mais ricas durante o processo de desenvolvimento económico, a procura por serviços aumenta e a mão-de-obra é realocada para o setor em crescimento”.

“Isto torna a discriminação contra as mulheres no mercado laboral não apenas economicamente ineficiente, mas também diretamente cara para os homens”, defendem.

Ler mais

Recomendadas

PS quer rever cobrança coerciva de dívidas não fiscais pela AT

O PS entregou hoje uma proposta de alteração ao Orçamento em que defende uma revisão da cobrança coerciva de dívidas de portagens e de outras dívidas não fiscais por parte da Autoridade Tributária e Aduaneira (AT).
ana_catarina_mendes_ps_legislativas

PS com disciplina de voto para fixar IVA da tauromaquia em 23%

A líder parlamentar do PS afirmou hoje que haverá disciplina de voto na sua bancada para concretizar o objetivo do Governo de fixar o IVA dos espetáculos tauromáquicos em 23% no Orçamento do Estado para 2020.

OE2020: Livre apresenta 32 alterações e diz que 11 têm “sinalização positiva” do Governo

A deputada única do Livre, Joacine Katar Moreira, anunciou hoje que 11 das 32 propostas de alteração que apresentou ao Orçamento do Estado receberam “sinalização positiva” por parte do Governo.
Comentários