Despedimentos coletivos caem 24,5% até junho e atingem 1.790 pessoas

Os processos registados na primeira metade do ano visavam despedir 1.925 trabalhadores mas o número dos despedidos ficou-se por 1.790, dos quais 906 mulheres e 884 homens, segundo a DGERT.

O número de trabalhadores abrangidos por despedimentos coletivos no primeiro semestre caiu 24,5% face ao mesmo período do ano passado, atingindo 1.790 pessoas, segundo a Direção-Geral do Emprego e das Relações do Trabalho (DGERT).

Porém, entre janeiro e junho deste ano registaram-se 170 empresas com processos de despedimentos coletivos, um número superior ao registado no período homólogo, em que ocorreram 161 processos.

Os processos registados na primeira metade do ano visavam despedir 1.925 trabalhadores mas o número dos despedidos ficou-se por 1.790, dos quais 906 mulheres e 884 homens. Os restantes 109 trabalhadores foram abrangidos por outras medidas, não especificadas, enquanto 26 viram o seu processo revogado.

A região de Lisboa e Vale do Tejo foi a que registou maior número de trabalhadores despedidos, com 792, seguida pelo Norte (706), Alentejo (162), Centro (87) e Algarve (43).

Os processos de despedimentos coletivos no primeiro semestre ocorreram sobretudo nas médias empresas (275 pessoas despedidas) e nas pequenas empresas (205), seguindo-se as microempresas (142) e as grandes empresas (74).

De acordo com a evolução publicada pela DGERT, o ano de 2012, em que Portugal estava sob a intervenção da ‘troika’, foi o que registou o valor mais alto de sempre, com 10.488 trabalhadores abrangidos por despedimentos coletivos.

Ler mais

Recomendadas

Portugueses recorrem cada vez mais ao crédito. 635 milhões em setembro

Os portugueses recorreram mais ao crédito no mês de setembro num total de 635 milhões de créditos contraídos. De acordo com uma nota publicada pelo Banco de Portugal esta sexta-feira, 15 de novembro, relativa à evolução dos novos créditos aos consumidores, os portugueses pediram um total de 295 milhões de euros em crédito pessoal, num […]
marcelo_rebelo_sousa_legislativas

Marcelo considera aumento do salário mínimo “razoável” e promulga hoje o diploma

O Presidente da República vai promulgar hoje o diploma que estabelece um aumento do salário mínimo nacional para 635 euros em 2020, que considera “uma solução razoável, a pensar na economia e na sociedade portuguesa”.

Carlos Costa: Instabilidade financeira iria “criar muitos problemas que alimentariam” populismos

Governador do Banco de Portugal voltou a apelar a uma vontade política decisiva para avançar com a conclusão da União Bancária e o desenvolvimento da União dos Mercados de Capitais, a fim de fortalecer a estabilidade da zona euro.
Comentários