Despedimentos coletivos caem 24,5% até junho e atingem 1.790 pessoas

Os processos registados na primeira metade do ano visavam despedir 1.925 trabalhadores mas o número dos despedidos ficou-se por 1.790, dos quais 906 mulheres e 884 homens, segundo a DGERT.

O número de trabalhadores abrangidos por despedimentos coletivos no primeiro semestre caiu 24,5% face ao mesmo período do ano passado, atingindo 1.790 pessoas, segundo a Direção-Geral do Emprego e das Relações do Trabalho (DGERT).

Porém, entre janeiro e junho deste ano registaram-se 170 empresas com processos de despedimentos coletivos, um número superior ao registado no período homólogo, em que ocorreram 161 processos.

Os processos registados na primeira metade do ano visavam despedir 1.925 trabalhadores mas o número dos despedidos ficou-se por 1.790, dos quais 906 mulheres e 884 homens. Os restantes 109 trabalhadores foram abrangidos por outras medidas, não especificadas, enquanto 26 viram o seu processo revogado.

A região de Lisboa e Vale do Tejo foi a que registou maior número de trabalhadores despedidos, com 792, seguida pelo Norte (706), Alentejo (162), Centro (87) e Algarve (43).

Os processos de despedimentos coletivos no primeiro semestre ocorreram sobretudo nas médias empresas (275 pessoas despedidas) e nas pequenas empresas (205), seguindo-se as microempresas (142) e as grandes empresas (74).

De acordo com a evolução publicada pela DGERT, o ano de 2012, em que Portugal estava sob a intervenção da ‘troika’, foi o que registou o valor mais alto de sempre, com 10.488 trabalhadores abrangidos por despedimentos coletivos.

Ler mais

Recomendadas

Agricultura de precisão é o caminho de futuro

Sensores de rega gota a gota, utilização de GPS, crescente informatização dos processos produtivos e de logística são as tendências do setor da agricultura em Portugal. Conheça os desafios e os projetos.

Goldman Sachs prevê contração da economia norte-americana em 4,6% este ano

Os economistas do banco reviram em baixa as estimativas para a evolução do PIB dos Estados Unidos. No entanto, melhoraram as previsões para a taxa de desemprego.

CFP afasta cenário de recuperação económica rápida

Em entrevista à ‘Antena 1’ e ‘Jornal de Negócios’, Nazaré da Costa Cabral voltou ainda a falar sobre o Orçamento Suplementar:“Há aqui uma perspetiva de subestimação da queda do produto e de certas das suas componentes que podem comprometer a cobrança de receita fiscal”.
Comentários