Despedimentos coletivos caem 24,5% até junho e atingem 1.790 pessoas

Os processos registados na primeira metade do ano visavam despedir 1.925 trabalhadores mas o número dos despedidos ficou-se por 1.790, dos quais 906 mulheres e 884 homens, segundo a DGERT.

O número de trabalhadores abrangidos por despedimentos coletivos no primeiro semestre caiu 24,5% face ao mesmo período do ano passado, atingindo 1.790 pessoas, segundo a Direção-Geral do Emprego e das Relações do Trabalho (DGERT).

Porém, entre janeiro e junho deste ano registaram-se 170 empresas com processos de despedimentos coletivos, um número superior ao registado no período homólogo, em que ocorreram 161 processos.

Os processos registados na primeira metade do ano visavam despedir 1.925 trabalhadores mas o número dos despedidos ficou-se por 1.790, dos quais 906 mulheres e 884 homens. Os restantes 109 trabalhadores foram abrangidos por outras medidas, não especificadas, enquanto 26 viram o seu processo revogado.

A região de Lisboa e Vale do Tejo foi a que registou maior número de trabalhadores despedidos, com 792, seguida pelo Norte (706), Alentejo (162), Centro (87) e Algarve (43).

Os processos de despedimentos coletivos no primeiro semestre ocorreram sobretudo nas médias empresas (275 pessoas despedidas) e nas pequenas empresas (205), seguindo-se as microempresas (142) e as grandes empresas (74).

De acordo com a evolução publicada pela DGERT, o ano de 2012, em que Portugal estava sob a intervenção da ‘troika’, foi o que registou o valor mais alto de sempre, com 10.488 trabalhadores abrangidos por despedimentos coletivos.

Ler mais
Recomendadas

Leitores internacionais da Time Out não têm dúvidas: Bairro lisboeta de Arroios é o mais cool do mundo

A freguesia de Arroios, localizada na zona da Avenida Almirante Reis em Lisboa, superou bairros em Berlim, Lons Angeles, Nova Iorque, Tóquio ou Madrid.

Défice externo agrava-se para 1.633 milhões de euros até julho

O défice da balança de bens aumentou 2028 milhões de euros e o excedente da balança de serviços diminuiu 137 milhões de euros até julho, explica o Banco de Portugal.

“Universidade com 700 anos quer banir um alimento com milhares de anos? Incompreensível”. Produtores de leite revoltados com Universidade de Coimbra

A organização explica que a carne não é o principal produto das vacarias e que a venda ou engorda dos vitelos machos e das vacas após o fim da vida produtiva “é um complemento fundamental, quando o preço do leite está abaixo do custo de produção”.
Comentários