Detido o maior distribuidor ilegal de carne de cavalo da Europa cuja rede abrangia Portugal

Jan Fasen, holandês de 68 anos, foi detido ontem pela Guardia Civil em Calpe, Espanha, após um mandato de detenção europeu emitido pela França. Entre acusações de tráfico da carne de equídeo, é também acusado de enganar compradores, ao dizer que vendia carne de novilho, quando era na verdade carne de cavalo. Segundo noticia o […]

Jan Fasen, holandês de 68 anos, foi detido ontem pela Guardia Civil em Calpe, Espanha, após um mandato de detenção europeu emitido pela França. Entre acusações de tráfico da carne de equídeo, é também acusado de enganar compradores, ao dizer que vendia carne de novilho, quando era na verdade carne de cavalo.

Segundo noticia o jornal El Mundo, o holandês já era procurado há algum tempo pelas autoridades francesas onde ainda tem uma pena de 22 meses por cumprir, na sequência do escândalo que envolveu lasanhas adulteradas: eram vendidas como contendo carne de novilho, mas o seu conteúdo continha carne de cavalo.

A operação comercial dirigida por Jan Fasen, incluía a distribuição de carne de cavalo um pouco por toda a Europa, com sede na Bélgica. Portugal era um dos destinos, que também incluía França, Roménia, Holanda e Itália.

Em 2017 após a Interpol lançar uma megaoperação denominada “gazel”, apurou-se que a carne que Jasen vendia representava um perigo para a saúde pública.

O modo como obtinha a carne era feito através de matadouros legais, mas os animais chegavam sem nenhum tipo de documentação, sendo na maioria das vezes raças destinadas ao lazer e não ao consumo humano, segundo apurou o El Mundo.

O holandês encontra-se neste momento detido à espera de julgamento, mas apesar de ter sido França a emitir o mandato da sua captura, Jan Fasen também será julgado pelas entidades judiciais de todos os países envolvidos nesta rede de tráfico.

Recomendadas

Juiz rejeita pedido da defesa de Ricardo Salgado para levantar cauções de três milhões de euros

Os advogados do ex-banqueiro exigiam a devolução das cauções prestadas no valor de três mil milhões de euros e, adicionalmente, também pediram que fossem levantados os 10,7 milhões de euros apreendidos nas contas bancárias na Suíça e outros bens.

ERSE. Tribunal condena Goldenergy a pagar multa no valor de 40 mil euros

Tribunal da Relação de Lisboa e o Tribunal da Concorrência, Regulação e Supervisão confirmaram a decisão da Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE) por multar a Goldenergy por não dispor de um sistema de atendimento telefónico eficaz entre 2014 e 2015.
luís_menezes_leitão_bastonário_ordem_advogados

Advogados elogiam pedido de constitucionalidade da lei que obriga denúncias de evasão fiscal

A Provedora de Justiça pediu ao Tribunal Constitucional a 15 de setembro que fiscalize a lei publicada a 21 de julho de 2020 que transpôs uma diretiva europeia, estabelecendo a obrigação de comunicação à AT a de determinados mecanismos internos ou transfronteiriços com relevância fiscal.
Comentários