Deutsche Bank, Bankinter e Banco CTT lideram reclamações apresentadas ao Banco de Portugal

O Deutsche Bank foi a instituição de crédito com mais reclamações nas contas de depósito à ordem, enquanto o Bankinter foi líder nas reclamações relativas ao crédito ao consumo e o Banco CTT no caso das reclamações por causa do crédito à habitação.

Cristina Bernardo

O Deutsche Bank, o Bankinter e o Banco CTT foram os bancos mais reclamados pelos clientes bancários ao Banco de Portugal (BdP) nos primeiros seis meses deste ano, segundo a Sinopse de Atividades de Supervisão Comportamental do banco central relativo ao primeiro semestre de 2019, divulgado esta quarta-feira.

O supervisor apresentou o número de reclamações por cada mil contratos financeiros, tendo a média do sistema sido calculada por cada cem mil contratos.

Deutsche Bank foi a instituição de crédito com mais reclamações nos depósitos à ordem

Nas contas de depósito à ordem, foram apresentadas no BdP 0,33 reclamações por cada mil contas de depósito à ordem abertas no Deutsche Bank, ou 33 reclamações por cada cem mil contas, mais de duas vezes superior à media do sistema, que é de 14 reclamações por cada cem mil contas.

Empatados no segundo lugar das instituições de crédito com mais reclamações relativas às contas de depósito à foram o Banco CTT e o ActivoBank, com 0,26 reclamações por cada mil contas, em ambos os casos – 26 reclamações por cada cem mil contas.

Em terceiro lugar surgem o BPI e o Santander Totta, com 0,18 reclamações por cada mil contas de depósito à ordem abertas.

Foram ainda reclamadas junto do supervisor em virtude de contas de depósito, por esta ordem, o Novo Banco, o BBVA, o Bankinter, o BIC, o Abanca, a CGD, o BCP, o BiG, o Banco Montepio, o Banco Best e as Caixas de Crédito Agrícola de Mútuo integradas no SICAM.

O supervisor recebeu ainda mais reclamações de outras instituições de crédito. Mas, por terem sido em número inferior às das instituições de crédito já mencionadas não foram incluídas no relatório do Banco de Portugal. Neste âmbito incluem-se as reclamações apresentadas pelos clientes do Banco Carregosa, do Banco Atlântico Europa, do BNI, da Caixa de Crédito Agrícola de Mútuo de Leiria e do Novo Banco dos Açores.

Bankinter é o mais reclamado no crédito ao consumo

Por cada mil contratos de financiamento ao consumo, o supervisor recebeu 1,81 reclamações do Bankinter.

O mesmo é dizer que, por cada cem mil, o supervisor recebeu 181 reclamações de consumidores que se financiaram junto do banco dos correios, dez vezes mais do que a média do sistema, fixada em 18 reclamações por cada cem mil contratos de crédito ao consumo.

A segunda instituição de crédito mais reclamada no crédito ao consumo foi a Caixa Leasing e Factoring, com 1,56 reclamações por cada mil contratos de financiamento, ou 156 reclamações por cada cem mil. O BIC foi a terceira instituição de crédito mais reclamada, com 1,41 reclamações por cada mil contratos de financiamento, ou 141 reclamações por cada cem mil contratos.

Foram ainda reclamadas junto do supervisor no âmbito do crédito ao consumo, por esta ordem, o Deutsche Bank, a sucursal em Portugal do Volkswagen Bank, o Montepio Crédito, a 321 Crédito (comprada pelo Banco CTT), o Wizink Bank, o Banco Santander Consumer, a sucursal portuguesa da RCI Banque, o ActivoBank, o BPI, o BBVA – Instituição de Crédito, o Abanca, a Unicre, o Bankinter, o Novo Banco, a Cofidis, o Banco Credibom, o BBVA, a Financeira El Corte Inglés Portugal, o Santander Totta, a CGD, o Banco Montepio, o BCP, a sucursal em Portugal do Oney Bank, o BNP Paribas Personal Finance e as Caixas de Crédito Agrícola de Mútuo Integradas no SICAM.

Não foram incluídas no relatório as reclamações apresentadas pelos clientes da sucursal em Portugal do Abanca Corporación Bancária, do Efisa, do Finantia, do Banco Invest, do Banco Best, do BNI, da FCA Capital, do FCE Bank, da Mercedes-Benz Financial Services Portugal, do Montepio Investimento e do Novo Banco dos Açores.

Banco CTT é o mais reclamado no crédito à habitação

Os clientes que procuraram financiamento para comprar casa com o Banco CTT foram os que mais reclamaram junto do banco central.

Por cada mil contratos de crédito à habitação, 2,82 tiveram o ‘selo’ do banco dos correios, ou 282 reclamações por cada cem mil contratos, muito acima acima da média do sistema, fixada em 46 reclamações por cada cem mil contratos.

O Deutsche Bank surge no segundo lugar do pódio, com 0,99 reclamações por cada mil contratos de financiamento para a compra de habitação, seguindo-se o Bankinter e o Santander Totta empatados no terceiro lugar, com 0,65 reclamações por cada mil contratos de crédito à habitação.

O BdP discriminou ainda mais dez instituições de crédito reclamadas, por esta ordem: a Union de Créditos Inmobililiarios, o BIC, o Novo Banco, o Banco Montepio, o Abanca, a CGD, o BCP, o BBVA, as Caixas de Crédito de Mútuo Integradas no SICAM e o BPI.

Em sentido contrário, o supervisor bancário não discriminou duas instituições de crédito que, ainda assim, foram objeto de reclamação. São elas a Caixa Leasing e Factoring e o Novo Banco dos Açores.

Ler mais
Relacionadas

Clientes bancários reclamaram 1.337 vezes por mês ao Banco de Portugal

O número de reclamações apresentadas ao Banco de Portugal aumentaram no primeiro semestre de 2019. Mais de um terço das reclamações apresentadas pelos clientes bancários ao regulador disseram respeito a contas de depósito, seguindo-se as queixas relativas ao crédito ao consumo e ao crédito à habitação e hipotecário.

Há 4.572 intermediários de crédito autorizados pelo Banco de Portugal

A maioria dos intermediários de crédito atuam no comércio, manutenção e reparação de automóveis e motociclos e cerca de um quinto atua no imobiliário.
Recomendadas

Banco de Portugal salienta que as moratórias públicas ou privadas devem ser tratadas da mesma forma

O Banco de Portugal destaca que a segundo esclareceu a EBA, as moratórias, de iniciativa pública ou privada, devem ser tratadas da mesma forma, desde que tenham um propósito e caraterísticas semelhantes. “A EBA definirá, em breve, quais os critérios a observar para o efeito”, diz a entidade de supervisão.

BPI alarga moratórias para famílias e empresas com carência de capital entre seis a doze meses

A partir de segunda-feira, os clientes que estejam em situação regular com o BPI poderão beneficiar do alargamento do regime da moratória publica junto do banco, que prevê dar carências de capital entre seis e doze meses.

Vírus atrasa auditoria ao Novo Banco

A conclusão da auditoria da Deloitte deverá derrapar para lá de 31 de maio.
Comentários