DGS diz que ainda não há data para ginásios reabrirem

Ainda não existe uma data para os 700 mil utilizadores dos mais de mil ginásios em Portugal voltarem a treinar, disse hoje Graça Freitas depois da reunião que a DGS manteve na terça-feira com a associação que representa ginásios.

Miguel A. Lopes/Pool/Lusa

A Direção-Geral da Saúde (DGS) adiantou hoje que ainda não existe nenhuma data para os ginásios poderem reabrir em Portugal.

“Concretamente em relação à data não posso adiantar nada”, disse hoje a diretora-geral da Saúde.

“Vamos trabalhar com as associações do setor, vamos fazer o nosso melhor para que as regras se possam cumprir e para que os utilizadores de ginásios e academias possam voltar a fazer a sua atividade seguros e protegendo a sua saúde”, afirmou Graça Freitas.

A Associação de Ginásios e Academias de Portugal (AGAP) reuniu-se na terça-feira com a DGS e com a secretaria de Estado do Desporto para debater possíveis datas de reabertura e com que condições. A associação defendia a data de 1 de junho para os ginásios voltarem a abrir, mas da reunião ainda não saiu nenhuma data.

O presidente da AGAP, José Carlos Reis, disse ao JE, antes da reunião, que “tudo será diferente” nos ginásios no futuro devido ao uso de desinfetantes e álcool gel para as mãos, com a possibilidade de “haver limitações” para que as “pessoas não possam estar mais do que X tempo no clube, que haja limitações no numero de pessoas dentro dos clubes e do número de vezes por semana”.

José Carlos Reis também apontou que o não uso de balneários poderá ser uma hipótese para os clubes numa primeira fase de abertura, tal como já está a acontecer para as aulas de ténis e para o padel.

Questionado sobre a possibilidade de usar máscara, o presidente da AGAP afastou essa hipótese. “O exercício com máscara não é possível porque é extremamente perigoso. As pessoas que estão o dia inteiro a trabalhar paradas com máscara, ao fim do dia tem dores de cabeça, hipoxia, porque não têm o oxigénio suficiente e tem uma grande acumulação de dióxido de carbono. Fazer exercício com máscara não é possível, seria contraproducente para a saúde das pessoas”.

A AGAP representa 1.100 dos 1.300 ginásios existentes em Portugal, incluindo cadeias como a Fitness Hut, Solinca, Holmes Place, Fitness Factory ou Pump.

 

Ginásios reúnem-se hoje com Governo e DGS. Objetivo é reabrir a 1 de junho

 

Ler mais
Relacionadas

Ginásios reúnem-se hoje com Governo e DGS. Objetivo é reabrir a 1 de junho

A associação que representa os ginásios reúne-se hoje com o Governo e autoridades de saúde para debater a reabertura. Balneários fechados, horários limitados e diferenciados, e o uso de álcool gel e desinfetantes, poderão ser a nova realidade dos ginásios por uns tempos. A AGAP alerta que o uso de máscara durante a prática desportiva tem riscos para a saúde.

Covid-19. Portugal com 1.263 mortes e 29.660 casos confirmados

Os dados divulgados pela Direção-Geral da Saúde (DGS) indicam a existência de 29.660 casos confirmados e 1.263 mortes. O número de casos recuperados em Portugal aumentou para 6.452.

Governo diz que ainda não há data de abertura para bares, discotecas e ginásios

Primeiro-ministro admitiu hoje que bares e discotecas poderão não reabrir durante o verão. Sobre os ginásios, diz que o Governo está em conversações com o setor para implementar medidas sanitárias de forma a permitir a reabertura.
Recomendadas

Portugal em 7º lugar no indicador global de literacia financeira, segundo a OCDE

Portugal, através do Ministério da Educação, participou pela primeira vez, em 2018, no exercício de avaliação de literacia financeira do Programme for International Student Assessment (PISA), cujos resultados foram divulgados no passado dia 7 de maio.

80,6 mil milhões de euros. Mark Zuckerberg já é mais rico que Warren Buffett

O ‘Business Insider’ explica que a subida de Zuckerberg se deveu aos resultados inesperados da plataforma e ao aumento do número de utilizadores durante o primeiro trimestre de 2020.

António Saraiva: “Empresas precisam de apoios a fundo perdido. Não querem agravar dívida”

O barómetro semanal CIP/ISCTE revela que 82,2% das empresas preferem apoios para capitalização que não agravem o seu endividamento e 41,7% dizem que querem suspender ou cancelar investimentos previstos para 2020. O presidente da CIP, António Saraiva diz que as necessidades das linhas de apoio às empresas aumentaram para 10,5 mil milhões de euros.
Comentários