DGS diz que ainda não há data para ginásios reabrirem

Ainda não existe uma data para os 700 mil utilizadores dos mais de mil ginásios em Portugal voltarem a treinar, disse hoje Graça Freitas depois da reunião que a DGS manteve na terça-feira com a associação que representa ginásios.

Miguel A. Lopes/Pool/Lusa

A Direção-Geral da Saúde (DGS) adiantou hoje que ainda não existe nenhuma data para os ginásios poderem reabrir em Portugal.

“Concretamente em relação à data não posso adiantar nada”, disse hoje a diretora-geral da Saúde.

“Vamos trabalhar com as associações do setor, vamos fazer o nosso melhor para que as regras se possam cumprir e para que os utilizadores de ginásios e academias possam voltar a fazer a sua atividade seguros e protegendo a sua saúde”, afirmou Graça Freitas.

A Associação de Ginásios e Academias de Portugal (AGAP) reuniu-se na terça-feira com a DGS e com a secretaria de Estado do Desporto para debater possíveis datas de reabertura e com que condições. A associação defendia a data de 1 de junho para os ginásios voltarem a abrir, mas da reunião ainda não saiu nenhuma data.

O presidente da AGAP, José Carlos Reis, disse ao JE, antes da reunião, que “tudo será diferente” nos ginásios no futuro devido ao uso de desinfetantes e álcool gel para as mãos, com a possibilidade de “haver limitações” para que as “pessoas não possam estar mais do que X tempo no clube, que haja limitações no numero de pessoas dentro dos clubes e do número de vezes por semana”.

José Carlos Reis também apontou que o não uso de balneários poderá ser uma hipótese para os clubes numa primeira fase de abertura, tal como já está a acontecer para as aulas de ténis e para o padel.

Questionado sobre a possibilidade de usar máscara, o presidente da AGAP afastou essa hipótese. “O exercício com máscara não é possível porque é extremamente perigoso. As pessoas que estão o dia inteiro a trabalhar paradas com máscara, ao fim do dia tem dores de cabeça, hipoxia, porque não têm o oxigénio suficiente e tem uma grande acumulação de dióxido de carbono. Fazer exercício com máscara não é possível, seria contraproducente para a saúde das pessoas”.

A AGAP representa 1.100 dos 1.300 ginásios existentes em Portugal, incluindo cadeias como a Fitness Hut, Solinca, Holmes Place, Fitness Factory ou Pump.

 

Ginásios reúnem-se hoje com Governo e DGS. Objetivo é reabrir a 1 de junho

 

Relacionadas

Ginásios reúnem-se hoje com Governo e DGS. Objetivo é reabrir a 1 de junho

A associação que representa os ginásios reúne-se hoje com o Governo e autoridades de saúde para debater a reabertura. Balneários fechados, horários limitados e diferenciados, e o uso de álcool gel e desinfetantes, poderão ser a nova realidade dos ginásios por uns tempos. A AGAP alerta que o uso de máscara durante a prática desportiva tem riscos para a saúde.

Covid-19. Portugal com 1.263 mortes e 29.660 casos confirmados

Os dados divulgados pela Direção-Geral da Saúde (DGS) indicam a existência de 29.660 casos confirmados e 1.263 mortes. O número de casos recuperados em Portugal aumentou para 6.452.

Governo diz que ainda não há data de abertura para bares, discotecas e ginásios

Primeiro-ministro admitiu hoje que bares e discotecas poderão não reabrir durante o verão. Sobre os ginásios, diz que o Governo está em conversações com o setor para implementar medidas sanitárias de forma a permitir a reabertura.
Recomendadas

Movimento nos aeroportos portugueses sobe 2,3% até setembro para 15,2 milhões de passageiros

O número de passageiros que passou pelos aeroportos portugueses aumentou, em termos homólogos, em 2,3%, para 15,2 milhões até setembro, adiantou em comunicado a Vinci, que detém a ANA – Aeroportos de Portugal.

Matos Fernandes descarta medidas adicionais para atenuar subida dos preços da energia

O Ministro do Ambiente e Ação Climática, João Pedro Matos Fernandes, disse esta sexta-feira que “não vai haver necessidade” de falar de medidas adicionais para atenuar a subida dos preços da eletricidade “nos meses mais próximos”.

Galp: “Evento na Unidade de Destilação Atmosférica de Sines” não teve impacto no abastecimento do mercado português

“Seguindo os protocolos de segurança, a Empresa parou a operação da DAT que, após o seu arranque, é esperado que opere com taxas de utilização mais reduzidas durante algumas semanas”, anuncia a Galp.
Comentários