Dia Mundial da Poupança: seis razões para investir na sua educação financeira

O BiG – Banco de Investimento Global explica porque é que investir nesta matéria pode ser determinante para aumentar a independência financeira dos portugueses, que continuam a reconhecer baixos níveis de literacia.

A educação financeira é um campo descurado pelos portugueses, apesar da importância que tem no momento de fazer escolhas económicas e financeiras ao longo da vida, na perspetiva do BiG – Banco de Investimento Global. No mais recente estudo do Observador Cetelem sobre os conhecimentos dos portugueses, apenas 42% dos inquiridos consideram ter um bom nível de literacia financeira e 17% admite saber pouco sobre o assunto.

O BiG considera inquietante particularmente os dados que indicam que as mulheres são em média financeiramente menos instruídas, bem como que tanto jovens como idosos são mais afetados pela iliteracia financeira. O banco delineou, por isso, seis razões para investir na educação financeira e aumentar a independência financeira.

1. Há cada vez mais produtos ou alternativas financeiras

“O desenvolvimento económico e tecnológico tem feito com que surjam constantemente novos e por vezes mais complexos produtos financeiros. A literacia financeira dos consumidores deveria acompanhar este desenvolvimento – só assim será possível garantir que as escolhas feitas são as mais adequadas e conscientes. Saber o que é melhor para si em matéria financeira não é apenas um assunto para os especialistas que o procuram aconselhar”, diz o BiG.

2. Quanto mais cedo começar a poupar, mais preserva recursos para consumo futuro

O banco de investimento lembra que poupar é o primeiro passo para a segurança financeira. Tal pode ser feito com o objetivo para ter um fundo de maneio em caso de necessidade a curto ou médio prazo, mas também para assegurar futuro mais confortável. “As suas finanças pessoais agradecem esta disciplina. É fundamental procurar exercitar a poupança o mais cedo possível na nossa vida”, refere.

3. Conseguirá planear um futuro sustentável

Apesar de reconhecer a dificuldade de um aforrador preocupar-se com a reforma quando esta está ainda distante, mas o BiG considera que esta devia ser uma prioridade. “Estar ciente de que poupar não basta é crucial para ponderar dar um segundo passo e colocar o seu dinheiro a trabalhar para si, para garantir uma reforma financeiramente mais confortável”, alerta.

4. Saberá definir com os especialistas o melhor plano de investimentos para si

O que não faltam são opções de rentabilização para o dinheiro, mas nem todas as estratégias de investimento se adequam a todas as pessoas. O BiG sublinha que cada indivíduo tem os próprios horizontes temporais, objetivos e tolerância ao risco. É, por isso, fulcral não depender apenas do conhecimento do consultor de investimento quanto planeia a gestão do património.

5. Ficará mais descansado e confiante

“Ninguém está mais preocupado que você com o destino do seu dinheiro. Para que consiga dormir sobre o assunto, é importante que tenha a consciência de que todas as decisões financeiras são inteligentes – e suas. A educação financeira dá-lhe a independência necessária que isto aconteça”, afirma o banco de investimento.

6. É um investimento para a vida

Por último, o BiG sublinha que a educação financeira é um investimento que traz dividendos durante o resto da vida, uma vez que o aforrador aprenderá a fazer escolhas acertadas e ponderadas de acordo com ciclo de vida e partilhará o conhecimento com as gerações vindouras, passando a ser também nesse campo um exemplo a seguir.

Ler mais
Recomendadas

Conheça a chave vencedora do Euromilhões

Em jogo está um prémio no valor de 91 milhões de euros.

Saiu de casa e não desligou o computador? Pode fazê-lo remotamente

Com o Unified Remote pode usar o seu smartphone ou tablet para encerrar o computador mesmo que esteja no outro lado do mundo.

Mais de 10 anos após primeiras reivindicações ainda não há lei das tatuagens, alerta Deco

Nas visitas realizadas pela nossa equipa da revista PROTESTE a estúdios de tatuagens verificou-se que tatuar a pele de um menor sem a autorização dos pais não levanta qualquer constrangimento a muitos profissionais.
Comentários