Vendas da dona do Minipreço descem 5% em Portugal

Na operação em Portugal as vendas líquidas caíram -4,2% para 296,3 milhões num ano. “Foram afetadas por restrições nos horários de abertura de lojas e uma base de lojas 12,1% menor relativamente ao mesmo período de 2020”, diz o grupo espanhol.

Os números do primeiro semestre do grupo de retalho alimentar DIA revelam uma melhoria nos resultados negativos e uma quebra nas vendas.

O crescimento de vendas comparáveis Like-for-Like foi negativo no primeiro semestre em -5,0%, o que compara com uma evolução positiva de 8,7% no primeiro semestre de 2020.

As vendas líquidas caíram 9,1% na comparação anual de 3.515,2 milhões para 3.193,7 milhões de euros.

Na operação em Portugal as Vendas Líquidas caíram -4,2% para 296,3 milhões num ano.

“As vendas líquidas foram afetadas por restrições nos horários de abertura de lojas e uma base de lojas 12,1% menor relativamente ao mesmo período de 2020. O semestre foi afetado ainda por uma base comparativa excecional do primeiro semestre de 2020. O EBITDA Ajustado reduziu-se em 30 pontos básicos afetado pela queda do volume de vendas e maiores gastos de manutenção e abastecimento”, explica a cadeia alimentar liderada por Stephan DuCharme.

Em Portugal as vendas comparáveis caíram -5,3%, quando no primeiro semestre de 2020 tinham crescido 9,3%.

Ainda assim os prejuízos do grupo DIA caíram 44,2% de 187,7 milhões para 104,8 milhões num ano.

As melhorias operativas e de contenção de gastos situam a margem EBITDA Ajustado em 1,5% e reduzem em 44% as perdas do semestre.

A comparação de vendas interanual foi afetada pelas compras extraordinárias de abastecimento provocadas pela Covid-19 no segundo trimestre de 2020

DIA dá por concluído o seu processo de capitalização e refinanciamento global

Em termos proforma a Dívida Financeira Líquida pós aumento de capital caiu 934 milhões para 342,6 milhões de euros em junho deste ano. O proforma é o Calculado como Total Dívida Financeira Líquida a 30 de junho de 2021 menos 1.027,8 milhões de euros derivados do aumento de capital.

“Graças ao êxito do aumento de capital e ao refinanciamento da dívida completados nos meses de agosto e setembro, respetivamente, o endividamento líquido foi reduzido em 1.028 milhões de euros, estabelecendo uma estrutura de capital sustentável a longo prazo”, diz o grupo.

No dia 4 de agosto de 2021, a empresa anunciava a subscrição completa do aumento de capital no montante de 1.028 milhões de euros, tendo obtido uma procura de 1,67 vezes das novas ações oferecidas na tranche em dinheiro que ascendia a 259 milhões de euros. Os restantes 769 milhões de euros resultaram da conversão em capital da dívida nas mãos do acionista maioritário Letterone. A admissão a negociação das novas ações foi efetivada no passado dia 13 de agosto de 2021, mantendo-se um free float de 22,3% após o aumento de capital.

No dia 2 de setembro de 2021 “foram satisfeitas com êxito todas as condições suspensivas necessárias para a eficácia e fecho final da operação global de capitalização e refinanciamento anunciadas pela empresa no passado mês de março, o que pressupõe a redução do endividamento financeiro líquido da companhia em cerca de 75% e a extensão dos seus vencimentos de dívida para os anos 2025 e 2026”.

“Esta operação global representa o maior marco financeiro conquistado pela empresa nos últimos dois anos, estabelece uma sólida estrutura de capital de longo prazo e proporciona à empresa liquidez adicional para dar continuidade ao seu profundo processo de transformação”, refere o comunicado do DIA.

O Presidente Executivo da DIA, Stephan DuCharme, considera que “a conclusão do acordo global em redor da estrutura de capital e refinanciamento do Grupo DIA representa um marco estratégico para a empresa e o culminar de um complexo processo de melhoria da sua estrutura de capital que apoiará a aceleração da transformação do negócio e os planos de crescimento do Grupo”.

“Queremos continuar a trabalhar ao lado de todos os parceiros financeiros do Grupo para alcançarmos o nosso objetivo estratégico de fazer do Grupo DIA a escolha preferencial de compra de proximidade e um operador líder na distribuição alimentar nas geografias onde operamos”, acrescenta.

O Grupo DIA esta a implementar de forma sistemática o seu plano estratégico anunciado em maio de 2020 “através de uma série de iniciativas de amplo alcance, tanto comerciais e operacionais, como no âmbito da franquia e da tecnologia nas 4 áreas geográficas”.

“Tudo sob uma liderança de primeiro nível, relações a longo prazo todos os nossos stakeholders, baseadas na confiança e numa cultura focada nos resultados. O plano estratégico põe o cliente no centro de tudo o que fazemos e tem como objetivo resultados sustentáveis a longo prazo para todos os stakeholders”, diz o CEO.

 

 

Recomendadas

Sonae admite ser “inevitável” aumento de custos devido à subida do preço dos combustíveis

O responsável pela Sonae MC falava aos jornalistas à margem da inauguração do novo edifício do Centro de Distribuição da Sonae MC, hoje, na Azambuja, que contou com a presença do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, sendo o maior entreposto refrigerado em Portugal.

Mercadona abriu hoje supermercado de Leça da Palmeira

A empresa prevê abrir ainda este ano quatro novos supermercados em Portugal. A próxima abertura está prevista para o dia 26 de outubro em Vila do Conde. 

Zomato lança serviço de entregas em parceria com os CTT

A parceria quer ainda completar a experiência do utilizador “a 100%”, juntando a opção de ‘delivery’ às funcionalidades já oferecidas, tendo os utilizadores de realizar o download de uma nova aplicação para estes pedidos e também para o ‘takeaway’.
Comentários