Dieselgate: Ação judicial coletiva contra a Volkswagen começou na Alemanha

A segunda audiência realiza-se a 18 de novembro, mas o processo deverá prolongar-se durante vários anos.

A primeira ação judicial coletiva na Europa contra a Volkswagen pelo software fraudulento que manipulava as emissões poluentes dos seus automóveis a gasóleo decorre esta segunda-feira, na Alemanha. A audiência começa às 10h00 (hora local) no tribunal regional de Brunsvique, a cerca de 30 quilómetros de distância da sede histórica de Volkswagen em Wolfsburg, na região da Baixa Saxónia.

A ação é liderada pela Associação Alemã de Organizações de Consumidores (VZBV) e pelo Clube de Automobilistas da Alemanha e visa provar que os proprietários dos veículos afetados viram os carros desvalorizarem por causa do designado ‘Dieselgate’, pelo que exigem, agora, uma indemnização. Isto porque, ao contrário dos Estados Unidos, onde o grupo alemão compensou os clientes, na Europa não houve lugar a qualquer compensação, exceto em alguns casos julgados avulso.

Há 469 mil condutores inscritos nesta ação coletiva que foi a julgamento na Alemanha. A segunda audiência coletiva realiza-se já no próximo mês, a 18 de novembro, mas o processo deverá prolongar-se durante vários anos. Ainda assim, o presidente da VZBV mostrou-se otimista em relação ao desfecho do caso, assegurando que é “possível” que o dinheiro chege rapidamente.

Já a Volkswagem vai contrapor com um estudo da consultora Deloitte que aponta que os modelos afetados não desvalorizaram depois de o escândalo ter sido divulgado em setembro de 2015, mas só a partir do terceiro trimestre de 2017, após ter sido noticiado a possível circulação de alguns carros a gasóleo na Alemanha.

Em Portugal houve cerca de 125 mil automóveis do grupo Volkswagen afetados (de um total de oito milhões na Europa e 11 milhões a nível global). Em outubro de 2016, a Associação Portuguesa de Defesa do Consumidor (Deco) avançou com uma ação coletiva contra a Volkswagen Portugal e outras empresas do grupo, que, mais tarde, opuseram-se ao caso.

Recomendadas

Setor de comércio e serviços pede prolongamento do layoff e perdão de rendas

A CCP também aponta que a exigência de certidões de não dívida não faz sentido neste momento em que as empresas enfrentam dificuldades, defendendo que deixe de constituir condição para a “candidatura a qualquer concurso público”.

CFP alerta para impacto “desconhecido” no capital do Novo Banco da litigância com o Fundo de Resolução

No relatório “Perspetivas económicas e orçamentais 2020-2022”, o CFP diz que “existe um risco adicional para as finanças públicas caso o rácio de capital total do Novo Banco se situe abaixo do requisito estabelecido pelas autoridades de supervisão”. Nesta situação, o Estado Português poderá ter de disponibilizar fundos adicionais de forma a que o banco cumpra os requisitos regulatórios. É a chamada Capital Backstop que foi autorizada por Bruxelas para casos “extremos”. O CFP alerta para incógnita sobre o impacto no capital do banco do diferendo na contabilização das IFRS 9.

Extensão das moratórias até 31 de março de 2021 vai hoje a Conselho de Ministros

Proposta das Finanças prevê extensão das moratórias públicas até março de 2021 e o alargar os créditos que poderão beneficiar do regime, como créditos para segunda casa e crédito ao consumo para financiar educação.
Comentários