Diogo Pereira Duarte reforça equipa de Direito Financeiro da Abreu Advogados

Abreu Advogados aposta no reforço da área de Bancário e Financeiro, e no setor da FinTech, com integração de novo sócio contratado.

A Abreu Advogados anunciou a integração de um novo sócio contratado, Diogo Pereira Duarte, para reforçar a equipa de Direito Financeiro, uma das principais áreas de prática do escritório.

Esta integração do mais recente advogado da Abreu irá contribuir para a afirmação e consolidação da equipa na assessoria jurídica nas áreas tradicionais da banca e mercado de capitais, e no setor em expansão da FinTech, uma vez que Diogo Pereira Duarte tem uma experiência de vários anos como Chief Legal Officer de um dos mais reputados bancos de investimento, inovador em Portugal pelas suas soluções tecnológicas, e do seu grupo internacional.

Diogo Pereira Duarte presta assessoria jurídica em todos os aspetos regulatórios e de governo interno dos agentes do mercado financeiro — quer instituições de crédito tradicionais, quer novos agentes (FinTechs) —, em intermediação financeira e distribuição de seguros ligados a fundos de investimento (unit-linked), tendo-se especializado no enquadramento legal da utilização de tecnologia para a prestação de serviços financeiros, designadamente: onboarding digital; open banking e inovação nos serviços de pagamentos; plataformas de negociação e distribuição de instrumentos financeiros; robo-advisory; WealthTech; RegTech, entre outros. Presta ainda assessoria no ciclo de financiamento de start-ups financeiras, seja no âmbito do capital de risco ou de outras formas alternativas de financiamento online (crowdfunding e STOs).

Diogo Pereira Duarte é doutorado em Ciências Jurídicas pela Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa e Professor de Direito Civil e Direito Financeiro, onde tem a coordenação dos cursos de FinTech e de Direito da Proteção de Dados. Faz ainda parte da comunidade de peritos da Portugal FinTech e do Governance Lab.

Recomendadas

Especialistas defendem que união fiscal é chave para a união política europeia

No Webinar “O futuro da União Europeia”, uma iniciativa da Antas da Cunha ECIJA, Ana Gomes defendeu que “as questões da fiscalidade têm de passar a ser assumidas como uma questão europeia. A questão de recursos próprios europeus que dependem de impostos europeus, que não sejam o IVA — temos 50 mil milhões de euros de receitas de IVA por ano a financiarem organizações mafiosas e terroristas”, é importante.

Futuro da Europa vai estar em debate na segunda-feira

Ana Gomes, Isabel Meireles, Pedro Madeira Froufe e Daniela Guimarães vão debater o futuro do projeto europeu, dado o atual momento de incerteza.

Direito dos consumidores a reembolsos por parte das transportadoras aéreas em tempos de pandemia

O objetivo da legislação europeia de permitir uma abordagem coordenada a nível da União acaba por ser posto em causa, quando cada Estado-membro, independentemente do disposto no Regulamento, tem uma abordagem de aplicação prática distinta e até contra legem.
Comentários