Direção do CDS-PP contraria líder da bancada: “Políticos não devem estar associados a presidentes de clubes”

O líder democrata-cristão considera que o exemplo é “a única” forma de influenciar os outros e sublinha que devem ser “os deveres éticos e morais” que devem impedir a associação direta de um primeiro-ministro e de outros políticos a dirigentes desportivos. Telmo Correia é, a par com António Costa, um dos nomes que constam entre os apoios a Luís Filipe Vieira.

António Pedro Santos/Lusa

O presidente do CDS-PP, Francisco Rodrigues dos Santos, repudiou esta terça-feira o apoio do primeiro-ministro, António Costa, à recandidatura de Luís Filipe Vieira à presidência do Benfica. O líder democrata-cristão considera que o exemplo é “a única” forma de influenciar os outros e sublinha que “os deveres éticos e morais” devem impedir a associação direta de um primeiro-ministro a dirigentes desportivos.

“São precisamente os deveres éticos e morais, que encaro como tão ou mais relevantes do que a letra da lei, que devem orientar a decisão de não associação direta de um primeiro-ministro – ou de qualquer outro político com papel de relevo na nossa democracia – a um presidente de um clube de futebol”, assinala Francisco Rodrigues dos Santos, num comunicado enviado às redações sobre o apoio de António Costa a Luís Filipe Vieira.

Francisco Rodrigues dos Santos sublinha que “o exemplo não é apenas a melhor forma de influenciar os outros; é a única”, e conta que foi, por isso, que quando decidiu candidatar-me à presidência do CDS-PP, se demitiu de todas as funções que ocupava no Sporting (na altura era vogal da direção do emblema ‘leonino’).

“Entendi que, para evitar conflitos de interesses e credibilizar o cargo a que me propunha, o simples facto de concorrer à presidência impunha-me que traçasse uma linha ética que separasse higienicamente a esfera política do futebol. Assim fiz, e acabei mais tarde por ser eleito presidente do CDS-PP [em janeiro deste ano], já completamente livre e solto de outros vínculos”, argumenta.

O líder do CDS-PP diz que esse princípio torna-se ainda mais importante tendo em conta que foi o primeiro-ministro que aprovou a venda do Novo Banco à Lone Star, em 2017, “com um mecanismo que permite a este Banco buscar dinheiro do Estado para se capitalizar”, ao qual o presidente do Benfica que António Costa apoia “ficou a dever 225 milhões de euros, que foram pagos com o dinheiro de todos nós”.

O líder democrata-cristão diz ainda a “violação de sucessivos artigos do Código de Conduta”, criado em 2019, na sequência do caso Galpgate, quando a petrolífera Galp ofereceu a vários governantes bilhetes para o Euro 2016. O presidente do CDS-PP lembra que o documento visa “evitar situações de conflito de interesses, falta de imparcialidade e benefício indevido de terceira pessoa”, que envolvam membros do Governo.

“Este episódio não tem nada que ver (só) com a vida política do primeiro-ministro. Tem que ver com a vida de todos nós. Normalizar isto é dar oxigénio à fogueira que vai queimando a confiança no Estado de Direito Democrático”, defende Francisco Rodrigues dos Santos.

Líder parlamentar contraria posição da direção

A posição defendida por Francisco Rodrigues dos Santos contradiz o que foi dito esta segunda-feira pelo líder parlamentar do CDS-PP, Telmo Correia, ao programa “Grandes Adeptos” da Antena 1, no qual é comentador desportivo. Telmo Correia defendeu que “não há nenhum impedimento legal” ao apoio do primeiro-ministro e que as críticas são “hipócritas, algumas populistas e outras pouco sustentáveis”.

“Não tenho problema nenhum em estar numa comissão de honra. Agora, eu também não sou primeiro-ministro. Se fosse primeiro-ministro estaria? Provavelmente não. Mas isso é uma questão à consciência dele, porque não há nenhum impedimento legal ou outro. Ele é que deve saber se pode ou não”, sublinhou Telmo Correia, que também faz parte da comissão de honra de Luís Filipe Vieira e esteve em comissões de honra anteriores.

Telmo Correia afirmou ainda abertamente que apoia a recandidatura de Luís Filipe Vieira à presidência do Benfica: “Eu acho que este presidente é o melhor presidente para continuar”. O apoio pode, no entanto, chocar com aquilo que Francisco Rodrigues dos Santos afirma ser um dever de não associação direta de “um político com papel de relevo na nossa democracia” a um presidente de um clube de futebol.

Além de Telmo Correia, o CDS-PP tem, pelo menos, mais dois ex-deputados do CDS-PP que são comentadores desportivos na televisão. É o caso do ex-líder parlamentar do CDS-PP Nuno Magalhães, que comenta futebol frequentemente na Sport TV, e do deputado Hélder Amaral, que comenta na CMTV.

Ler mais
Relacionadas

“Não há nenhum impedimento legal”. Líder parlamentar do CDS-PP defende António Costa no apoio a Luís Filipe Vieira

Telmo Correia, que também faz parte da comissão de honra de recandidatura de Luís Filipe Vieira à presidência do Benfica, diz que as críticas ao apoio do primeiro-ministro são “hipócritas” e “populistas” e que apoio ao atual presidente do Benfica depende apenas da “consciência” de António Costa.

Fernando Medina diz que as suas decisões não vão ser afetadas por integrar comissão de honra de Luís Filipe Vieira

Além de acreditar que continua a desempenhar a sua função de forma isenta, Fernando Medina lembra que “já fazia parte da comissão de honra de Luís Filipe Vieira há quatro anos, aliás como o primeiro-ministro” e sublinha que nunca escondeu “ser do Benfica”.

Marcelo rejeitou convite para comissão de honra do presidente do Sporting de Braga

Marcelo Rebelo de Sousa já integrou a comissão de honra de Salvador, antes de ter sido nomeado para o cargo de Presidente da República. O convite do Sporting de Braga surgiu em 2017 e foi recusado
Recomendadas

Livre anuncia apoio à candidatura presidencial de Ana Gomes

Apoio à antiga eurodeputada socialista foi garantido por quase 90% dos membros e apoiantes do partido que participaram na consulta. Grupo de contacto do Livre diz que Ana Gomes “tem mostrado que será uma Presidente livre, dialogante e firme”, contrapondo o mandato “complacente, passivo e conservador” de Marcelo Rebelo de Sousa.

PEV também qualifica Plano de Recuperação e Resiliência de “oportunidade perdida”

“Verdes” saíram “preocupados” da reunião com o primeiro-ministro, coincidindo com a Iniciativa Liberal nas dúvidas quanto à forma como as propostas do documento podem criar “condições reprodutivas que possam permitir o desenvolvimento do país e do bem-estar das populações”.

Regresso às aulas: Bloco de Esquerda que ouvir ministro da Educação no Parlamento

“O primeiro-ministro veio agora correr atrás do prejuízo” e anunciou que agora “serão contratados mais 1.500 funcionários”, uma medida que segundo o Bloco de Esquerda deveria ter sido anunciada mais cedo.
Comentários