Diretiva Netflix: Cofina quer apostar na criação de conteúdos para exportar

À boleia das novas regras europeias que exigem que plataformas como a HBO ou a Netflix tenham 30% de conteúdos europeus, a Cofina espera “intensificar a criação de conteúdos de perfil exportador”, após a compra da Media Capital, dona da Plural, produtora de conteúdos.

Foto cedida

A Cofina quer apostar na criação de conteúdos para vender lá fora através das plataformas de conteúdos a pedido, como a Netflix ou HBO. Este é um dos planos da empresa após a concretização da compra da dona da TVI e da TVI 24.

Além das estações de televisão, a Media Capital inclui diversos rádios – como a Rádio Comercial -, mas também a Plural, produtora de conteúdos de onde saem as telenovelas da TVI, que já conquistaram dois prémios Emmy: “Meu amor” em 2010, e “Ouro verde” em 2018. No seu portefólio, além da telenovelas, a Plural também conta com séries, filmes, telefilmes e programas.

“No que diz respeito à atividade de produção, o caminho passará por intensificar a criação de conteúdos de perfil exportador, tendo em vista a transposição para a legislação nacional da designada “diretiva Netflix””, pode-se ler no comunicado divulgado pela Cofina este sábado, 21 de setembro, depois de confirmado o acordo para a compra da Media Capital.

Já a CMTV, televisão do grupo Cofina, estreou este ano a sua primeira novela, “Alguém perdeu”, com a produção da SP-Televisão, que também trabalha com a SIC.

A empresa liderada por Paulo Fernandes está à espera que o Governo português transponha para a legislação nacional a diretiva que foi aprovada pelo Parlamento Europeu em outubro de 2018, que aprovou novas regras para o setor audiovisual.

Esta diretiva estabelece que fornecedores de conteúdos a pedido – como a Netflix, HBO, ou Amazon Prime Video -, devem “promover a produção e a distribuição de obras europeias”, segundo o Parlamento Europeu. Assim, pelos menos 30% dos catálogos destes serviços têm de ser constituídos por conteúdos produzidos na União Europeia. A diretiva Netflix também prevê que os estados membros possam exigir uma contribuição financeira aos fornecedores de conteúdos a pedido para investir na produção dos conteúdos europeus.

Em fevereiro deste ano, a antiga presidente executiva da Media Capital defendeu a necessidade de transposição da diretiva Netflix para a legislação nacional.

“Espero que o Governo perceba que é muito importante transpor a diretiva europeia de conteúdos. Tenho muita convicção de que a Plural pode produzir séries ou novelas para a Netflix em português”, disse Rosa Cullell a 25 de fevereiro num encontro com jornalistas, citada pelo Eco.

Ler mais
Relacionadas

Cofina admite entrada de novos investidores e diz que já tem crédito bancário aprovado para compra da TVI

O dono do Correio da Manhã, CMTV, Record e Jornal de Negócios admite a entrada de novos acionistas no capital da empresa no âmbito do aumento de capital previsto.

Prisa encaixa 170 milhões com venda da TVI, mas regista perda de 76 milhões

A Prisa estima que a venda da TVI vai representar perdas contabilísticas no valor de 76,4 milhões de euros nas contas consolidadas da empresa.

Cofina anuncia acordo com Prisa para compra da TVI

A Cofina anunciou que chegou a acordo para comprar a Media Capital. A empresa de Paulo Fernandes valoriza a dona da TVI em 255 milhões de euros, oferecendo 180 milhões para comprar 100% da empresa, assumindo também a dívida de 80 milhões de euros.

Cofina envia carta aos trabalhadores a garantir que “linhas editoriais” serão mantidas 

Presidente do conselho de administração da Cofina pretende que “todos os profissionais” estejam dispostos a colaborar no novo projeto. “Foi concluído um importante passo no sentido de assegurar o desenvolvimento e o crescimento da empresa e a sua sustentabilidade futura”, diz Paulo Fernandes.

Sindicato dos Jornalistas volta a pedir esclarecimentos sobre compra da Media Capital

A organização sindical já tinha manifestado “preocupação” com o negócio entre os grupos de comunicação social Cofina e Prisa e vai voltar a contactar as as duas administrações.
Recomendadas
pardal henriques

SNMMP junta-se à Fectrans e Antram e assina acordo para contrato coletivo de trabalho dos motoristas

Só falta o Sindicato Independente de Motoristas de Mercadorias apreciar o acordo para o novo contrato coletivo de trabalho dos motoristas de pesados de mercadorias, mas tal só acontecerá no fim de semana, quando a estrutura sindical tiver realizado um plenário para discutir o acordo final.

Governo cria grupo de trabalho para preparar Web Summit até 2028

O ‘Grupo de Trabalho Web Summit Portugal 2019-2028’ vai entrar em vigor já este ano, com o objetivo de “assegurar a organização e a coordenação da Web Summit, em cada ano do período de 2019 a 2028”.

IKEA vai investir em novas lojas em Portugal: margem sul do Tejo, Cascais e Sintra

A multinacional sueca pretende abrir lojas de pequena dimensão em Sintra, Cascais e a sul de Lisboa, assim como centros de encomendas, de planeamento e de levantamento.
Comentários