Dispositivos móveis e banca são as preferências do cibercrime

Os cibercriminosos têm apostado nos ataques a dispositivos móveis e no setor financeiro, revela o mais recente estudo da S21sec, uma empresa “pure player” de serviços de cibersegurança da ibéria.

Kacper Pempel/Reuters

O relatório relativo ao primeiro semestre do ano e intitulado “Threat Landscape Report – First Semester 2019” adianta que foram publicadas 7.343 vulnerabilidades.

Adianta que relativamente às aplicações mais usadas para ciberataques as vulnerabilidades do Office são as mais exploradas, algo justificado “pela sua reduzida dificuldade e elevada rentabilidade”. Do total das vulnerabilidades esta aplicação representa cerca de 69,4% do total, de acordo com a securelist.com, citada pelo comunicado da S21sec.

Depois aparecem os ataques a outras aplicações como a Java, com 13,8% dos casos e depois o sistema Android com 11,1% de peso no total das vulnerabilidades. No Acrobat as mesmas vulnerabilidades são inferiores a 0,5%. E por setores os cibercriminosos têm vindo a focar-se no futuro de credenciais bancárias. Refere a empresa em nota que recentemente foi detetada uma nova campanha de malware de origem brasileira que conseguiu afetar diversas entidades, tendo por base um Trojan que monitoriza a janela do browser para obter as credenciais e outros dados dos utilizadores”.

Dão ainda o exemplo do BackSwap um “malware bancário descoberto em maio do ano passado e que modifica o destinatário das transferências para subtrair o dinheiro das vítimas”. Começou por afetar entidades polacas mas já foi detetado em Espanha.

De realçar que o relatório da S21sec baseia-se em dados da própria empresa, obtidos durante a prestação de serviços de segurança. Refere a empresa que foram analisados mais de 900 mil amostras de malware durante o primeiro semestre deste ano.

Recomendadas

PremiumRangel Pharma vai investir mais 12 milhões de euros

Após dez anos de atividade na logística farmacêutica, Nuno Rangel, CEO do Grupo Rangel, revela um plano de investimentos a cinco anos para quase duplicar a área de armazenagem e criar mais 130 empregos em Portugal.

PremiumCEO da Unicre: “Depois do Porto, estamos em conversas para pagamento ‘contactless’ nos transportes em Lisboa”

Pioneira nos cartões de crédito em Portugal, a Unicre lança um ‘rebranding’ para salientar a base digital, atrair clientes jovens e abrir portas a mercados internacionais, revela o presidente da empresa, João Baptista Leite.

PremiumTesla tem bateria de sobra para dar mais energia às ações

Em 2020, os títulos da Tesla já valorizaram mais 36%. Ao Jornal Económico, o banco de investimento Jefferies explica que a elétrica de Elon Musk tem muito mais para dar para além dos carros.
Comentários