Dívida direta do Estado soma 249 mil milhões em fevereiro

Dado representa uma variação de 0,9% face ao final do mês anterior e um aumento de 3,6% face ao período homólogo.

Em fevereiro de 2019, o valor da dívida direta do Estado totalizava 249,0 mil milhões de euros (ou 125,0% do PIB do ano acabado no último trimestre disponível), o que representa uma variação de 0,9% face ao final do mês anterior e um aumento de 3,6% face ao período homólogo.

Os dados são do IGCP, Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública.

Em fevereiro de 2019, a dívida pública no âmbito do Programa de Assistência Financeira, ascende a 51,6 mil milhões de euros (25,9% do PIB), dos quais 27,3 mil milhões de euros dizem respeito ao Fundo Europeu de Estabilidade Financeira e 24,3 mil milhões de euros ao Mecanismo Europeu de Estabilização Financeira.

Recorde-se que hoje Ricardo Mourinho Félix admitiu um reembolso antecipado já este ano.

Os credores europeus permitiram que Portugal amortizasse a totalidade dos empréstimos contraídos juntos do Fundo Monetário Internacional (FMI) no final do ano passado, mas exigiu ao Governo português que começasse a pagar a dívida à Europa entre 2020 e 2023. Mas o Secretário de Estado Adjunto e das Finanças admite esta terça-feira, 26 de março, em entrevista ao Eco, que tal possa acontecer já este ano.

“Não excluímos a possibilidade de um reembolso antecipado dos empréstimos europeus em 2019, caso tal permita reduzir o custo do financiamento e melhorar a sustentabilidade da dívida”.

Ricardo Mourinho Félix diz ainda na mesma entrevista que “a dívida portuguesa poderá atingir os 100% do PIB no final da próxima legislatura”.

No próximo mês, Mário Centeno e Ricardo Mourinho Félix vão apresentar Programa de Estabilidade para o período de 2019 a 2023, ou seja, com metas para a próxima legislatura.

No Programa de Estabilidade o Governo com metas para o período de 2018 a 2022, previa que no fim de 2022 dívida pública caísse para 102% do PIB.

 

Ler mais
Relacionadas

Carga fiscal sobe para 35,4% do PIB, o valor mais alto desde 1995

A carga fiscal, que inclui receita de impostos e contribuições efetivas, subiu de 34,4% em 2017 para 35,4% em 2018. O total de receitas de impostos e contribuições sociais ascendeu assim a 71.357,3 milhões de euros no ano passado, contra 67.027,5 milhões no ano anterior.
Recomendadas

Prepare a carteira. Vem aí (mais) um aumento nos combustíveis

A partir de segunda-feira, os combustíveis ficam novamente mais caros. Aumento é maior na gasolina, tanto nas cadeias de marca branca, como nas principais gasolineiras.

Caixa Geral está a vender Mercedes para atingir metas da recapitalização

Campanha de crédito “imbatível” está a chegar por email a clientes. Banco justifica com metas “extremamente exigentes”. E diz que não está a promover o endividamento, pois clientes acederiam na mesma a outras opções de financiamento do mercado.

Insolvência: o que é? como funciona? e quais são as obrigações do devedor?

Muitos são os consumidores que recorrem ao processo de insolvência como a última oportunidade de reequilíbrio da sua vida financeira, nomeadamente quando o valor das dívidas ultrapassa largamente o património/rendimentos que possuem não sendo possível cumprir com o seu pagamento
Comentários