Dívida pública caiu para 117,7% do PIB no ano passado, de 122% em 2018

O INE adiantou que prevê que o rácio deverá descer para 114,9% do PIB este ano, o que compara com os 116,2% inscritos no Orçamento do Estado para 2020. A informação foi divulgada na primeira notificação do Procedimento dos Défices Excessivos.

Cristina Bernardo

O peso da dívida pública caiu para 117,7% do Produto Interno Bruto (PIB) em 2019, de 122% no ano anterior, segundo dados provisórios divulgados esta quarta-feira pelo Insitituto Nacional de Estatística (INE).

O INE adiantou que o rácio deverá descer para 114,9% do PIB este ano, o que compara com os 116,2% inscritos no Orçamento do Estado para 2020.

O rácio da dívida pública na ótica de Maastricht continua assim a trajetória descendente, tendo diminuido de 131,5% em 2016 e 126,1% em 2017.

A elevada dívida das Administrações Públicas tem sido apontada pelas agências de rating, instituições internacional e analistas como um dos principais fardos da economia portuguesa.

A 20 de fevereiro, o Banco de Portugal tinha informado, no Boletim Estatístico, que o peso da dívida pública caiu para 118,2% em 2019.

[Atualizada às 11h16]

Ler mais

Relacionadas

Pela primeira vez em democracia, Portugal teve excedente orçamental de 0,2% em 2019

Centeno fecha 2019 com um excedente orçamental e supera as projeções inscritas pelo Governo no Orçamento do Estado para 2020, que apontava para um défice de 0,1% do PIB.
Recomendadas

Diretores de jornais e revistas lançam apelo: diga não à pirataria

Numa iniciativa inédita, os diretores dos principais jornais e revistas de Portugal juntaram-se num apelo conjunto aos leitores para que digam não à pirataria. O jornalismo de qualidade só será viável se tiver o apoio dos seus leitores.

Mais de 80% dos pacientes infetados com Covid-19 estão a recuperar em casa

Segundo os dados hoje divulgados, existem 1.124 profissionais de saúde infetados pelo novo coronavírus (Covid-19) em Portugal.

Recorde. 10 milhões de norte-americanos perderam o seu emprego em duas semanas

Número semanal de pedidos de desemprego bate um recorde pela segunda semana consecutiva, atingindo os 6,6 milhões de trabalhadores. Em duas semanas, 10 milhões de norte-americanos perderam o seu emprego devido à pandemia da Covid-19.
Comentários