Dívida pública portuguesa vai atingir novo recorde no final de 2020

O Governo prevê que a dívida pública atinja os 268 mil milhões de euros no final deste ano, pesando 133% do PIB. No espaço de um ano, a dívida pública cresceu em quase 20 mil milhões.

A dívida pública portuguesa vai atingir os 268 mil milhões no final deste ano, segundo uma previsão do Governo divulgada hoje pelo Instituto Nacional de Estatística (INE).

A dívida bruta consolidada das administrações públicas atingiu os 249 mil milhões de euros no final de 2019, dados provisórios.

No espaço de um ano, a dívida deverá assim subir quase 20 mil milhões de euros.

Em julho, o endividamento do Estado atingiu o valor mais alto de sempre, 264,67 mil milhões de euros, ultrapassando o recorde anterior atingido em maio.

Face à percentagem do PIB, a dívida nacional vai subir dos 117,2% em 2019 para os 133,8% no final de 2020, estima o INE.

Além do crescimento da dívida, Portugal também vai produzir menos riqueza este ano: o PIB de 213 mil milhões de euros em 2019 vai recuar para 200 mil milhões este ano.

Segundo explica o INE, as estimativas da dívida bruta “são da responsabilidade do Ministério das Finanças, tendo como base o cenário macroeconómico e orçamental subjacente ao Orçamento do Estado Suplementar para 2020, aprovado pela Assembleia da República”.

De acordo com o INE, a dívida bruta apresentada neste relatório, “de acordo com a legislação europeia”, não inclui a dívida comercial, a dívida das empresas públicas que não integram o setor das administrações públicas e a dívida dos municípios e freguesias localizados nos territórios das
regiões autónomas é registada no subsetor da Administração Local.

Ler mais

Relacionadas

INE revê excedente orçamental de 0,2% para 0,1% em 2019

O INE revela que o excedente orçamental foi afinal de 0,1% do PIB no ano passado, tendo ainda revisto o défice de 2018 para 0,3%. 
joão_leão_tomada_posse_1

Pandemia atira Portugal para défice orçamental de 5,4% no primeiro semestre

O défice orçamental em contabilidade nacional, a que conta para Bruxelas, atingiu os 5,4% do PIB nos primeiros seis meses do ano. Segundo trimestre do ano foi especialmente penalizador com o défice a disparar para 10,5% do PIB. Entre abril e junho, a despesa com subsídios pagos disparou 470,2% face ao período homólogo.
Recomendadas

Agroindústria portuguesa tem condições para continuar a crescer, mas deve investir no conhecimento

O presidente da Lusomorango, Luís Pinheiro, e o diretor do Centro de Estudos Aplicados da Universidade Católica, Ricardo Reis, defendem que o sector agroindustrial tem condições para se desenvolver, no início da última conferência do ciclo para a concretização de uma visão estratégica para o agroalimentar em Portugal

Conferência sobre o agroalimentar e o Pacto Ecológico Europeu realiza-se esta quarta-feira. Veja aqui

O ciclo de conferências “Conhecer para Decidir, Planear para Agir” é promovido pela Lusomorango, a maior organização de produtores portuguesa do sector das frutas e legumes, e pela Universidade Católica Portuguesa, numa iniciativa de que o Jornal Económico é media partner.

Banco de Portugal retirou mais de 12 mil notas contrafeitas de circulação em 2020

As notas contrafeitas retiradas de circulação corresponderam a 2,6% do total detetado a nível mundial e a 2,8% do apreendido na área do euro e as moedas contrafeitas eram representativas de 1,5% do total retirado a nível global.
Comentários