Dívida pública recuou em janeiro depois de ter atingido máximo histórico

A dívida recuou 600 milhões entre dezembro e janeiro refletindo “essencialmente amortizações de títulos de dívida, no valor de 0,3 mil milhões de euros, e a redução de responsabilidades em depósitos no valor de 0,2 mil milhões”, de acordo com o Banco de Portugal.

Ministro de Estado e das Finanças, João Leão | Cristina Bernardo

A dívida pública portuguesa fixou-se nos 269,8 mil milhões de euros em janeiro de 2021, menos 0,6 mil milhões de euros do que em dezembro de 2020, revelou o Banco de Portugal (BdP) esta segunda-feira.

“Esta diminuição refletiu essencialmente amortizações de títulos de dívida, no valor de 0,3 mil milhões de euros, e a redução de responsabilidades em depósitos no valor de 0,2 mil milhões”, explicou o BdP.

O regulador da banca nacional fez saber, ainda, que os depósitos das administrações públicas caíram 0,7 mil milhões de euros. No caso da dívida pública líquida de depósitos, observou-se um aumento de 0,1 mil milhões de euros em relação ao mês anterior, para os 246,6 mil milhões de euros.

A dívida pública ascendia a 270,408 mil  milhões de euros no final de 2020, um novo máximo histórico. A evolução traduziu-se num salto de 3,325 mil milhões de euros face ao mês anterior, mas quando comparado com dezembro de 2019 a evolução traduz um disparo ainda mais acentuado, ao ter aumentado 20,4 mil milhões de euros.

Recomendadas

Novo Banco: Avaliadores não veem razões para mudanças de valores de imóveis em seis meses

O responsável, ouvido esta quinta-feira na audição do presidente da ANAI Ramiro Teixeira Gomes na Comissão Eventual de Inquérito Parlamentar às perdas registadas pelo Novo Banco e imputadas ao Fundo de Resolução, referia-se a “perdas de imparidades de uma instituição financeira, neste caso o Novo Banco, por via de ativos” imobiliários.

Cavaco lamenta “interpretações abusivas” acerca de declarações sobre BES

O antigo Presidente da República classificou de “intuitos pouco honestos” as declarações de quem fez “interpretações abusivas” das suas palavras sobre o BES antes da resolução, “chegando ao ponto de afirmar” que “tinha incentivado as aplicações em instrumentos financeiros do BES ou do respetivo grupo não financeiro”.

Novo Banco: Luís Filipe Vieira pede adiamento de audição devido a consulta médica

De acordo com o presidente da Comissão Eventual de Inquérito Parlamentar às perdas registadas pelo Novo Banco e imputadas ao Fundo de Resolução, Fernando Negrão (PSD), Luís Filipe Vieira “pediu que a audição fosse adiada para uma data posterior a uma consulta que tem”.
Comentários