Do Técnico para Copenhaga à procura de buracos negros

Os seus interesses de investigação incidem sobre gravitação, em particular ondas gravitacionais e buracos negros e o seu sonho é um dia ver ultrapassada essa barreira do conhecimento.

Instituto Superior Técnico:

Os seus interesses de investigação incidem sobre gravitação, em particular ondas gravitacionais e buracos negros e o seu sonho é um dia ver ultrapassada essa barreira do conhecimento. Para isso trabalha.

Vítor Cardoso, professor e presidente do Departamento de Física do Instituto Superior Técnico (IST), também investigador do Centro de Astrofísica e Gravitação (CENTRA), doutorado em Física pelo IST, com pós-doutoramento na Universidade do Mississippi e na Universidade de Washington, em St. Louis, tem agora uma oportunidade de ouro: uma bolsa de 5,3 milhões de euros atribuída pela Villum Fonden, fundação dinamarquesa criada em 1971 pelo engenheiro Villum Kann Rasmussen, permite-lhe continuar a fazer ciência de ponta. E, como diz o próprio, nunca se sabe como isso poderá acabar. “Podemos estar ao pé de uma era de transformação tão grande como foi o início do século XX”.

Vítor Cardoso assume a direção de um novo grupo de investigação no Instituto Niels Bohr, mantendo a sua atividade de investigação e docência no Técnico. Nas suas mãos tem a possibilidade de construir uma das melhores equipas internacionais para se dedicar inteiramente ao estudo de buracos negros, em todos os seus aspetos.

“A intenção é desvendarmos alguns dos segredos que estes objetos guardam”, afirma ao JE Universidades. Sobre o tema, aponta dois aspetos importantes. “O primeiro é que os buracos negros existem e são numerosos no universo.

Existem buracos negros tão massivos que ditam mesmo a evolução de toda a galáxia circundante”. O segundo aspecto é que os buracos negros representam a fronteira do nosso conhecimento. “Nós sabemos que a teoria de Einstein falha no interior, nós sabemos que não conhecemos a Mecânica Quântica nestes regimes drásticos, mas não sabemos qual a solução para este problema… nem sabemos se a solução representa uma revolução no nosso conhecimento”, explica.

Este projeto é equivalente a mais do que duas ERC (bolsas do Conselho Europeu de Investigação), num instituto de referência, o Niels Bohr, fundado em 1921 e onde a Mecânica Quântica se fez adulta. Além do estabelecimento de um grupo de gravitação, a avultada bolsa desafia o professor português a ter impacto “na sociedade dinamarquesa, formando jovens alunos e sensibilizando a sociedade para os desenvolvimentos da área, que tocam a fronteira daquilo que conhecemos no universo”.

Nada com que Vítor Cardoso não esteja familiarizado. No IST, por várias vezes integrou a Lista de Docentes Excelentes do Técnico e em 2018 foi-lhe atribuído o “Prémio IST Excelência no Ensino”. Nas palavras do professor, a nova posição internacional torna-se ainda mais fascinante porque permite manter e fortalecer os laços com a sua casa-mãe. “O Técnico tem algum do melhor talento do mundo, em alunos e investigadores, e claro que é importante manter esse contacto. Vamos criar parcerias, fazer intercâmbio de investigadores, etc. É um maravilhoso novo mundo”. Mais um.

Recomendadas

A voz dos jovens europeus é professor na UMinho

José Campos e Matos é o novo presidente da YES For Europe – Confederação Europeia de Jovens Empreendedores. Sobe de vice-presidente para o posto ocupado até aqui pelo turco Gürkan Yildirim e torna-se o segundo português em 32 anos a ocupar a liderança deste cargo, após Paulo Barros Vale em 1992-93

Parceria na ULisboa lança mestrado em direito e gestão

Chama-se Master in Law & Management, junta dois ramos do conhecimento – Direito e Gestão – e foi criado por duas escolas da Universidade de Lisboa: a Faculdade de Direito (FDUL) e o ISEG Lisbon School of Economics and Management.

Vinho do Porto tem potencial químico para tratar cancro da pele

Investigadoras da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto identificaram perto de 20 moléculas que revelam potencial para um futuro fármaco que poderá ser aplicado na terapia fotodinâmica (PDT) tópica para o tratamento de doenças de pele, como o cancro e a psoríase. Testes em laboratório serão os próximos passos, só depois é possível pensar em ensaios clínicos.
Comentários