Do whisky aos fatos de homem. Marcas de luxo europeias podem render mil milhões de dólares a Trump

A empresa LVMH, mais conhecida pela Louis Vuitton, está particularmente vulnerável aos impostos norte-americanos propostos por Trump, uma vez que detém dois produtos de luxo: bebidas e artigos de roupa.

Christopher Aluka Berry / Reuters

Marcas de luxo europeias estão na mira das novas taxas que Donald Trump pretende aplicar, avança a ‘Bloomberg’. Assim, estas tarifas podem vir a afetar os produtos que chegam aos Estados Unidos, como whisky, vinhos, champanhe, malas de mão e fatos de homem, no valor de mil milhões de dólares.

Um painel da Organização Mundial do Comércio afirmou na passada sexta-feira, que os EUA podem impor tarifas legais a diversas exportações europeias. Esta decisão surge como retaliação da ajuda ilegal dos governos europeus à Airbus SE.

Várias fontes da União Europeia garantem estar à espera que a Organização Mundial do Comércio divulgue ao público o relatório até ao fim do mês. Com o relatório público, os EUA podem impor novos impostos em diversas mercadorias europeias entre cinco mil milhões de dólares a sete mil milhões de dólares (4,5 mil milhões de euros a 6,3 mil milhões de euros) anuais, sendo que o presidente norte-americano ameaçou com tarifas de 11 mil milhões de dólares (10 mil milhões de euros).

Espera-se que a resposta de Washington chegue após a luz verde para a retaliação das tarifas, por parte da organização. Os EUA já estudaram produtos a que devem aplicar tarifas, sendo que a lista total de exportações equivale a 25 mil milhões de dólares (22,6 mil milhões de euros) por ano. Sabe-se que na lista constam as exportações mais valiosas para os EUA, como aeronaves, além de produtos de luxos provenientes de marcas europeias.

A empresa LVMH, mais conhecida pela Louis Vuitton, está particularmente vulnerável aos impostos norte-americanos propostos por Trump, uma vez que detém dois produtos de luxo: bebidas e artigos de roupa. O mercado norte-americano está entre os principais destinos de empresas europeias, como a LVMH, sendo responsável por um quarto das vendas globais da empresa de Bernard Arnault. No ano passado, os norte-americanos gastaram 11,2 mil milhões de euros em mercadoria da LVMH.

O diretor financeiro da LVMH, Jean-Jacques Guiony, afirmou que a empresa é “sensível a tarifas e barreiras comerciais”. As novas tarifas vão aumentar os custos que deverão ser passados para os consumidores norte-americanos, afirmou o diretor financeiro da Remy Cointreau, que produz conhaque.

Ler mais
Relacionadas

“Estímulo!”: Trump pede à Fed um grande corte nas taxas de juro

Reserva Federal norte-americana poderá anunciar esta quarta-feira novo corte na taxa de juros directora, depois da descida de 25 pontos base em julho. Presidente norte-americano aumenta a pressão sobre Powell.

Indústria chinesa cresce ao ritmo mais lento desde 2002 face à guerra comercial

A economia chinesa cresceu 6,2%, no segundo trimestre deste ano, o ritmo mais lento em quase três décadas, mas dentro da meta definida pelo Governo chinês, e quase o dobro do crescimento mundial.

Trocas comerciais entre China e Estados Unidos diminuem com escalada de guerra de tarifas

Na quinta-feira, o Governo chinês anunciou em comunicado que as delegações da China e Estados Unidos que negoceiam um acordo comercial vão voltar a reunir em outubro, em Washington, informou hoje o Governo chinês, numa altura de crescentes disputas entre os dois países.
Recomendadas

Governo cria grupo de trabalho para preparar Web Summit até 2028

O ‘Grupo de Trabalho Web Summit Portugal 2019-2028’ vai entrar em vigor já este ano, com o objetivo de “assegurar a organização e a coordenação da Web Summit, em cada ano do período de 2019 a 2028”.

IKEA vai investir em novas lojas em Portugal: margem sul do Tejo, Cascais e Sintra

A multinacional sueca pretende abrir lojas de pequena dimensão em Sintra, Cascais e a sul de Lisboa, assim como centros de encomendas, de planeamento e de levantamento.

Navigator dispensa Moody’s e S&P

A justificação para dispensar as agências que classificam o risco do emitente radica no processo de reestruturação da dívida.
Comentários