Docapesca vai investir 115 mil euros no porto de pesca da Póvoa de Varzim

O novo sistema de defensas, que visa a melhoria da segurança de pessoas e bens no embarque e desembarque das embarcações, será instalado na extremidade sudeste do cais norte do porto de pesca, com cerca de 33 metros de comprimento, destinada ao estacionamento de navios até 40 metros de comprimento e 250 toneladas de deslocamento.

A Docapesca adjudicou o novo sistema de defensas no porto de pesca da Póvoa de Varzim, um investimento que deverá rondar os 116 mil euros.

“A Docapesca adjudicou a empreitada para a instalação de novo sistema de defensas no cais norte do porto de pesca da Póvoa de Varzim, que representa um investimento próximo dos 116 mil euros, na sequência de um procedimento concursal”, adianta um comunicado desta empresa pública.

Segundo essa nota, “o novo sistema de defensas, que visa a melhoria da segurança de pessoas e bens no embarque e desembarque das embarcações, será instalado na extremidade sudeste do cais norte do porto de pesca, com cerca de 33 metros de comprimento, destinada ao estacionamento de navios até 40 metros de comprimento e 250 toneladas de deslocamento”.

“Também recentemente, a Docapesca lançou um procedimento concursal para instalação de ‘fingers’ e escada de emergência no cais flutuante sudeste para a acostagem de 25 embarcações de pesca. Está previsto também, no lado sudeste do cais flutuante, um posto de acostagem, com 15 metros de comprimento, para operações de carga e descarga das embarcações”, adianta o referido comunicado.

A Docapesca – Portos e Lotas, S.A. é uma empresa do Setor Empresarial do Estado tutelada pelo Ministério do Mar, que tem a seu cargo, no continente, o serviço da primeira venda de pescado e o apoio ao setor da pesca e respetivos portos, dispondo de 22 lotas e 37 postos.

 

Ler mais
Recomendadas

“Sobreviver a Pão e Água”. “Centenas” de membros do movimento dispostos a regressar à greve de fome se Governo não aprovar medidas exigidas

Movimento diz que Governo disse que iria apresentar em breve várias das medidas por si exigidas. Se até dia 11 de dezembro, não apresentar as restantes medidas ameaçam que com o regresso à greve de fome em frente ao Parlamento e por todo o país, com “mais de uma centena de pessoas”.

Sindicato denuncia que Ryanair se prepara para despedir 23 tripulantes no Porto enquanto abre processo de recrutamento

O SNPVAC denuncia que, ao mesmo tempo que a companhia aérea avança para o despedimento coletivo, já está a realizar cursos para novos tripulantes “violando grosseiramente o Código de Trabalho”, segundo o sindicato.

Costa adia anúncio de medidas de apoio para as rendas do comércio e da restauração

A 21 de novembro, o primeiro-ministro anunciou que as medidas de apoio para as rendas de lojas e restaurantes seria anunciada nos dias seguintes. Passados 15 dias, o Governo ainda não anunciou os apoios e adiou para a próxima semana.
Comentários