Dombrovskis: Venda do Banco Popular foi decisão da UE e pode ser alvo de recurso

Venda do Banco Popular ao Santander por apenas um euro foi a primeira medida formal decidida pelo Conselho Único de Resolução para evitar uma falência que abalasse a banca espanhola.

O vice-presidente da Comissão Europeia para o Euro, Valdis Dombrovskis, disse que a resolução de venda do Banco Popular foi um acto da União Europeia e por isso pode ser recorrido perante o Tribunal da Justiça da UE.

“Do ponto de vista legal, a resolução de decisões é um ato da União Europeia e podem ser objecto de recurso ao abrigo do Tratado da União Europeia e, neste caso, dependeria do TJUE para decidir sobre tais recursos”, disse Dombrovskis, após a reunião do Ecofin, esta terça-feira, citado pela agência EFE. 

A venda do Banco Popular ao Santander por apenas um euro foi a primeira medida formal decidida pelo Conselho Único de Resolução para evitar uma falência que abalasse a banca espanhola. O conselho usou o seu poder para vender a instituição espanhola ao maior concorrente, o Santander. Apesar de a operação ter envolvido um valor simbólico, implica que o Santander realize uma recapitalização de sete mil milhões de euros.

Em junho, Dombrovskis classificou a venda do Banco Popular como um “exemplo bem-sucedido” da aplicação das regras do Mecanismo Único de Resolução (MUR) bancária, no mesmo dia em que Vítor Constâncio creditou a decisão ao mesmo organismo.

Recomendadas

Fraudes online em Portugal é de 0,25%, diz SIBS

O responsável da SIBS falava no ‘webinar’ Estratégia Nacional para os Pagamentos de Retalho – Horizonte 2022 (apresentada em novembro), organizado pelo Banco de Portugal, que decorreu esta quinta-feira em formato de videoconferência.

“Building the Future”. APS presente na conferência da Microsoft

O “Building the Future” é o maior evento no qual se debate a transformação digital em Portugal.

Supremo confirma prisão do antigo presidente do Banco Privado

A pena de prisão efetiva de João Rendeiro só se vai concretizar após trânsito em julgado. O antigo presidente do Banco Privado Português (BPP) foi condenado a cinco anos e oito meses de prisão por vários crimes de falsidade informática e falsificação de documentos.
Comentários