Dona da Jerónimo Martins prepara-se para pôr sede fiscal na Holanda

A ‘holding’ liderada por Alexandre Soares dos Santos, que controla a Jerónimo Martins, deu mais um passo para pôr a sede fiscal na Holanda, avança o Negócios.

1,8 mil milhões de euros

A Sociedade Francisco Manuel dos Santos SGPS SE, que já controla 56,1% da JM através de uma empresa na Holanda, vai deliberar em Dezembro a mudança da sua sede para Amesterdão, noticia hoje o Jornal de Negócios.

Aliás, “deliberar sobre a transferência da sede social para a Holanda” é o ponto três da assembleia-geral da Sociedade Francisco Manuel dos Santos SGPSSE (SFMSSE) para o próximo 15 de dezembro. A ‘holding’ liderada por Alexandre Soares dos Santos, que controla a Jerónimo Martins, deu mais um passo para pôr a sede fiscal na Holanda.

O Jornal de Negócios explica que a SFMS SE é a ‘holding’ que agrega os interesses de alguns descendes de Francisco Manuel dos Santos, sobretudo dos ramos Soares dos Santos e Santos. E é esta empresa, até agora com sede em Lisboa, que controla a SFMS BV, com sede na Holanda, desde finais de 2011, e que controla, via a holandesa, 56,1% do capital da cotada Jerónimo Martins SGPS.

O Negócios avança ainda que o “projeto de transferência da sede social da SFMS SGPS SE” para Amesterdão poderá estar concluído “até ao dia 31 de dezembro” de 2016.

Recomendadas

Precisa de ajuda em casa? Há mais de 4 mil ‘taskers’ qualificados à distância de um clique

A empresa TaskRabbit, com sede nos Estados Unidos, lançou-se no mercado português, onde disponibiliza uma rede com prestadores de serviços que vão desde limpezas, entregas ou carregamento e montagem móveis.

CIP, APED e APCC pressionam Governo para aumentar rácio de clientes nas lojas para 10 pessoas por 100 metros quadrados

Estas três associações empresariais apoiam-se num estudo desenvolvido por equipas do Instituto de Saúde Pública da Universidade do Porto e da Escola Nacional de Saúde Pública da Universidade Nova de Lisboa, em colaboração com o Instituto Ricardo Jorge e a ARS – Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo, que, no seu entender, deixa claro que a frequência de restaurantes, lojas e centros comerciais não parece estar associada a uma maior probabilidade de contrair o novo coronavírus”, citando uma afirmação do documento: “estar exposto a centros comerciais e a restauração é mais frequente entre aqueles que não desenvolveram a infeção”.

Premium‘Suspense’ sobre nova concessão e entrada do Estado deixam CTT sem destino certo

Negociação do OE2021 recolocou na agenda a entrada do Estado, numa altura em que a concessão do serviço postal chega ao fim e renovação não está garantida. Empresa está ‘refém’, alertam analistas.
Comentários