Dona da Zara cai 7% na bolsa à espera de maus resultados. A crise chegou à Inditex?

A gigante Amazon tem assumido várias investidas para entrar no campo da moda. Os que mais sofrem são as cadeias de retalho de moda tradicionais. A Inditex apresenta resultados a 14 de março.

As ações da Inditex estão a cair quase 7% na bolsa de Madrid.  Alguns bancos de investimento sugerem que a empresa pela primeira vez teve problemas para vender o seu stock de existências e antevêem uma redução na margem do EBITDA, avança o El Economista.

Os títulos da dona da Zara já estão a cotar abaixo dos 25,5 euros, e registam a maior queda desde o Brexit (hoje esteve a cair 7% e nesta altura está com uma perda de 6,5%). Desde o início do ano a Inditex acumula em bolsa uma redução de 15%. Amancio Ortega perde 4.000 milhões e cai dois lugares na lista dos mais ricos.

A empresa está em fase de fecho de contas do seu ano fiscal, e apresentará resultados a 14 de março.

Alguns bancos de investimento também temem “margens de lucro em queda”, diz o site de notícias espanhol. Essas circunstâncias podem explicar o declínio acentuado no preço das ações na sessão de hoje.

Mais uma vez a canibalização das margens pelo comércio online está na origem da crise da Inditex.

A entrada da Amazon no retalho do têxtil abalou os principais pilares do setor, incluindo a Inditex. Existem várias empresas que alertaram durante os últimos meses para o impacto negativo da invasão do gigante do comércio on-line.

A gigante Amazon tem assumido várias investidas para entrar no campo da moda. A retalhista revolucionou a forma como os consumidores compram peças de vestuário há mais de uma década – em 2006 comprou o website Shopbop e três anos depois adquiriu o portal de venda de calçado Zappos – e, desde então, a ambição apenas cresceu até que abriu sua própria marca de roupas em 2017.

As principais vítimas desta ameaça são as margens dos players tradicionais. As previsões para a margem EBITDA são de queda em quase todos os retalhista de moda. A força do euro face ao dólar também não ajuda.

Também a H&M está neste momento em reestruturação por causa do impacto do comércio online. A cadeia sueca prepara-se para a maior onda de encerramentos de lojas em duas décadas: a marca de moda pretende fechar as portas de 170 lojas.

A cadeia espanhola Blanco foi para insolvência em 2016.

 

Ler mais
Recomendadas

Ações do Benfica atingem novo máximo com proposta do Atlético Madrid por João Félix

As ações do clube da Luz atingiram os 3,17 euros, tendo registado uma subida de 4,6% desde que os encarnados informaram a Comissão do Mercado de Valores Mobiliários de que estão analisar uma proposta sobre o jogador.

PSI-20 mantém-se no ‘verde’ impulsionado pela Altri e Sonae Capital

O principal índice da bolsa de Lisboa abriu a sessão desta quinta-feira com uma subida de 0,19% para 5.087,94 pontos, seguindo a tendência das congéneres europeias

2018: o ano em que o ‘crowdfunding’ chegou ao mercado nacional

O ano passado marcou a ‘estreia’ das plataformas de financiamento colaborativo em Portugal, CMVM a receber sete pedidos de registo. Mas, na Europa, as ambições passam por desenhar um quadro regulatório para impulsionar o ‘crowdfunding’. A Comissão Europeia já entregou proposta ao Parlamento.
Comentários