Donald Trump diz que vai proibir rede social chinesa TikTok nos Estados Unidos

“Eu tenho essa autoridade. Posso fazê-lo com uma ordem executiva”, sublinhou o Presidente norte-americano.

O Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, anunciou que vai proibir a rede social chinesa TikTok no país, por razões de segurança nacional.

“Quanto à TikTok, vamos proibi-la nos Estados Unidos”, disse Trump aos jornalistas, a bordo do avião presidencial, com destino a Washington a partir de Tampa, Florida.

“Eu tenho essa autoridade. Posso fazê-lo com uma ordem executiva”, sublinhou o Presidente.

No início deste mês, o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, já sugerira que o Governo estava a pensar em restringir o acesso à TikTok em solo norte-americano, dada a possibilidade de Pequim estar a usar a rede social como um meio de monitorização e distribuição de propaganda.

A TikTok é uma rede social desenvolvida pela ByteDance, com sede em Pequim, na qual vídeos curtos são partilhados, com grande sucesso entre o público adolescente, mas, ao mesmo tempo, levanta grandes dúvidas quanto à segurança dos dados de utilizadores e vínculos com o Partido Comunista Chinês.

Para além da guerra comercial entre os dois países, a tensão entre os Estados Unidos e a China aumentou nos últimos meses, alimentada pela pandemia do novo coronavírus, levando mesmo ao fecho de embaixadas.

Ler mais
Recomendadas
donald_trump_irão

Donald Trump diz que pagou “muitos milhões de dólares em impostos”

“Tenho muito pouca dívida em comparação com o valor dos ativos”, escreveu o presidente norte-americano, na rede social Twitter.

Impostos pagos por Trump não parecem alterar o rumo das presidenciais

O Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, pagou apenas 750 dólares (645 euros) em impostos federais em 2016, ano em que foi eleito, mas as repercussões da notícia não foram as esperadas. Os democratas estão a acionar um plano B.

Lira turca afunda para mínimos históricos com conflito azeri-arménio

A Turquia, cuja divisa tem desvalorizado fortemente ao longo do último ano, poderá estar prestes a entrar noutra frente para a qual lhe falta capacidade económica e política de resolução, alertam os especialistas.
Comentários