PremiumDonald Trump: Impeachment? Onde é que isso fica?

A matemática está a seu favor, o “modus operandi” também e até o ambiente entre os democratas dificilmente podia ser mais propício: o “impeachment” que o Congresso pretende lançar contra o presidente norte-americano tem tudo para ser mais um fator a favor da sua reeleição. A não ser que a ‘Pocahontas’ ainda tenha uma palavra a dizer.

A matemática é simples: salvo se se estivesse perante um caso avassalador (alta traição ou coisa do género) o impeachment é, não por definição mas na prática, um acontecimento político. Nada mais: nem sequer é um julgamento, daqueles à americana, onde uma dúvida fundamentada pode ser mais importante que a evidência da verdade. Ora, sendo os republicanos maioritários no Senado, a câmara alta onde tudo acabará (se lá chegar) por decidir-se – com uma maioria de 53 lugares contra 45 – e tendo os senadores de agregar mais de 66% a favor do impeachment (o que quer dizer que 20 republicanos teriam que se juntar aos democratas para ‘sanear’ Trump) ninguém no seu perfeito juízo (crítico) pode estabelecer o cenário da expulsão do presidente como uma hipótese credível.

Mas talvez o maior impedimento seja o próprio Trump. O presidente já deu mostras de ter uma grande dificuldade em manter-se calado – principalmente quando frontalmente atacado. E não se cala num tom que varia entre a acusação vociferante e a torrente acusatória enormemente vociferante – o que tem o benefício de ‘deitar tudo cá para fora’ e de agregar em seu torno um caudal que vai espalhando a dúvida mesmo entre os que mais estão contra a sua atuação.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

PremiumImpressoras 3D transformam indústrias à boleia da era digital

Na quarta revolução industrial, as impressoras 3D já desempenham um papel relevante na produção de quase tudo, incluindo órgãos humanos. De acordo com um estudo do banco Internationale Nederlanden Groep, estima-se que, nas próximas duas décadas, um em cada dois produtos industriais será impresso a três dimensões.

PremiumAgnès Buzyn: De ministra da Saúde a candidata à Câmara de Paris

O seu percurso tem sido marcado pela medicina, mas agora Agnès Buzyn decidiu abraçar um novo desafio e substituir Benjamin Griveaux, antigo cadidato do partido de Emmanuel Macron, A República em Marcha, à câmara da capital francesa.

PremiumRacismo no desporto: O planeta dos macacos

Esporádicos, isolados, pontuais. É assim que normalmente são descritos os episódios de racismo no desporto, que existem há décadas, são uma constante em alguns recintos e nada indica que venham a desaparecer. Pedro Almeida, investigador e autor da tese ‘Futebol, raça e Nação’ prefere a realidade aos eufemismos: existe racismo no futebol porque a sociedade portuguesa é, no seu coletivo, profundamente racista. Outra coisa seria difícil de suceder num país que tem o mais longo histórico de colonialismo do mundo.
Comentários