PremiumDonald Trump: Impeachment? Onde é que isso fica?

A matemática está a seu favor, o “modus operandi” também e até o ambiente entre os democratas dificilmente podia ser mais propício: o “impeachment” que o Congresso pretende lançar contra o presidente norte-americano tem tudo para ser mais um fator a favor da sua reeleição. A não ser que a ‘Pocahontas’ ainda tenha uma palavra a dizer.

A matemática é simples: salvo se se estivesse perante um caso avassalador (alta traição ou coisa do género) o impeachment é, não por definição mas na prática, um acontecimento político. Nada mais: nem sequer é um julgamento, daqueles à americana, onde uma dúvida fundamentada pode ser mais importante que a evidência da verdade. Ora, sendo os republicanos maioritários no Senado, a câmara alta onde tudo acabará (se lá chegar) por decidir-se – com uma maioria de 53 lugares contra 45 – e tendo os senadores de agregar mais de 66% a favor do impeachment (o que quer dizer que 20 republicanos teriam que se juntar aos democratas para ‘sanear’ Trump) ninguém no seu perfeito juízo (crítico) pode estabelecer o cenário da expulsão do presidente como uma hipótese credível.

Mas talvez o maior impedimento seja o próprio Trump. O presidente já deu mostras de ter uma grande dificuldade em manter-se calado – principalmente quando frontalmente atacado. E não se cala num tom que varia entre a acusação vociferante e a torrente acusatória enormemente vociferante – o que tem o benefício de ‘deitar tudo cá para fora’ e de agregar em seu torno um caudal que vai espalhando a dúvida mesmo entre os que mais estão contra a sua atuação.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Ryan Kaji, de oito anos, é a maior estrela do Youtube. Faturou 20 milhões num ano

Tudo começou em 2015, quando os país começaram a partilhar vídeos ocasionais de cinco minutos no Youtube com Kaji a desempacotar brinquedos.

PremiumNissan Juke: Vamos conversar com este carro

A Nissan tem a ambição de voltar a liderar o segmento dos crossovers compactos e se há nove anos era caso único no mercado, hoje tem 24 competidores diretos como resposta a uma expectativa de subida de vendas deste segmento que deverá situar-se nos 30% nos próximos três anos.

PremiumISQ na corrida para o primeiro satélite 100% português

O ISQ é uma das empresas pontas de lança para colocar Portugal na nova vaga de conquista espacial e consolidar um ‘cluster’ aeronáutico. Satélites, foguetões, bases de lançamento, veículos de reentrada na atmosfera, reatores de fusão nuclear são o admirável mundo novo.
Comentários