Dono do Spotify vai mesmo avançar para a compra do Arsenal

O histórico clube inglês está em nono lugar na tabela da Premier League. Os proprietários norte-americanos do clube estão sob pressão dos adeptos após a tentativa fracassada do clube do norte de Londres de participar na Superliga.

O presidente executivo e fundador do Spotify, Daniel Ek, já contactou a família do dono do Arsenal, Stan Kroenke, no sentido de fazer uma oferta para comprar o clube londrino, mas a aquisição pode demorar alguns meses, disse o ex-jogador da seleção francesa e dos ‘gunners’ Thierry Henry.

O empresário sueco disse na semana passada que garantiu os fundos para comprar o Arsenal – avaliado em 2,8 mil milhões de dólares (2,3 mil milhões de euros), de acordo com a “Forbes”. A imprensa britânica informou que grandes nomes do Arsenal, Henry, Dennis Bergkamp e Patrick Vieira, estavam apoiam a oferta de Ek.

Mas os proprietários norte-americanos do clube, sob pressão dos adeptos após a tentativa fracassada do clube do norte de Londres de participar na Superliga Europeia, rejeitaram qualquer boato de  uma possível venda.

Kroenke, o seu filho e diretor do clube Josh divulgaram uma declaração conjunta em resposta ao interesse de Ek, dizendo que continuam “100% comprometidos com o Arsenal” e não estão interessados ​​em vender uma participação no clube.

“Ele (Ek) já entrou em contacto (com a família Kroenke) e disse que havia reunido os fundos para se certificar de que poderia fazer uma boa oferta”, disse Henry à “Sky Sports”. “Eles agora precisam ouvir. Muitas pessoas têm demonstrado vontade que o atual dono saia. Estamos a tentar oferecer uma solução que envolva os adeptos recuperando o ADN do clube. Uma coisa que quero reiterar é que o Daniel não vai desistir, vai ficar à espera para saber se querem vender”, conclui o ex-futebolista.

O Arsenal estava entre os seis clubes ingleses que se inscreveram no projeto proposto da Super Liga Europeia antes de se retirar após protestos dos adeptos, jogadores e do governo britânico.

O clube está em nono lugar na tabela da Premier League e nas meias-finais da Liga Europa.

Recomendadas

Tóquio2020: Jorge Fonseca aponta como segredo “muito trabalho e determinação”

“Dedico a todos os portugueses, às pessoas que estão a passar por momentos difíceis, devido à covid-19”, afirmou, avisando que não quer parar: “Tenho muito mais para conquistar. Tenho 28 anos e quero divertir-me. Tenho fome de títulos. Quero mais”.

6 em 18: como o distrito de Braga domina a I Liga. Veja o “Jogo Económico”

Acompanhe o “Jogo Económico” na plataforma multimédia JE TV, através do site e das redes sociais do Jornal Económico.

“Patrocínio de atletas não é um jogo de amigos, é um negócio”. Especialista analisa críticas de Jorge Fonseca à Adidas e Puma

De modo a ajudar a entender a interpretação das marcas sobre a razão de não patrocinarem Jorge Fonseca, Daniel Sá refere, em entrevista ao JE, que “o patrocínio de atletas não é um jogo de amigos, é um negócio. Quando a marca decide investir em alguém quer duas coisas de volta: visibilidade e associação à personalidade do atleta”.
Comentários